Resenha - A Ghost Is Born - Wilco

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

"A Ghost Is Born", novo álbum da banda americana Wilco, acaba de ser lançado no Brasil. O disco saiu no primeiro semestre de 2004 em todo o mundo, e foi destaque em diversas listas de melhores do ano na imprensa internacional.

Iron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhorAndre Matos: os primódios na música e no Heavy Metal


Quinto álbum do bando liderado por Jeff Tweedy, "A Ghost Is Born" é o sucessor do excelente "Yankee Hotel Foxtrot", de 2002, desde já um dos grandes discos desta década.

Antes de analisarmos o CD, vale lembrar que este é o primeiro álbum do grupo sem o guitarrista e tecladista Jay Bennet, que teve papel fundamental na construção da sonoridade da banda.

Com Bennet no grupo o Wilco lançou apenas dois álbuns, ambos excelentes. O primeiro, "Summerteeth", saiu em 99, e pode ser considerado como uma introdução para o que viria a seguir. Contando com excelentes músicas como a bela "She's A Jar", "Shot In The Arm", "I'm Always In Love", "ELT" e obra-prima "How To Fight Loneliness", o álbum deu início a uma das parcerias mais produtivas dos últimos anos e reafirmou o Wilco como banda fundamental do chamado alt.country, papel conquistado pelo grupo com o seminal "Being There", de 1996.

Mas foi com o álbum seguinte que Jeff Tweedy e Jay Bennet mostraram o seu poder de fogo. "Yankee Hotel Foxtrot" respinga criatividade e ousadia por todos os cantos. Uma verdadeira coleção de pequenas jóias pop, onde se destacam "Jesus etc", "War On War", "Kamera". "I'm The Man Who Loves You" e "Heavy Metal Drummer", YHF foi um divisor de águas na carreira do Wilco. Todo mundo já conhece a história, mas vamos relembrá-la mesmo assim: a gravadora recusou o álbum, que foi lançado de forma independente em todo o mundo, alcançando mais de um milhão de cópias vendidas.

Mas todo este processo quase acabou com o Wilco. O baterista Ken Coomer saiu durante as gravações de YHF, e o guitarrista e tecladista Jay Bennet deixou a banda após o lançamento do álbum.

Tudo isso para dizer que, sem Bennet, o líder Jeff Tweedy ficou livre para experimentar, ainda mais, todas as suas loucuras. O que se ouve em "A Ghost Is Born" é uma fúria criativa maravilhosa, mas que, em diversos momentos, parece perdida sem o direcionamento dado por Bennet.

O álbum abre com "At Least That's What You Said", que parece saída dos primeiros álbuns do mestre Neil Young. A canção é constituída basicamente de uma pequena introdução sussurrada por Tweedy, seguida de longos minutos de solos de guitarra furiosos, um tapa no ouvido de qualquer fã de rock. Essa é uma das melhores faixas do disco.

Em seguida, Tweedy mergulha dentro de suas loucuras. "Hell Is Chrome" é uma boa canção, mas longe do que o Wilco já fez. "Spiders (Kidsmoke)" tem um andamento repetitivo e lembra trilha de videogame. "Muzzle Of Bees" parece que vai recolocar o álbum nos trilhos e nos remete a grandes momentos acústicos do rock, como o terceiro disco do Led Zeppelin.

E lá pela metade do CD chega a obra-prima de "A Ghost Is Born. "Hummingbird" é uma balada doce e inocente, de uma leveza que eu pensei que não encontraria novamente em um álbum da banda. Belíssima.

Continuando o seu caminho, "A Ghost Is Born" nos entrega uma seqüência de altos e baixos (a acima da média "Company In My Back", que parece saída das sessões de "Summerteeth", a boa "I'm a Wheel" e as modorrentas "Handshake Drugs", "Wishful Thinking", "Less Than You Think" e "Late Greats").

Bem no seu final, "A Ghost Is Born" ainda nos reserva uma grande surpresa, com a deliciosa "Theologians", pérola pop que mostra que, mesmo que errando o alvo algumas vezes, Jeff Tweedy e sua banda ainda tem fôlego para nos entregar pequenas jóias que unem o rock e o pop como ninguém.

Além da música, vale destacar a belíssima edição brasileira do álbum, com direito a luva protetora na embalagem e um longo encarte, que realçam ainda mais a bela arte gráfica, totalmente minimalista.

Enfim, esperava-se mais do Wilco após um álbum tão bom como "Yankee Hotel Foxtrot", mas "A Ghost Is Born" vale a pena, e muito. O que nos resta é encará-lo como um álbum de transição com quatro ou cinco excelentes canções, e esperar pelo próxima disco, que terá papel fundamental na carreira da banda.

Faixas:
1. At Least That's What You Said
2. Hell Is Chrome
3. Spiders (Kidsmoke)
4. Muzzle Of Bees
5. Hummingbird
6. Handshake Drugs
7. Wishful Thinking
8. Company In My Back
9. I'm A Wheel
10. Theologians
11. Less Than You Think
12. Late Greats




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Wilco"


Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 1996Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 1996

Curiosidades: As histórias por trás de 11 capas clássicasCuriosidades
As histórias por trás de 11 capas clássicas

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002


Iron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhorIron Maiden
Os álbuns da banda, do pior para o melhor

Andre Matos: os primódios na música e no Heavy MetalAndre Matos
Os primódios na música e no Heavy Metal

Eddie: a foto que supostamente inspirou Derek RiggsEddie
A foto que supostamente inspirou Derek Riggs

Simplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

Black Sabbath: Nos separamos por causa do Live EvilBlack Sabbath
"Nos separamos por causa do Live Evil"

Slipknot: tatuador de Corey Taylor está angustiado e quer terminar rabisco inacabadoSlipknot
Tatuador de Corey Taylor está angustiado e quer terminar rabisco inacabado

Exodus: o Metallica é, de longe, a maior banda de Metal do mundoExodus
O Metallica é, de longe, a maior banda de Metal do mundo


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336