Resenha - Fiction - Dark Tranquillity

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Edson Carlos Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Parece que o lema do Dark Tranquillity é não ser uma banda que faz som pra japonês ver. Banda “velha de guerra” no que chamamos hoje em dia de Gothemburg Sound, ela parece vinho: quanto mais o tempo passa, melhores discos os caras lançam. Duvida? Então coloque o novo CD deles, “Fiction” pra tocar e comprove o que estou dizendo.
5000 acessosBlack Sabbath: Rob Halford conta como foi substituir Ozzy5000 acessosGaleria - Musas do Rock N' Roll e Heavy Metal

Em “Fiction”, lançado pela Century Media, os suecos mostram um som rasgado, pesado, muito agressivo, mas sem soar antigo ou repetitivo. Aliás, muito pelo contrário, pois os caras sempre colocam elementos mais experimentais a cada CD novo, porém, na medida certa.

Seguindo a linha do seu antecessor “Character”, o Dark Tranquillity tem todos os ingredientes para agradar os headbangers mundo afora: cozinha precisa, teclados que fazem a diferença, riffs intrincados, mas mesmo assim pesadíssimos e Mikael Stanne rasgando a voz como sempre (e ainda assim dá pra entender perfeitamente o que ele canta).

Destaques? Um monte! Desde “The Lesser Faith” onde os teclados de Martin Brändström fazem a cama perfeita (além de um solo belíssimo lá pelos 3 minutos de música) para as guitarras de Niklas Sundin e Michael Niklasson desfilarem seus riffs pesadíssimos, mas altamente técnicos e a batera de Anders Jivarp absolutamente perfeita, passando pela ótima “Terminus (Where The Death Is Most Alive)”, pela pancadaria de “Blind At Heart, “Empty Me” (com excelentes solos de teclado e guitarra, de fazer muita banda de prog metal se roer de inveja) e “Focus Shift”, onde temos momentos puramente thrash/death, para o ouvinte detonar o pescoço.

Ainda temos músicas mais cadenciadas e é onde percebemos como o trabalho de Brändström se faz digno de muitos elogios. Temos “Icipher”, “Misery’s Crown”, onde Stanne canta com a voz limpa e “The Mudane and The Magic”, onde os teclados se mostram como um elemento essencial no som do Dark Tranquillity de uns anos pra cá. Elemento esse que só se faz melhorar o som da banda.

Enfim, “Fiction”, mantém o Dark Tranquillity em ótima cotação na cena do Death Metal Melódico, mostrando que é possível fazer um som extremamente pesado e agressivo com muita técnica e bom gosto, sem soar datado, indicado inclusive para quem gosta de um som altamente bem feito e bem produzido. Compre já!

Dark Tranquillity - Fiction
(2007 - Century Media)

1. Nothing To No One
2. The Lesser Faith
3. Terminus (Where Death Is Most Alive)
4. Blind At Heart
5. Icipher
6. Inside The Particle Storm
7. Empty Me
8. Misery’s Crown
9. Focus Shift
10. The Mundane And The Magic

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Fiction - Dark Tranquillity

1886 acessosDark Tranquillity: referências a tudo já feito

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dark Tranquillity"

Metal suecoMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dark Tranquillity"

Black SabbathBlack Sabbath
Rob Halford conta como foi substituir Ozzy

Feias que me perdoemFeias que me perdoem
Musas do Rock e Heavy Metal

OpiniãoOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

5000 acessosIron Maiden: O "Iron Maiden" que não começa com "Prowler"5000 acessosIron Maiden: Eddie lutando contra a corrupção5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura5000 acessosIron Maiden: ainda temos muita coisa boa pela frente, diz Harris5000 acessosEdu Falaschi: uma pesquisa sobre o underground brasileiro5000 acessosW.A.S.P.: o casamenteiro de Lita Ford e Chris Holmes!

Sobre Edson Carlos Silva

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online