Resenha - Slovo - Arkona

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por José Antonio Alves
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Sempre me fascinaram as bandas que procuram mesclar algo extremo com melodias mais limpas, ainda mais juntando estes elementos a instrumentos folclóricos típicos e temas relacionados à história russa, eslavismo e crenças pagãs. Esta é a banda russa ARKONA.

Dimebag Darrell: namorada fala sobre a vida e a morte do músicoAvenged Sevenfold: The Rev dizia que não passaria dos 30

Nascida em 2002 e liderada pela performática Masha, a banda vem evoluindo e tornando sua música cada vez mais complexa. Adotando o russo como idioma corrente nas letras, a banda lançou este ano "Slovo", sexto álbum e primeiro a contar com coro e orquestração profissional na história da banda.

A introdução medieval "Az (segundo a banda, traduzida como 'o começo de todos os começos')" mostra o espírito do álbum, e nos prepara para uma grande jornada de alternância entre melodias ao decorrer do álbum. Em seguida, "Arkhaim ('cidade dos antigos Arianos')" mostra um pouco da veia extrema da banda, logo dando lugar a belos vocais de Masha.

"Bol'no Mne" vai da calmaria a brutalidade, com algumas partes mais cadenciadas, emendando com a animada "Leshiy". "Zakliatie" mostra Masha declamando uma verdadeira oração pagã de proporções épicas. "Predok" é uma declamação que serve de introdução para a brutal "Nikogda", valorizando o que há de melhor em suas tradições.

A viagem medieval continua através da bela "Tam Za Tumanami" e do coral de vozes "Potomok", que prepara terreno para a ótima "Slovo". Nesta última, aliás, é evidenciado o extremismo vocal com belas passagens folclóricas e diversidade de instrumentos usados. Masha pode encantá-lo com um vocal mais limpo ou um sussurro sedutor, ou perfurar seus tímpanos com um grito infernal e medonho. Sua capacidade de mudar estilos habilmente, muitas vezes durante cada música, é uma característica não comum entre vocalistas e é uma prova de seu nível de talento.

"Odna" comprova um pouco isso, seguida da mais acústica "Vo Moiom Sadochke". "Stenka Na Stenku" segue para ser talvez a mais animada e dançante do álbum. Uma curiosidade: esta faixa trata de um entretenimento antigo eslavo para os homens, que era basicamente uma briga. Duas fileiras de homens em pé diante do outro, como duas paredes, começam a lutar no meio do chão. Acreditava-se que era bom para o fortalecimento do espírito de luta. Finalmente, a não menos complexa "Zimushka" fecha o trabalho de Ahripova e companhia.

"Slovo" é algo grandioso, composto por orquestração exuberante, arranjos, coros e despertando melodias tradicionais. O uso pesado de instrumentos tradicionais é inspirador, colocando o ARKONA um passo à frente. É louvável o esforço que Ahripova e seus companheiros de banda tiveram ao trazer à vida a história e a mitologia de suas terras eslavas. Sem dúvida, um álbum que segue a linha dos anteriores com maior complexidade.

Faixas de "Slovo":

01. Az'
02. Arkaim
03. Bol'no mne
04. Leshiy
05. Zakliatie
06. Predok
07. Nikogda
08. Tam za tumanami
09. Potomok
10. Slovo
11. Odna
12. Vo moiom sadochke
13. Stenka na Stenku
14. Zimushka

Arkona é:

Masha "Scream" Arhipova - vocal, teclado, percussão e berimbau de boca
Sergey "Lazar" - guitarra elétrica, guitarra acústica, balalaica e berimbau de boca
Ruslan "Kniaz" - baixo
Vladimir "Artist" Sokolov- bateria
Vladimir "Volk" - instrumentos étnicos


Outras resenhas de Slovo - Arkona

Arkona: se sobressaindo com folgas no Folk Metal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Arkona"


Dimebag Darrell: namorada fala sobre a vida e a morte do músicoDimebag Darrell
Namorada fala sobre a vida e a morte do músico

Avenged Sevenfold: The Rev dizia que não passaria dos 30Avenged Sevenfold
The Rev dizia que não passaria dos 30

Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioLinkin Park
Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício

Sasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinilAstros mortos: como estariam alguns se ainda estivessem vivos?Scorpions: foto inédita da bandaRolling Stones: camarote de Keith Richards no Morumbi fica na sala antidoping

Sobre José Antonio Alves

Aventureiro, mochileiro, amante da cultura latina e claro, fã de um dos estilos mais fascinantes deste universo musical: o Heavy Metal!

Mais matérias de José Antonio Alves no Whiplash.Net.