Resenha - Code Is Red... Long Live The Code - Napalm Death

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson Endebo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Vinte e tantos anos de carreira serviram como anestésico ao Napalm Death. Desde que deixaram a Earache Records, lar do metal extremo inglês pelo qual editaram seus clássicos trabalhos e também álbuns controversos como o genial Words From The Exit Wound (de 1998), parece que passaram a viver em um mundo à parte. Em miúdos, significa dizer que o agora quarteto, formado por Mark "Barney" Greenway (vocal), Mitch Harris (guitarra e vocal), Danny Herrera (bateria) e o lendário baixista Shane Embury - o guitarrista Jesse Pintado caiu fora por problemas com o álcool - é uma banda à margem do mercado; faz o que bem entende e experimenta, na atualidade, sua fase mais brutal e engajada.

Napalm Death: Ame-os ou odeie-os. Não há meio-termos!No alto do castelo: As diferenças entre os diferentes estilos de rock

O título do novo álbum alude à política armamentista descontrolada que governa não só Estados quanto a nós indivíduos. Diz respeito ao âmago do Homem desses dias que agora (sobre)vivemos. Se o mundo jamais esteve tão violento (o que é historicamente questionável), o conjunto inglês acompanha essa mesma ordem e, nesse caso, não há nada a se duvidar. The Code Is Red... Long Live The Code é um de seus melhores álbuns e completa, junto a Enemy Of The Music Business (que foi lançado no Brasil no ano passado!) e Order Of The Leech, a melhor (e mais sincera) trilogia recente do metal extremo mundial.

Não há nada fora de lugar aqui. Jello Biafra, velho cão de guerra anticorporativista, aparece como convidado em "The Great and The Good", uma das melhores composições da história da banda - tente tirar o refrão "a pledge is a pledge is a pledge is a pledge" da memória. Outro convidado é o vocalista do fraquinho Hatebreed, Jamey Jasta, que berra com Barney nas mortíferas "Sold Short" e "Instruments of Persuasion". Para os saudosos da leva oitentista do death metal britânico, aquela mesma de Bolt Thrower, Extreme Noise Terror, Carcass e o próprio Napalm Death, "Pledge Yourself To You" traz o folclórico legista Jeff Walker, do Carcass, dividindo o microfone com Barney, destaque absoluto do álbum.

Faixas como "Vegetative State" e "Striding Purposefully Backwards" trazem a ferida exposta do hardcore, enquanto a faixa-título é o que de mais "cantarolável" foi feito pela banda desde "Greed Killing", composição do polêmico Diatribes, de 1996. A fúria com que o quarteto desempenha sua música, torna impossível qualquer crítica quanto à urgência do material, da mesma forma que Scum e From Ensalevement To Obliteration se tornaram intocáveis. Se hoje há falação e superprodução em cima do grindcore, é porque um dia esses ingleses tiveram o estalo. E se há alguém lucrando em cima de sua banalização, esse alguém por certo não é o Napalm Death. The Code Is Red... Long Live The Code é mais um epítome para as novas gerações, décima primeira aula de uma das bandas mais influentes da História do heavy metal mundial.


Outras resenhas de Code Is Red... Long Live The Code - Napalm Death

Napalm Death: uma lenda do som extremo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Napalm Death"


Napalm Death: Ame-os ou odeie-os. Não há meio-termos!

Napalm Death: os questionamentos de Shane sobre as religiõesNapalm Death
Os questionamentos de Shane sobre as religiões

Palavrões, comuns no rock: veja os piores da língua inglesaPalavrões, comuns no rock
Veja os piores da língua inglesa

Napalm Death: Religião não serve para nada!Napalm Death
"Religião não serve para nada!"


No alto do castelo: As diferenças entre os diferentes estilos de rockNo alto do castelo
As diferenças entre os diferentes estilos de rock

Mascotes de bandas: GigWise elege os 14 mais famososMascotes de bandas
GigWise elege os 14 mais famosos

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Slayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela bandaSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

Filhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhançaFilhos de Rockstars
Qualquer coincidência é semelhança

Metallica: o que aconteceria se Cliff Burton não tivesse falecido?Metallica
O que aconteceria se Cliff Burton não tivesse falecido?

Nirvana: Duff Mckagan relembra última vez que viu Kurt CobainNirvana
Duff Mckagan relembra última vez que viu Kurt Cobain


Sobre Nelson Endebo

Estudante de Comunicação Social na Puc-Rio, cheirou dúzias de carreiras de Música e hoje é completamente debilitado por causa disso. Tem um corte no córtex por causa do Mr. Bungle, mas acredita que isso seja legal. Doutrinado no bom e velho Metal (ainda chora ouvindo o grande Venom), aprendeu a ouvir Jazz e Samba na marra. É responsável pela coluna Nós do Noise e colabora com o site Bacana e a revista Valhalla. Sua máxima é: "quanto mais você sabe, mais você sabe que pouco sabe". Traduzindo, gosta de aprender e de ensinar. Espera poder somar algo à família Whiplash a partir de 3, 2, 1 segundo!

Mais matérias de Nelson Endebo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336