Resenha - Speak Of The Dead - Rage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


O Rage, veterano e amado por uma infinidade de headbangers ao redor do globo, está de volta com seu 17º álbum de estúdio batizado como "Speak Of The Dead". Depois de tantos anos, a banda volta a trabalhar com uma orquestra sinfônica, e, comparando com seus trabalhos que seguiam esta linha no passado, percebe-se certo distanciamento da melancolia de "XIII" (98), ou da total depressão de "Ghost" (99).

Curiosamente, o álbum vem dividido em duas partes: a primeira, chamada "Suite Lingua Mortis", é composta por oito faixas – cinco são instrumentais – gravadas com uma orquestra real e cuja sonoridade se mescla com o Heavy Metal. Detalhe importante: mesmo com tantas faixas instrumentais, a audição flui rapidamente e de maneira muito agradável. O guitarrista Victor Smolski, que foi o total responsável pelas músicas desta etapa, sabe o que faz e o resultado é magnífico.

publicidade

Quanto à segunda parte de "Speak Of The Dead", são oito faixas do mais vigoroso Heavy Metal, comprovando que o termo "power trio" é totalmente aplicável ao Rage. São poucos músicos para fazer tanto barulho, seja direto ou intrincado, e com um incrível senso de melodia, onde Terrana faz a festa com seu estilo todo particular e novamente mostrando Peavy Wagner como um verdadeiro mestre em termos de refrãos grudentos.

publicidade

Mesmo considerando "Speak Of The Dead" superior aos seus dois últimos álbuns de estúdio, o fato é que o formato final deste disco acabou ficando meio sem sentido. Analisando friamente, a maneira como este álbum foi montado não irá agradar a todos os ouvintes, não há nem uma canção ruim, nem mesmo mediana, mas a divisão de estilos musicais não foi muito feliz.

publicidade

A complexidade da "Suite Lingua Mortis" acaba por se chocar com o Heavy Metal, que é bem mais direto, na segunda parte. Podem ter a certeza de que muitos reclamarão que prefeririam somente Heavy Metal mesmo... Ou somente a parte orquestrada...

Formação:
Peavy Wagner: voz e baixo
Victor Smolski:guitarra e teclados
Mike Terrana: bateria

Rage – Speak Of The Dead
(2006 – Nuclear Blast / Rock Brigade Records – nacional)

publicidade

Siute Lingua Mortis
01. Mortituri Te Salutant (instrumental)
02. Prelude Of Souls (instrumental)
03. Innocent
04. Depression (instrumental)
05. No Regrets
06. Confusion (instrumental)
07. Black (instrumental)
08. Beauty

09. No Fear
10. Soul Survivor
11. Full Moon
12. Kill Your Gods
13. Turn My World Around
14. Be With Me Or Be Gone
15. Speak Of The Dead
16. La Luna Reine

Homepage: www.rage-on.de

publicidade


Outras resenhas de Speak Of The Dead - Rage

Resenha - Speak Of The Dead - Rage

Resenha - Speak Of The Dead - Rage




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hard Rock: As bandas do gênero que ficaram para trásHard Rock
As bandas do gênero que ficaram para trás

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002


Ghost: uma foto assustadora dos bastidores do Rock In RioGhost
Uma foto assustadora dos bastidores do Rock In Rio

Roadrunner: os dez melhores vídeo-clipes da gravadoraRoadrunner
Os dez melhores vídeo-clipes da gravadora


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin