Resenha - Psicodeliamorsexo&distorção - Detonautas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Dias
Enviar Correções  

9


Com uma sonoridade mais crua, pesada e toques psicodélicos, o Detonautas nos brinda surpreendentemente com um ótimo trabalho, seguindo um padrão diferentes dos anteriores.

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Max Cavalera: A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outros

Claramente pode-se perceber uma mudança de rumos na sonoridade da banda. A mais significativa delas (e muito acertada, diga-se de passagem) foi a preocupação do grupo em não soar somente como uma banda que faz rock´n´roll com uma pitada de efeitos eletrônicos. Esse pensamento que permeava os álbuns anteriores, agora tornou-se absolutamente parte do passado, já que dessa vez, os efeitos eletrônicos não são tão intensos e, quando aparecem, estão canalizados para a produção de efeitos psicodélicos o que causa um resultado interessantíssimo. As mudanças não param por aí. O DJ e percussionista Cleston ainda, se concentrou muito mais na parte percussiva o que tornou as músicas naturalmente mais pesadas do que nos trabalhos anteriores.

O álbum abre com a excelente "No Escuro o Sangue Escorre", rock despretensioso e enérgico, com certeza um dos grandes destaques do disco. A faixa seguinte "Não Reclame Mais" também é ótima(já tem clipe veiculando na MTV) e nos remete a uma sonoridade com influências do grunge e pós-punk de bandas como Soundgarden e Stone Temple Pilots.

Vale destacar também a ousadia da banda e a vontade de experimentar em algumas músicas, se saindo muito bem. Como em "Insone" que caracteriza bem o novo Detonautas, com 18 minutos de duração e que fica totalmente muda depois dos 13 minutos, voltando lá pelo minuto 16 cheia de loops e ecos em alto tom psicodélico. A introdução, ao piano, em "Tudo Que Eu Falei Dormindo" impensada antes em qualquer cd da banda, aqui se encaixa perfeitamente.

Podemos citar como destaques ainda "Sonhos Verdes" e "Dia Comum", músicas que são ao mesmo tempo acessíveis, radiofônicas sem parecer chatas e cansativas.

Importantíssimo destacar o mérito do doidaço e nada convencional produtor do álbum, Edu K (De Falla) que além de participar das músicas, encorajou a banda a ousar, experimentar e fugir da mesmice, por conseqüência desvencilhando-os das comparações com CPM 22 e Charlie Brown Jr. Para tanto, uma significativa mudança: o vocalista Tico Santa Cruz deixou de cantar com vocais "rappeados", se concentrando agora na veia mais roqueira das músicas.

Há ainda uma faixa escondida, cantada em espanhol, que demonstra mais uma vez a pretensão em afirmar esse álbum como diferente de todos os outros.

Pode-se dizer que nesse trabalho, a banda mostra o que sabe fazer, com um alto grau de maturidade. Até mesmo as baladas são muito bem elaboradas, sem soarem piegas. O nome do trabalho condiz com o que realmente está exposto, com letras falando basicamente de amor e sexo e um som calcado na psicodelia com músicas de final caótico e regadas de muita distorção. Ouça e surpreenda-se com um trabalho de muito bom gosto. Altamente recomendado!

Track-List:
1. No Escuro o Sangue Escorre
2. Não Reclame Mais
3. Sonhos Verdes
4. Assim que Tem que Ser
5. Quem Sou Eu?
6. Dia Comum
7. Prosseguir
8. Você Me Faz Tão Bem
9. Ela Não Sabe (Mas Nós Sabemos)
10. Apague a Luz
11. Insone
12. Tudo que Eu Falei Dormindo
13. Um Pouco Só do Seu Veneno

Line Up:
Tico Santa Cruz – Voz
Fábio Brasil – Bateria
Tchello – Baixo
DJ Cleston – Pick-ups e percussão
Rodrigo Netto – Guitarra e Voz
Renato Rocha – Guitarra, violão, piano e Fender Rhodes

Participação Especial:
Edu K – Guitarra, violão, teclados e vozes adicionais

Site Oficial:
http://www.detonautas.com.br




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Tico Santa Cruz: O rock ficou muito bem comportadoTico Santa Cruz
"O rock ficou muito bem comportado"

Tico Santa Cruz: um comovente texto sobre suicídio de ChampignonTico Santa Cruz
Um comovente texto sobre suicídio de Champignon


Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Max Cavalera: A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outrosMax Cavalera
A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outros


Sobre Anderson Dias

Advogado, atualmente reside em Porto Alegre. Escreve para o Whiplash desde 2006. Gremista de coração, rock n'roll é sua paixão. A paixão pela música é exteriorizada diariamente, com boas (e indispensáveis) doses de clássicos como ACDC, Beatles, Black Sabbath, Guns N' Roses, Helloween, Iron Maiden, Kiss, Led Zeppelin, Metallica, Pantera, Rainbow e Rolling Stones, só pra citar alguns. Com o passar do tempo, foi adquirindo uma visão eclética dentro do rock, o que o levou a "abrir a mente" para novos sons e novas bandas. Resultado: não consegue fazer uma lista de bandas e artistas que gosta, sem ter que escrever um texto. Uma prévia: Avantasia, Black Country Communion, Black Label Society, Buckcherry, Chickenfoot, Edguy, Foo Fighters, Gotthard, Hangar, Jorn Lande, Kreator, Red Hot Chilli Peppers, Shylock, System Of A Down, Pink Cream 69, Russel Allen, Scar Symmetry, The 69 Eyes, The Black Crowes, The Raconteurs, Wolfmother... A lista é interminável!

Mais matérias de Anderson Dias no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin