RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemVocalista do Fleshgod Apocalypse é pedida em casamento durante show da banda

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano

imagemOs 20 melhores álbuns lançados em 1993, segundo a Revolver Magazine


Stamp

Brother of a Feather: verdadeira modificação em Unpluggeds

Resenha - Live At the Roxy - Brother of a Feather

Por Paulo Severo da Costa
Postado em 24 de setembro de 2012

Em 1990, um raio hippie cruzou os céus da indústria fonográfica: em meio ao fim do hair metal, da ascensão do grunge e do início de uma MTV americana- em termos de qualidade - em estágio inicial de decomposição, o BLACK CROWES pareceu com seu debut, "Shake Your Money Maker", carregado de blues encharcado de anos 70. Nada de guitarras fritando, nada de depressão grunge, nada de rappers ou Dj´s: só a velha mistura de folk, rock n ´roll e blues na melhor tradição de FACES e STONES.

Vinte e dois anos depois, após gravarem com JIMMY PAGE, brigarem como galos de rinha, se separarem, voltarem e lançarem discos fantásticos, os caras estão na ativa, envelhecendo em tóneis de carvalho de primeira. Em 2006, os problemáticos irmãos ROBINSON uniram-se em duo, nomearam o projeto de Brother of a Feather e gravaram ao vivo no lendário Roxy um CD e DVD ao vivo, nomeado "Live At The Roxy", lançado no ano seguinte.

O resultado conseguido é uma verdadeira modificação do paradigma da famosa linhagem de Unpluggeds: acompanhados eventualmente pelos backings de Mona Lisa Young e Charity White, além de Dave Ellis no sax tenor, o show é calcado na utilização de guitarras solitárias ou em duo de violões executados exclusivamente pelos irmãos, remetendo ao tempo de JOAN BAEZ ou DYLAN quase solitários em suas funções de cantor- compositor-guitarrista-arranjador. Trata-se de um registro áspero, contundente e sem as habituais maquiagens que a diversidade de instrumentos, sobretudo ao vivo, proporciona.

Com um repertório calcado na mistura entre covers e músicas autorais, o CD (que possui seis músicas a menos que a versão em DVD) é um grito primal, um pequeno tratado de emoção prevalecendo sobre a técnica: "Horsehead" e "Cursed Diamonds" remetem a crueza dos registros de NEIL YOUNG nos anos setenta: violões e guitarras secos, vocal etílico e apaixonado. "Over The Hills", um folk-country excelente recebeu da dupla uma versão definitiva, simples, fantástica.
O groove blueseiro estilo "barranca do Mississipi" está lá: "Someday Past The Sunset" e a irretocável "Thorn In My Pride" são a menção honrosa dos anos 2000 dos cânticos entoados em plantações de algodão há cem anos atrás. "My heart´s killing me" e "Polly" são absolutamente desaconselháveis para aqueles que choram por qualquer coisa: o jogo de vozes dos ROBINSON nessas faixas é um rolo compressor no quesito "estou sofrendo, vou encher a cara e te ligo às três da manhã".

Se você gosta de BLACK CROWES, escute esse disco. Se não gosta, escute também: dificilmente se verá um registro dessa qualidade de novo.

1. "Horsehead"
2. "Cursed Diamond"
3. "Over The Hill"
4. "Magic Rooster Blues"
5. "My Heart's Killing Me"
6. "Forgiven Song"
7. "Someday Past The Sunset"
8. "Roll Um Easy"
9. "Cold Boy Smile"
10. "Driving Wheel"
11. "Leave It Alone"
12. "Polly"
13. "Darling Of The Underground Press"
14. "Thorn In My Pride"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]
Mais matérias de Paulo Severo da Costa.