Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemA sincera resposta de João Gordo para quem o acusa de ser "traidor do movimento"

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii que faz uma dura crítica à panelinha do rock nacional

imagemO sensato conselho que Lulu Santos deu para o novato Herbert Vianna

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemBittencourt começou a fazer tai chi chuan no camarim após beque de Mariutti bater forte

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

imagemEddie Munson faz metaleiros virarem novos crushes da geração TikTok, diz site

imagemMúsicos famosos fizeram teste para o AC/DC sem que ninguém soubesse, conta baterista

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte


Dream Theater 2022

Impaled Nazarene: Com eles, fidelidade é questão de honra

Resenha - Road to the Octagon - Impaled Nazarene

Por Marcos Garcia
Em 26/01/11

Nota: 10

No Metal, há duas vertentes distintas de pensamento em relação a fazer música: uma em que as bandas erguem a bandeira da constante evolução, na tentativa de expansão de sua sonoridade, e algumas vezes (nem sempre de forma nobre e digna de louvor) em busca de novos mercados musicais. Já a segunda é feita por outras que não abrem mão de sua sonoridade característica, gerando uma relação de fidelidade entre elas e seus fãs. Esta vertente não é nova, e nem há poucas bandas adeptas desta forma de pensamento.

E o IMPALED NAZARENE é uma destas muitas fieis demais a seu estilo, tanto que uma simples ouvida já é mais que suficiente para saber quem está tocando, pois sua mistura de Grindcore com Black Metal é muito conhecida, pouco imitada, e inigualável, e nos brinda com seu 12º CD, ‘Road to Octagon’.

Após três anos sem lançar CD novo desde ‘Manifest’, de 2007, devido ao impasse de mudança de gravadora (que acabou não acontecendo, pois eles preferiram ficar na Osmose Productions), a gangue capitaneada pelo mais que insano Mika Luttinen nos vocais, e tendo por companheiros Tomi UG Ullgren nas guitarras (que já andou pelo também ótimo THY SERPENT), Mikael ‘Arkki’ Arnkil no baixo, e pelo também veterano Reima ‘Repe Misanthrope’ Kellokoski na batera, eles voltam desfilando agressividade e peso com certa melodia (especialmente nos solos de guitarra), e soltando muitas blasfêmias com doses homeopáticas de ironia em suas letras.

A arte do CD é muito bem cuidada e estruturada, ponto comum para quem acompanha a banda há tempos; a produção sonora é translúcida, com cada instrumento tendo seu espaço bem definido (especialmente o baixo agudo, herança do Hardcore e característica marcante deles), permitindo que cada mudança e nuance musical seja bem compreendida pelos ouvidos dos fãs.

Musicalmente, a banda deu uma guinada na direção do que já havia feito no ‘All that You Fear’ e ‘Pro Patria Finlandia’, mas sem soar repetitivo ou mais do mesmo, já que para a banda, a questão é de fidelidade às raízes é algo que não se discute.

Os fãs irão delirar em músicas como ‘Enlightenment Process’, que tem algumas influências mais modernas, mas é uma pancada bem dada; ‘The Day of Reckoning’, uma típica música mais Hardcore da banda; ‘Corpse’, com algumas levadas mais Thrash; ‘Reflect on This’, onde o pau come solto; ‘Cult of the Goat’, que começa meio lenta e cadenciada, mas depois vira mais uma porrada seca (só que um dia, ainda pergunto ao Mika que tara é essa que ele tem em falar em bodes, já que todo CD da banda tem uma música que fala no assunto); ‘Gag Reflex’, a curta ‘The Plan’, ‘Silent and Violent Type’ e ‘Rhetorical Infernal’. Quem odeia, vai continuar soltando cobras e lagartos sobre a banda. Mas para os que gostam da banda, podem ir tranqüilos, pois com o IMPALED NAZARENE, fidelidade é questão de honra.

Tracklist:

1. Enlightenment Process
2. The Day of Reckoning
3. Corpses
4. Under Attack
5. Tentacles of the Octagon
6. Reflect on this
7. Convulsing Uncontrollably
8. Cult of the Goat
9. Gag Reflex
10. The Plan
11. Silent and Violent Type
12. Execute Tapeworm Extermination
13. Rhetoric Infernal

Contatos:
http://www.myspace.com/impalednazarene
http://www.campnazarene.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Gibson: os 50 melhores covers da história do rock

Nirvana: Dave Grohl comenta sobre o funeral de Kurt Cobain


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia.