Bad Habit: AOR cativante e muito consistente

Resenha - Atmosphere - Bad Habit

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar Correções  

8


Um AOR que seja ao mesmo tempo clássico e moderno, que não seja repetitivo nem leve demais. Sempre uma tarefa pessoal difícil de encontrar. No entanto, em "Atmosphere", que chega ao mercado no início de 2011, percebo que o BAD HABIT certamente tem uma boa mistura daquelas características, o que torna a banda uma das mais interessantes do momento.

Angra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de DominóVan Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

Comparando com "Above And Beyond", considero que "Atmosphere" está no mesmo nível de seu antecessor. O primeiro parece ter primado mais por um hard rock enquanto o último acentua mais sua veia AOR, como se percebe em faixas como "Every Time You Cry" e "Only Time Will Tell". Até mesmo nas faixas que possuem vocais mais agressivos ou guitarras mais impactantes, como em "In The Heat Of The Night", "Break The Silence" e "Catch Me When I Fall", ainda há espaço para os teclados e para a sutileza das harmonias, muito bem trabalhadas.

A modernidade é acrescentada principalmente em "I’ll Die For You", enquanto "Angel Of Mine" remonta os tempos clássicos da banda. Devem ser destacadas também as mais cadenciadas "I Wanna Be The One", "We Are One" e "Save Me", pelas belas melodias e pelos refrãos marcantes. "Without You" consegue resumir bem o que é o "Atmosphere", fundindo o que há de melhor nas faixas.

O grande diferencial dos suecos é sem dúvida os vocais bem alternados de Bax, que consegue ser suave e potente quando necessário. Nesse sentido, deveriam ter explorado faixas mais versáteis, apesar de o trabalho analisado como um todo conseguir mesclar de forma coerente todos os elementos que marcaram a carreira do BAD HABIT.

O ponto negativo fica pela falta de variação das músicas que, embora muito boas, se diferenciam entre si apenas pontualmente, havendo somente três tipos de faixas: as mais pesadas, as com andamento não tão rápido e as baladas, com uma ou outra pequena novidade em cada uma.

Assim sendo, apesar de ser um álbum que não surpreende, o disco cumpre bem seu papel, pois proporciona bons momentos de apreciação de um AOR enquadrado no mínimo como bom, já que é muito difícil de ser feito.

Integrantes:
Bax Fehling - vocais
Hal Marabel - guitarras, teclados
Partik Sodergren - baixo
Jaime Salazar - bateria
Sven Cirnski - guitarras

Faixas:
01. In The Heat Of The Night
02. Words Are Not Enough
03. Every Time You Cry
04. I Wanna Be The One
05. I’ll Die For You
06. Angel Of Mine
07. Fantasy
08. We Are One
09. Only Time Will Tell
10. Break The Sillence
11. Save Me
12. Catch Me When I Fall
13. Without You

Gravadora: AOR Heaven




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Angra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de DominóAngra
Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o NirvanaVan Halen
O constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana


Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin