Resenha - Last Supper - Grave Digger

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Um dos lançamentos mais aguardados já no início do ano de 2005 sem dúvida é este novo álbum da banda alemã Grave Digger. The Last Supper (A Última Ceia) causa já um furor pela bonita e chamativa capa. Cristo em um momento de silêncio e pensamento sentado à mesa subentende momentos de reflexão em finitos dias de vida na terra. Além disso, o Filho de Deus não enxerga o tradicional personagem vivido no palco pelo tecladista. Este desenho pode chamar a atenção pelo significado religioso, mas a banda já antecipa que não há ligação com a imagem satânica. O ideal é que você abra logo a caixa e solte o cd pra tocar. Não perca tempo a filosofar sobre a capa. Pegue o encarte e cante as letras que estão muito empolgantes.

Luís Mariutti para Nando Moura: "Estádio não se lota com views ou likes"Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

The Last Super tem músicas muito boas e legais. Aquela característica de metal agressivo e pra cima são mantidas. Algumas faixas transparecem mais emoção como a música título. E o dono das guitarras, Manni Schmidt, comanda poderosos riffs e solos. O timbre está mais forte que no penúltimo álbum Rheingold. O desempenho do guitarrista cresce cada vez mais. A musicalidade é muito agradável como em Grave In The No Man's Land ou Soul Savior. A voz inconfundível de Chris Boltendahl está impecável e foram acrescidos mais backing vocals, o que deixa as músicas mais cheias.

No baixo, Jens Becker dá aulas de condução. Um momento solo dele é em Hell To Pay, onde se sente o timbre forte do intrumento. Aliás, outra boa música, que se não fosse pelo refrão pouco convincente, poderia se tornar uma das melhores do disco.

Todo o trabalho ficou muito interessante pelo fato de estar variado. Há faixas lentas e breves, assim como as mais rápidas e marcantes. Um exemplo destas é Hundred Days, possuidora de um refrão mais destoante, porém, bem encaixado. A técnica nos bumbos sempre foi uma característica forte do baterista Stefan Arnold, um dos sujeitos mais criativos do metal mundial, além de ser incrivelmente parecido a Dave Murray do Maiden. Na formação, ainda há lados para o tecladista-morte Hans Peter Katzenburg, com um trabalho de teclados soberbo, principalmente nos refrãos.

A melhor e mais extensa canção é Crucified. Início de balada e que aos poucos toma uma proporção muito mais forte. Os riffs desta música estão matadores. Mas quem tem destaque merecido é Chris que invoca muita emoção no vocal. A letra que seria como um diálogo entre Cristo e Deus, é forte e marcante. Características de todo o álbum, o qual a banda considera mais "passional, metal e poderoso".

Enfim, o que temos a esperar é um dos álbuns mais marcantes da carreira do Grave Digger depois de Tunes of War e Excalibur. Brilhantes composições nos dão noção do que vem por aí na próxima turnê dos alemães. A presença no show, assim como o cd, são indispensáveis.

Nuclear Blast - importado


Outras resenhas de Last Supper - Grave Digger

Resenha - Last Supper - Grave DiggerResenha - Last Supper - Grave DiggerResenha - Last Supper - Grave Digger




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Grave Digger"


Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da AlemanhaKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Grave Digger: Ozzy foi a pior performance que vi na minha vidaGrave Digger
Ozzy foi a pior performance que vi na minha vida

Mascotes do Metal: os dez maiores segundo The GauntletMascotes do Metal
Os dez maiores segundo The Gauntlet


Luís Mariutti para Nando Moura: Estádio não se lota com views ou likesLuís Mariutti para Nando Moura
"Estádio não se lota com views ou likes"

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Guns N' Roses: a família brasileira de Axl RoseGuns N' Roses
A família brasileira de Axl Rose

G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Rock Faz Bem: Qual será a mais bela canção de todos os tempos?Rock Faz Bem
Qual será a mais bela canção de todos os tempos?

Pearl Jam: Loudwire escolhe as dez melhores músicasPearl Jam
Loudwire escolhe as dez melhores músicas


Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336