Carlos Lichman: instrumental que contagia o ouvinte comum

Resenha - Firestorm - Carlos Lichman

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É difícil pontuar um disco instrumental quando não se é um instrumentista. Musicalmente, o ouvinte pode não entender ou simplesmente não gostar do estilo empregado, mas não é por isso que o trabalho não é bom ou deve ser desvalorizado.
5000 acessosSlipknot: como são os membros da banda sem as máscaras?5000 acessosGuns N' Roses: transtorno bipolar, a doença de Axl Rose

Gaúcho de Porto Alegre, Carlos Lichman deixou de atuar como um simples guitarrista da banda Neverland para se dedicar à carreira solo, oficinas e aulas de música e muito brilhantismo. É o primeiro trabalho do talentoso instrumentista, e para tornar a empreitada ainda melhor, chamou Kiko Loureiro, (Angra) e músicos além do país como o italiano Francesco Fareni, o argentino Pablo Soler e o estado unidense Jim Horne para acrescentarem à obra. Todos com participação marcada no encarte, para definir realmente, quem é o dono das dedilhadas velozes que estão no disco.

E que velocidade! Carlos Lichman chega a ser estúpido, sem perder a postura e a musicalidade, ainda mais ressaltada pela banda base, formada por uma verdadeira equipe técnica: Alexandre Olly e Sandro Moreira na bateria, Leandro Berpo e Vinícius Rym no baixo e Paulo Miguel Bublitz no teclado, instrumento também comandado pelo próprio Lichman na canção “Drug Dealers”.

“Firestorm” é um disco que os ouvintes amadores da música instrumental (assim como eu), deveriam ter conhecido há mais tempo. Se os licks e riffs desembaraçados tiveram boa repercussão na mídia especializada nacional e internacional, é por que de fato, Carlos Lichman merece elogios e aplausos. No entanto, não é por que revistas ou sites deram boas notas que só por isso vou valorizar o trabalho do gaúcho. De fato, apesar de sentir um pouco a insistência de solos mais agudos e repetitivos, reconheço o esforço empregado em todo o disco, a variedade musical, e o peso Heavy Metal aplicado em “Drug Dealers” ou em “Endless”, por exemplo.

Essas duas canções servem como modelo de como empregar habilidade, criatividade e ao mesmo tempo, contagiar o ouvinte com os velhos clichês do rock. É pensar no futuro, e botar fé neste grande instrumentista brazuca!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Carlos Lichman"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Carlos Lichman"

SlipknotSlipknot
Como são os membros da banda sem as máscaras?

Guns N RosesGuns N' Roses
Transtorno bipolar, a doença de Axl Rose

CamisetasCamisetas
Beldades globais e sua paixão pelo rock

5000 acessosMusic Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos5000 acessosSlipknot: banda trolla repórter da Multishow antes de show no RIR5000 acessosSimone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"5000 acessosBlack Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo5000 acessosSeparados no nascimento: Lady Gaga e Eddie4905 acessosMegadeth: Dave Mustaine diz que havia uma "estranheza" entre ele e Friedman

Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online