Job For a Cowboy: Fiel ao Death mas atraente para todos

Resenha - Demonocracy - Job For a Cowboy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Terceiro álbum da banda norte-americana Job For a Cowboy, "Demonocracy" acaba de desembarcar nas lojas de todo o mundo com a expectativa de ser um dos principais lançamentos de death metal de 2012. E o disco cumpre o que promete.
5000 acessosResenha - Sgt. Peppers - Beatles5000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose

Produzido pelo cada vez mais requisitado Jason Suecof (Trivium, The Black Dahlia Murder, DevilDriver, God Forbid), "Demonocracy" é violento, intenso e pesadíssimo. Algumas passagens mais extremas se aproximam do grind, o que torna tudo ainda mais doentio. Mas esse extremismo vem sempre acompanhado por grandes doses de melodia. Não, você não encontrará aqui a sonoridade característica do death metal sueco da cena de Gotemburgo, mas sim uma outra abordagem, mais americana e muito mais extrema.

A voz de Jonny Davy varia entre tons guturais mais graves e doentios gritos agudos que lembram bruxas macabras sobrevoando o ambiente. As guitarras de Al Glassman e Tony Sannicandro entregam riffs rápidos e pesados, porém, na hora dos solos, a dupla foge do festival de alavancas e dissonâncias característico do estilo, investindo em melodias bem compostas e atraentes que remetem ao heavy metal clássico. Dando suporte a tudo, a cozinha formada por Nick Schendzielos (baixo) e pelo estupendo Jon Rice (bateria) constrói a base de tudo, e faz isso fugindo insistentemente de andamentos retos e tradicionais, o que resulta em uma sonoridade mais livre e solta. A sensação, em alguns momentos, é que Rice, que faz um trabalho estupendo durante todo o play, não está tocando nas faixas, mas sim solando ensandecidamente em todas as elas.

Pisando fundo em quase todos os momentos, o Job For a Cowboy alcançou em "Demonocracy" um resultado digno de nota. Porém, o foco excessivo na velocidade em praticamente todas as faixas - a única exceção é “Tarnished Gluttony”, que fecha o álbum com um andamento mais moderado - acaba fazendo com que o disco, em alguns momentos, soe repetitivo. Isso acontece principalmente na dobradinha “The Manipulation Stream” e “The Deity Misconception”. No entanto, em contrapartida, a banda acerta a mão de maneira certeira em sons fortíssimos como “Children of Deceit”, Black Discharge” e “Nourishment Through Bloodshed”.

O resultado final é um álbum de death metal repleto de técnica, peso e agressividade, e com um apelo cativante vindo das muito bem desenvolvidas melodias encaixadas nas composições. Mas isso não significa uma sonoridade polida, muito pelo contrário: a rispidez e a violência estão presentes em cada segundo, fazendo com que o trabalho tenha capacidade de agradar desde o mais ferrenho devoto do death metal até um ouvinte que está dando os seus primeiros passos no gênero. Essa é a principal qualidade de "Demonocracy": manter-se fiel ao death metal, mas, ao mesmo tempo, ser atraente e cativante não apenas para os fãs do estilo. Além de uma tarefa extremamente difícil, essa conquista é um gigantesco elogio.

Faixas:
Children of Deceit
Nourishment Through Bloodshed
Imperium Wolves
Tongueless and Bound
Black Discharge
The Manipulation Stream
The Deity Misconception
Fearmonger
Tarnished Gluttony

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Demonocracy - Job For a Cowboy

1533 acessosJob For a Cowboy: um dos mais instigantes do estilo na atualidade

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Job For A Cowboy"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Job For A Cowboy"

Sgt. PeppersSgt. Peppers
Tudo sobre o mais importante álbum da história do rock

AC/DCAC/DC
Setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose

5000 acessosO Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais5000 acessosSpike: os sete piores solos de guitarra5000 acessosHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta5000 acessosOzzy Osbourne: volta de Zakk Wylde une útil ao agradável5000 acessosAngra: uma sincera homenagem aos mestres Chimbinha e Joelma5000 acessosSlayer: É difícil ser um pai responsável enquanto canta sobre morte?

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online