Extreme: desconhecida e conhecida por muitos ao mesmo tempo

Resenha - Take Us Alive - Extreme

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Caio César
Enviar correções  |  Ver Acessos


Fiz uma experiência várias vezes, relacionada ao Extreme, a qual consistia perguntar ao "pesquisado": "Conhece a banda "Extreme"?" e a pessoa sempre respondia que nunca havia ouvido falar de tal grupo. Na mesma hora eu colocava pra tocar a linda balada "More than words" e a reação era quase sempre a mesma: "Hum, essa eu conheço!". Reconheço que a primeira coisa que ouvi desse grupo foi justamente a balada internacionalmente conhecida citada acima que de fato é uma canção cativante e emotiva que entrou pra história do rock.

Generation Axe: o G3 de Steve Vai em um belo disco ao vivoKing Diamond: O que significa ser Satanista?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No entanto, o Extreme é muito mais que palavras (perdoe o trocadilho), muito mais mesmo! Pra começar o guitarrista Nuno Bettencourt é, no mínimo, um absurdo quando falamos de técnica, e o vocalista Gary Cherone apesar de não ter uma das vozes mais potentes do Hard rock é parceiro de composição de Nuno e possui uma energia e carisma no palco que são capazes de incendiar qualquer platéia. Além disso, o misto de funk com Hard Rock do grupo os faz únicos, e devo dizer que este é o ingrediente que mais me atraiu e me fez conhecer a banda mais a fundo.

Ultimamente houve um retorno a ativa do grupo que havia se separado em meados da metade dos anos noventa. Aparentemente, parecia apenas mais um retorno em meio a tantas reuniões de grupos antigos que vem acontecendo atualmente. Essa impressão ficou pra trás quando ouvi o novo disco "Saudades de Rock", talvez um dos melhores discos de rock lançados em 2009. Junto a esse os integrantes decidiram que deveriam registrar um dos shows da turnê e é sobre esse que venho escrever aqui nesta resenha. "Extreme - Take Us Alive" foi gravado em Boston, o berço do grupo.

Apesar de nunca ter ouvido algum material ao vivo do grupo, além de alguns poucos registros não originais, ouvia boatos de que Gary Cherone não "segurava" muito bem ao vivo. A sorte foi que quem me passou esses boatos estava completamente enganado. O cara esbanja energia, carisma e todos os ingredientes que todo bom vocalista deve ter.

Com Pat Badger no baixo (outra presença significativa no show) e Kevin Figueiredo na bateria a apresentação se inicia com a clássica "Decadence Dance" com Nuno esbanjado harmônicos na guitarra e Gary segurando perfeitamente as notas. Nota-se certo desgaste na voz do vocalista, mas isso não compromete em nada a apresentação da empolgante faixa que costumava abrir os shows do grupo. Em seguida, entra "Confortably Dumb" que pertence ao disco novo. Uma faixa que soa Extreme do início ao fim tendo nos riffs de Nuno Betencourt a sua principal marca. Um destaque não só no show, mas também no disco novo do grupo. Logo em seguida, "Rest in peace", um dos grandes sucessos do disco "III sides to every story", é tocada. É uma de minhas favoritas do grupo. Uma melodia extremamente alegre misturando a energia do funk com o peso do Hard Rock. "It('s a monster)", um dos clássicos de "Pornografitti", foi entoado pela platéia logo em seguida. Neste momento, Cherone mostra sua grande capacidade de interagir com o público, gesticulando e chamando todos a acompanhar a banda.

"Star", canção com nítida influência do Queen nos vocais, inicia-se cantada a capella por Badger, Nuno e Gary seguida de mais um furioso riff de Nuno. Uma das melhores canções do disco novo funciona muito bem ao vivo principalmente no coral super afinado do trio citado acima.

"Tell me something I don't Know" quebra um pouco o ritmo que o show vinha tendo com uma levada um pouco menos acelerada. É aberta um pouco a exibição de Nuno e de Pat. Em seguida temos um Medley de algumas canções do primeiro disco "Extreme" com "Kid Ego", "Litlle Girls" e "Teacher's Pet" emendada com outro clássico do mesmo disco "Play with me".

Terminada essa sequência temos Nuno de violão no palco. Ele executa "Midnight Express", canção do disco "Waiting for the Punchline". Ele aproveita pra mostrar um pouco de toda a técnica apurada que possui na bela canção acústica. A chegada de Gary Cherone traz o inevitável pro show. Ele explica o quanto a canção significa pra Nuno e ele, pede para o público não ficar tímido, e acompanhados da platéia, a dupla executa o grande hit da banda "More than words". Uma exibição digna de aplausos que misturou a euforia do público com o feeling dos músicos. Talvez esse tenha sido o momento do show em que o clímax atingiu o máximo.

Após essa execução, Nuno aparece ao piano para apresentarem uma balada do disco novo, chamada "Ghost". A música tem um toque oitentista e funciona muito bem ao vivo. O funk metal volta com a maravilhosa "Cupid's Dead" do disco "III sides to every story" pra mais uma exibição de gala de Nuno na guitarra e um início de Kevin arrepiante na bateria. O funk Metal dá lugar ao country divertido que dá nome ao DVD, "Take Us Alive". Nuno e Pat aproveitam para se divertirem no palco incorporando algumas improvisações à música. O premiado solo "Flight of the wounded Bumbleblee" traz nova exibição técnica de Nuno.

Chegando aos momentos finais temos mais funk com "Get a funk out" e, explorando o lado mais Hard da banda, vem "Am I ever gonna change". Finalmente o grupo encerra com sua outra canção que dominou as rádios no fim dos anos oitenta "Hole Hearted" em uma exibição divertida com uma grande interação dos músicos com a platéia. Inclusive o baterista Kevin Figueiredo se juntou aos outros membros da banda com um bumbo pequeno e um prato pra executar a percussão de "Hole Hearted".

Uma exibição impecável de uma banda desconhecida e conhecida ao mesmo tempo por muitos. Recomendo que você que não conhece muito dessa banda e é um amante do hard rock, que busque logo materiais do Extreme, principalmente os discos "Pornografitti", o último "Saudades de Rock" mais este DVD do qual falei aqui. Com certeza você não se decepcionará. Talvez, depois de assistir a este DVD, você se una a mim nas preces para um retorno do grupo ao Brasil.

Faixas:
1. "Decadence Dance" (Pornograffitti)
2. "Comfortably Dumb" (Saudades de Rock)
3. "Rest in Peace" (III Sides to Every Story)
4. "It('s a Monster)" (Pornograffitti)
5. "Star" (Saudades de Rock)
6. "Tell Me Something I Don't Know" (Waiting for the Punchline)
7. "Kid Ego/Little Girls/Teacher's Pet" (Extreme)
8. "Play With Me" (Extreme)
9. "Midnight Express" (Waiting for the Punchline)
10. "More Than Words" (Pornograffitti)
11. "Ghost" (Saudades de Rock)
12. "Cupid's Dead" (III Sides to Every Story)
13. "Take Us Alive" (Saudades de Rock)
14. "Flight of the Wounded Bumblebee" (Solo de He-man Woman Hater)(Pornograffitti)
15. "Get the Funk Out" (Pornograffitti)
16. "Am I Ever Gonna Change" (III Sides to Every Story)
17. "Hole Hearted" (Pornograffitti)

Integrantes:
Gary Cherone - Vocais
Nuno Bettencourt - Guitarra e vocais
Pat Badger - Baixo e vocais
Kevin Figueiredo - Bateria




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Extreme"


Generation Axe: o G3 de Steve Vai em um belo disco ao vivoRodz Online: Freddie Mercury Tribute Concert (vídeo)

Total Guitar: os melhores e piores covers da históriaTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história

Nuno Bettencourt: Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com elaNuno Bettencourt
Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com ela


King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?

Doentio: Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucosDoentio
Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos


Sobre Caio César

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336