Children Of Bodom: Mantendo a essência do que os destacou

Resenha - Relentless, Reckless Forever - Children Of Bodom

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlúcio Baima
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Children Of Bodom lançou no início de março "Relentless, Reckless Forever". O álbum, sétimo em sua carreira, foi produzido por Matt Hyde, que já trabalhou com Monster Magnet e o Slayer. Sempre achei interessante a proposta musical da banda, pois demonstra ser pouco preocupada com os famosos rótulos - Power Metal, Melodic Metal, Symphonic Black Metal, etc. Normalmente vemos a banda enquadrada no: Melodic Death/Trash Metal, rótulo esse um tanto quanto curioso, pois não define muita coisa, só deixa claro as influências da banda. Esse aspecto, contudo deve ser relativizado visto que ora ou outra o Bodom gosta de injetar em suas músicas uma levada pop que no final das contas acaba soando muito bem.

Kryour: prestando tributo ao Children of Bodom em vídeo ao vivoRenato Russo: a história do maior nome do rock nacional

Se comparado ao trabalho anterior, "Blooddrunk" (2008), "Relentless, Reckless Forever" possui uma pegada mais melódica, valorizando bastante os riffs e as passagens de teclado. Podemos destacar ainda os solos empolgantes e a bateria consistente do início ao fim. As cadenciadas no decorrer do álbum deixam evidente a qualidade de composição da banda. É bom destacar esse ponto, já que eventualmente direcionamos muita atenção ao líder Alexi Laiho, porém Janne Warman faz um trabalho admirável encaixando o teclado nos momentos certos da música, sem torná-las enfeitadas ou muito melódicas. O baixo também é bem presente e completa bem os momentos de calmaria de algumas faixas. Eventualmente teremos duelos de guitarra e teclado que devem valorizar bastante o show ao vivo.

Não irei prolongar os comentários quanto às músicas, pois todas seguem uma qualidade de composição muito alta, tornando o CD bastante satisfatório, mas vale destacar o refrão da primeira faixa "Not My Funeral" e o modo como a mesma foi finalizada. Em "Shovel Knockout" e "Roundtrip To Hell And Back" a bateria "come solta" e os teclados são emblemáticos com solos muito bem feitos (arranjados e elaborados). "Pussyfoot Miss Suicide" e "Relentless, Reckless Forever" são até bem parecidas, mas a dupla de guitarras compõe solos avassaladores. Os vocais rasgados de Alex Laiho são destaque em todas as faixas, mas pessoalmente fiquei mais atento aos das músicas "Ugly" e "Was It Worth It?", sendo que a última já possui um clipe na web. Além dessas, não poderia faltar aquela dose de humor com o cover da música "Party All The Time" do famoso ator Eddie Murphy.

Pode ser que ao ouvir o álbum pela primeira vez você não perceba muitas novidades ou então vem a mente aquele comentário: "Tá bom, mas falta alguma coisa. O que será?" Acredito que a priori seja natural essa sensação, mas depois fica mais clara a proposta da banda e as inovações sutis que a mesma fez neste álbum, sem perder o peso característico dos trabalhos anteriores. Vale à pena curtir o sétimo álbum desses finlandeses, pois em "Relentless, Reckless Forever", o Bodom manteve a essência que destacou o grupo no cenário do Metal.

Alexi Laiho (guitarra e vocais)
Jaska Raatikainen (bateria)
Henkka Blacksmith (baixo)
Janne Warman (teclados)
Roope Latvala (guitarra)

Músicas:
1. Not My Funeral
2. Shovel Knockout
3. Roundtrip To Hell And Back
4. Pussyfoot Miss Suicide
5. Relentless, Reckless Forever
6. Ugly
7. Cry Of The Nihilist
8. Was It Worth It?
9. Northpole Throwdown




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Children Of Bodom"


Kryour: prestando tributo ao Children of Bodom em vídeo ao vivo

Rock/Metal: 7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2Rock/Metal
7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2

Alexi Laiho: aparentemente tive a clavícula quebrada por 10 anos, afirma Alexi LaihoAlexi Laiho
"aparentemente tive a clavícula quebrada por 10 anos", afirma Alexi Laiho

Tarja Turunen: vocalista reprova cover do Children Of Bodom no The VoiceTarja Turunen
Vocalista reprova cover do Children Of Bodom no The Voice


Renato Russo: a história do maior nome do rock nacionalRenato Russo
A história do maior nome do rock nacional

Presença de Palco: dicas para iniciantesPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Raul Seixas: 10 importantes obras do Maluco BelezaRaul Seixas
10 importantes obras do Maluco Beleza

Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityBlack Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill WardSeparadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejados

Sobre Carlúcio Baima

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.