Resenha - And Love Said No - HIM

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


Com os olhos voltados para o mercado norte-americano, os finlandeses do HIM prepararam esta bela coletânea composta por canções que atingiram as melhores posições nos charts europeus e acrescentaram duas faixas novas, criando um "pacote" bastante atraente tanto para quem já conhece e gosta da banda, quanto para aqueles que nunca desfrutaram das histórias de amor e morte de Ville Valo. É um bom aperitivo enquanto não sai o novo trabalho, cujo lançamento está previsto para o início de 2005.

Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaKurt Cobain: a teoria de assassinato do músico

A faixa que dá título a esta coletânea é uma heavy ballad típica da banda. Um refrão poderoso e uma levada um pouco mais complexa que aquelas típicas construções retas e monolíticas que a banda se habituou a fazer. As guitarras, ora melódicas, ora viscerais, oferecem a base perfeita para que Ville Valo - a cara e a alma do HIM - destile uma letra repleta de sentimento, mas que não consegue soar piegas, como poucos têm conseguido fazer ultimamente. Além de "And Love Said No", a outra faixa inédita é "Solitary Man", cover de Neil Diamond. Embora mantenha a linha melódica da versão original, O HIM acrescentou um peso absurdo e , a exemplo do que fizeram com Wicked Game (também presente nesta coletânea), eles recuperaram uma música com uma letra fantástica, mas com uma melodia absolutamente descartável.

O restante do disco é um passeio pelos três álbuns do grupo. Join Me, The Sacrament, Poison Girl, a onipresente Wicked Game e muitas outras estão todas lá, em suas versões originais. Como esta é uma coletânea feita sob medida para o mercado norte-americano, as faixas mais "estranhas" da banda ficaram de fora, como é o caso de This Fortress of Tears, Love's Requiem e muitas outras em que o apelo pop não é tão forte. Em compensação, na edição especial, que inclui um DVD com algumas apresentações ao vivo, é possível conferir a banda mais à vontade no palco, tocando Soul on Fire, Sweet Pandemonium, dentre outras. Infelizmente, parece que esse material não será lançado no resto do mundo.

O HIM é uma das bandas mais originais do saturadíssimo mercado do gothic metal europeu. A mistura de heavy metal com elementos muito comuns no cenário pop. São letras muito bem escritas (cortesia do andrógino vocalista Ville Valo, ex- balconista de uma sex-shop de Helsinki) e o instrumental monolítico e reto nos remete à fase inicial do Black Sabbath, com pitadas de pós-punk e toda aquela cena gótica dos anos 80, além de generosas doses de glam e muito romantismo e inteligência, especialmente nas construções líricas distorcidas.

Resta-nos torcer para que, pelo menos, esta coletânea seja lançada por aqui, já que o único disco da banda que foi disponibilizado no mercado brasileiro foi o Razorblade Romance (2000)

Tracklist:
01. And love said no
02. Join me
03. Buried alive by love
04. Heartache every moment
05. Solitary man
06. Right here in my arms
07. The funeral of hearts
08. In joy and sorrow
09. Your sweet 666
10. Gone with the sin
11. Wicked game
12. The sacrament
13. Close to the flame
14. Poison girl
15. Pretending
16. When love and death embrace

Site oficial:
http://www.heartagram.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "HIM"


Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsEsquisitices
Algumas exigências bizarras para shows

Sedentos por Sangue: confira 5 belas canções sobre VampirosSedentos por Sangue
Confira 5 belas canções sobre Vampiros


Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Kurt Cobain: a teoria de assassinato do músicoKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336