Pagan Throne: Pagan Black Metal com abordagem agressiva

Resenha - Way to the Northern Gates - Pagan Throne

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar Correções  

9


Pagan Black Metal não é um estilo simples de ser descrito, já que de um lado mais acessível ficam bandas com sonoridades Folk/Viking, e do outro lado, por sua vez, ficam as que preferem abordar pela agressividade do Black Metal, em trabalhos bem brutais. O meio termo é algo quase que impossível, que bem poucos conseguem fazer.

Pagan Throne: Resenha do álkbum Our Blackest Roots

Lindo Demais: conheça o London, o primeiro smartphone da Marshall

O PAGAN THRONE, do Rio de Janeiro, usa justamente a abordagem mais agressiva, lembrando vagamente o mesmo approach do ENSLAVED no ‘Frost’ e do BATHORY no ‘Blood Fire Death’, embora existam momentos mais amenos, graças a algumas intervenções bem sacadas dos teclados, estes tocados por Eddie Torres (que também produziu o disquinho), o que não significa em nada que a banda perca a vitalidade bem brutal, que é a sua característica.

A arte do CD é muito bem cuidada, coisa bem profissional, e a produção sonora é muito bem feita, com cada instrumento em seu devido lugar, deixando o peso da banda extremamente evidente, seja em momentos mais velozes ou nos mais cadenciados.

O CD abre com uma pequena intro, ‘For the Battle’, que logo cede espaço para ‘Black Hordes’, onde a alternância entre rapidez e cadência se faz presente, com bases rascantes e um belo solo (bem feito, sem nada de ‘guitarra sendo trucidada impiedosamente’), algo que não é comum ao paradigma atual do estilo; a ótima ‘Course of the Old Domain’ já é quase totalmente cadenciada, onde os vocais rasgados agressivos dão a tônica da música, além de um solo muito bom; ‘March of the Tyrants’ é mais outra introdução que desemboca em ‘Ritual’, uma faixa que inicia bem rápida, mas depois entra com uma levada bem empolgante e um certo ar de DARKTHRONE/SATYRICON antigo, ou seja, aquela velocidade não muito exagerada, combinada com bases bem empolgantes. Depois, a música cai em um momento bem cadenciado e aterrorizante, e a faixa fica nessa alternância durante os seus 7 minutos de duração.

Um solo melodioso e bem feito é o pontapé inicial da excelente ‘Countess of Night’. Esta é uma faixa mais ‘up tempo’, ou seja, menos rápida e bem mais climática, mas é aquela típica música que leva o ouvinte a ouvi-la até o fim, com vontade de repetir a dose mais e mais vezes. Fechando, vem a longa ‘Northern Forests’, vinda do Single homônimo de 2007, que é mais uma faixa realmente empolgante, bem rica de variações e que agradará qualquer fã de Black Metal que se preze.

O CD é altamente recomendado aos fãs daquela sonoridade característica dos anos 90, uma vez que a banda não é dada às tendências mais atuais. E aproveitem, já que a banda o disponibilizou para download gratuito em seu blog.

Em tempo: após a gravação, entraram para a banda Thiago Arghauls (Guitarras) e Eddie Torres (baixo).

Formação:
Garm – Vocais
Gorgoth – Guitarras e baixo
Daemortiis – Bateria

Tracklist

1. For the Battle (intro)
2. Black Hordes
3. Course of the Old Domain
4. March of the Tyrants
5. Ritual
6. Countess of Night
7. Northern Forests (Single Version)

Contatos:
http://paganthrone.blogspot.com
http://www.myspace.com/paganthrone
[email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Pagan Throne: Resenha do álkbum Our Blackest Roots


Lindo Demais: conheça o London, o primeiro smartphone da MarshallLindo Demais
Conheça o London, o primeiro smartphone da Marshall

Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin