Oligarquia: Uma das mais importantes bandas Death de SP

Resenha - Distiling Hatred - Oligarquia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

8


Não há dúvidas que o Oligarquia é um dos pilares do Death Metal ‘old school’ de São Paulo. Sem lançar um trabalho oficial desde há 7 anos (o último foi o split "Enslave By Light", ao lado da banda Opus Draconis).

O trabalho começou a ser gravado em 2008 e só este ano chegou ao mercado. A banda teve problemas na formação com a saída do vocalista e guitarrista Alex Chiovitti. Inclusive algumas composições são em parceria com o ex-membro.

publicidade

"Distiling Hatred" se difere dos excelentes "Nechropolis" (2000) e "Humanavirus" (2004) já pela mudança de vocal, pois Max Hideo assume os microfones aqui e as diferenças de timbres e estilos são latentes. Enquanto o antigo vocalista possuía um timbre homogêneo e mais tradicional do estilo, Max é mais agressivo e variado. O instrumental também partiu para um lado mais agressivo e cru, portanto a mudança na sonoridade já não é tão latente. Algumas influências novas foram adicionadas, como o Grindcore e Thrash Metal.

publicidade

Podemos destacar várias composições entre as 11 existentes no trabalho, dentre elas "When The Hate Dominate" que abre o disco de forma brutal e com o baixo tinindo, a tradicionalíssima "Until The Next Day" que cairia muito bem em "Nechropolis" e "Owner Of The World" que expele grandes riffs aliados a uma cozinha brutal. A forma como toda a estética do trabalho foi lançada também ficou muito legal. Para baratear os custos e não fazer com que os fãs sofram para adquirir o trabalho, a banda lançou o disco em uma embalagem bem simples de papelão que ficou muito legal.

publicidade

Um trabalho que mantém o Oligarquia com o status de uma das mais importantes bandas de Death Metal de São Paulo, mas com um passo a frente.


Outras resenhas de Distiling Hatred - Oligarquia

Oligarquia: Para fãs de death sem frescuras nem novidades




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Woodstock: som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urinaWoodstock
Som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urina

Notas altas: as dez mais impressionantes do Heavy MetalNotas altas
As dez mais impressionantes do Heavy Metal


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin