Resenha - Marbles - Marillion

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Vignini
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Marbles é o novo cd do Marillion, seu terceiro álbum conceitual na carreira (os primeiros foram "Misplaced Chidhood" e "Brave"), e é uma grata surpresa! É um cd com várias influências, inclusive de... Marillion! Isso mesmo, depois de tentar vários rumos, alguns acertados outros nem tanto, o Marillion pega algumas coisas do passado, matando a saudade daqueles fãs que queriam o grupo voltando a fazer um som mais progressivo, o que havia sido abandonado desde o brilhante "Brave".

Heavy Metal: as piores capas dos grandes artistas do gêneroBruce Dickinson: "Prefiro errar letras a usar monitores!"

Esse CD está saindo em três versões diferentes: duas versões duplas, que diferem mais no acabamento e encartes e uma versão simples, que simplesmente tesoura metade das músicas (e algumas das melhores infelizmente). Nas duas versões o cd abre com "The Invisible Man", uma música de mais de 13 minutos, com várias texturas e lembrando até vagamente a era "Fugazi" com coisas do "Afraid of Sunlight". Progressivo puro, grande introdução e um ótimo refresco para os velhos fãs.

O cd tem quatro músicas "Marbles", numeradas de I a IV que tem aproximadamente 2 minutos cada, que honestamente não me chamaram muito a atenção... servem mais para "pontes" entre as outras músicas. "Genie" é mais pop e puxa para os últimos Marillions, ou você gosta ou odeia. "Fantastic Place" uma balada muito legal, onde Steve Hogarth canta com bastante "feeling", um pop de qualidade.

"The Only Unforgivable Thing" começa com um órgão de igreja, criando um clima muito bonito. É algo que realmente faz lembrar algo da época do "Misplaced". Aliás Mark Kelly tem uma grande presença nesse cd. É um álbum em que o teclado aparece de uma forma bem acentuada em momentos chaves, não ficando só nos "tapetes".

A maioria do pessoal que ouviu o cd aponta "Ocean Cloud" como o destaque do cd (Não presente na versão simples). Dedicada ao remador Don Allum (O Amyr Klink deles), é uma música com 19 minutos e é sem dúvida uma das melhores coisas que a banda fez desde a saída do Fish. Vários climas, progressivo puro, e os solos de Steve Rothery então... Aliás acho que o destaque desse CD é juntamente o trabalho de Rothery, ele parece que quis fazer um álbum como não fazia á anos e toca muito. Sempre o achei bastante influenciado por David Gilmour, e particularmente nessa música ele faz um trabalho digno do mestre. Os solos dessa música são impressionantes, um dos melhores momentos da sua carreira!

Depois de ficar chocado com "Ocean Cloud" vem mais uma versão de "Marbles" e "The Damage" parece muito fraca, é um banho de água gelada. Uma música pop sem muita graça....não que seja muito ruim mas é bem abaixo do esperado. "Don't Hurt Yourself" é pelo contrário, um pop tipo "Map of the World", mas bem agradável. Bem aquilo de os fãs da era-Hogarth já estão acostumados.

"You're Gone" é o single do CD, e está vendendo muito bem lá fora. Foi feita uma campanha muito bem feita e hoje é um dos singles mais bem sucedidos da carreira da banda. É um som bem pop, com vários loops, bem feita, mas bastante descartável também, ótima para vender mas não acrescenta muita coisa. "Angelina" é um som bem tranqüilo e agradável.

Outro ponto forte é "Drilling Holes", um som comum clima bem experimental, com toques de Beatles. É um som bem diferente do que eles estão acostumados a fazer. O arranjo de cordas é muito bom.

Após "Marbles IV", temos "Neverland" que já era conhecida pelos fãs desde o ano passado. Com seus 12 minutos, é também uma das melhores composições dos últimos anos. Certamente agradará os fãs da era-Fish.

Marbles tem uma concepção nova para o Marillion. Para quem se recusavam terminantemente a associar o nome com som progressivo, eles parecem que pensaram direito sobre o assunto e equilibram composições claramente progressivas como "Ocean Cloud" ou "Neverland" com "You're Gone" e "Genie" que são sons bem acessíveis. Continuo preferindo os Cd's da era-Fish, mais o "Brave" e o "Season's End", mas o "Marbles" é bem superior por exemplo ao "Anoraknophobia", "Marillion.com" e o "Radiation". Só nos resta torcer para ser lançada aqui a versão dupla já que a versão simples como já disse é bem multilada.

Tracklist:

Versão Dupla:

Disc 1 [53:43] : The Invisible Man (13:37), Marbles I (1:43), Genie (4:54), Fantastic Place (6:13), The Only Unforgivable Thing (7:13), Marbles II (2:03), Ocean Cloud (17:58)

Disc 2 [45:14] : Marbles III (1:51), The Damage (4:36), Don't Hurt Yourself (5:48), You're Gone (6:26), Angelina (7:43), Drilling Holes (5:11), Marbles IV (1:26), Neverland (12:11)

Versão simples:

The Invisible Man (13:37), Marbles I (1:46), You're Gone (6:27), Angelina (7:41), Marbles II (1:55), Don't Hurt Yourself (5:48), Fantastic Place (6:12), Marbles III (1:51), Drilling Holes (5:11), Marbles IV (1:25), Neverland (12:09), You're Gone (Single Mix) (4:00)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Marillion"


Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Brasil: Bandas que gravaram discos ao vivo em nosso paísBrasil
Bandas que gravaram discos ao vivo em nosso país


Heavy Metal: as piores capas dos grandes artistas do gêneroHeavy Metal
As piores capas dos grandes artistas do gênero

Bruce Dickinson: Prefiro errar letras a usar monitores!Bruce Dickinson
"Prefiro errar letras a usar monitores!"


Sobre Guilherme Vignini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336