Resenha - Tribe - Queensryche

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Texto originalmente publicado no

JB Online e no Blog Reviews & Textos.

O Queensryche é daquelas bandas que não chega a agradar a gregos e troianos, nem mesmo dentro do cenário do heavy metal, por sempre ter feito, ao longo de 20 anos de carreira, um som difícil de ser digerido, mas que merece todo o respeito do mundo.

Surgida em Seattle, muito antes do grunge daquelas terras, que infestou as paradas no início da década de 90, a banda teve um sucesso estrondoso naquela mesma época, com o álbum Empire e a balada Silent Lucidity, mas nunca chegou a vender horrores ou cair no gosto de público e crítica ao mesmo tempo.

Injustiça pura. Entre 1983, ano de seu primeiro EP, auto-intitulado, e 1994, o Queensryche lançou álbuns fantásticos, alguns com nome de destaque na história não só do metal progressivo, mas do heavy metal em geral. Foram dez anos de um clássico atrás do outro: The Warning (1984); Rage for Order (1996); Operation: Mindcrime (1998); Empire (1990) e Promised Land (1994).

Depois do fraco Hear in the New Frontier (1997) e do razoável Q2K (1999), este último sem o guitarrista e co-fundador Chris DeGarmo, a banda volta com tudo este ano, com o ótimo Tribe, sem dúvida o melhor álbum do Queensryche desde Promised Land. O vocalista Geoff Tate prova, em músicas como Rhythm of Hope e Falling behind, duas "quase baladas", que é um dos melhores vocalistas do metal em todos os tempos. O peso não é deixado de lado, principalmente na abertura, com Open, e nas faixas Desert dance.

A banda conta com o retorno de Chris DeGarmo nas composições, reativando a dupla com Michael Wilton, o que certamente fez diferença na qualidade do disco novo, que parece o início de uma nova e animadora fase na carreira do Queensryche. Tribe não chega a se enquadrar entre os clássicos dos rapazes de Seattle, mas traz de volta a banda forte, pesada, melódica e coesa dos anos 80 e início dos 90."


Outras resenhas de Tribe - Queensryche

Resenha - Tribe - Queensryche




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Queensryche"


Curiosidade: 5 músicos mais novos que as bandas em que tocamCuriosidade
5 músicos mais novos que as bandas em que tocam

Queensryche: veja apresentação da banda no Megacruise

Metallica: seis strippers masculinos durante show do QueensrycheMetallica
Seis strippers masculinos durante show do Queensryche

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo


Europe: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl RoseEurope
Toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose

Bruce: Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!Bruce
"Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336