Resenha - Phantom Agony - Epica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

8


A banda EPICA foi formada em 2002, por Mark Jansen, mais conhecido por seus trabalhos com o After Forever. Após deixar a banda, Mark passou por um período turbulento em sua vida pessoal e profissional. Mas passada a tempestade, veio a bonança. Mark recrutou músicos talentosos e preparou seu retorno, consolidado em 2003 com o lançamento de "The Phantom Agony". Como Mark era uma das partes criativas do After Forever, fica a grande dúvida. Será que ele conseguiria fazer algo diferente de sua banda original?

publicidade

Até que "The Phantom Agony" de fato lembra muito "Decipher", segundo cd do After Forever. Após uma introdução calcada no erudito, "Adyta", "Sensorium" adentra nossos ouvidos mostrando-se um som calcado no gótico com pitadas bem heavy e teclados bem colocados. Até aí nada de diferente. Os vocais se Simone Simons lembram Floor Jansen, mas com uma pegada menos lírica. A faixa seguinte "Cry for the Moon" já mostra uma banda que mescla bem os climas do gótico com as viagens do som progressivo, com bons resultados. O que se confirma em faixas como "Feint", cuja beleza impressiona.

publicidade

Já faixas como "Illusive Consensus" já soam bem mais pesadas, com as guitarras bem pulsates e a bateria acompanhando o ritmo, com alternância de vocais limpos com vocais guturais, muito bem colocados. O que torna a acontecer com extremo brilhantismo em "Façade of Reality" e "Sief Al Din", aonde as guitarras chegam a ter o pique (PASMEM!) madeniano, com vocais em coros, resultando numa mistura inusitada, mas bem colocada. O lado mais calmo e relaxante retorna na bela balada "Run for a Fall", aonde Simone mostra toda sua habilidade vocal, acompanhada por uma banda que investe bem nos elementos orquestrados e no uso de teclados. A suíte progressiva "The Phantom Agony" fecha o cd, com nove minutos de metal gótico intercalado com erudito e progressivo, sendo um tanto quanto difícil de digerir, embora seus arranjos beirem a perfeição.

publicidade

Um bom cd, que se diferencia do After Forever por ser mais experimental e ousado. Um tiro que poderia ser no escuro, mas que acabou acertando o alvo, se não em cheio, bem próximo. Uma banda de muito futuro.

Site Oficial: http://www.epica.nl

Line Up:
Mark Jansen – Guitarras,Vocais
Simone Simons – Vocais
Ad Sluyter – Guitarras
Goen Jansen – Teclados
Yoes Muts – Baixo
Jeroen Simons - Bateria

publicidade

Lançado em 2003 na Europa pela Transmission Records.


Outras resenhas de Phantom Agony - Epica

Epica: Relançamento do primeiro álbum em versão especial

Resenha - Phantom Agony - Epica




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Epica: próximo álbum será lançado em fevereiro; confira capa, single e tracklistEpica
Próximo álbum será lançado em fevereiro; confira capa, single e tracklist

Ayreon: ouça a nova música This Human Equation, com participação de Simone SimonsAyreon
Ouça a nova música "This Human Equation", com participação de Simone Simons

Sepultura: Rafael Bittencourt participa de Jasco & KaiowasSepultura
Rafael Bittencourt participa de "Jasco & Kaiowas"

Sepultura: Rafael Bittencourt e Mark Jansen na próxima SepulQuarta

Simone Simmons: a importância da Ioga na vida da vocalistaSimone Simmons
A importância da Ioga na vida da vocalista

Epica: A banda holandesa tem de gravar em isolamento, mas isso não os deteráEpica
A banda holandesa tem de gravar em isolamento, mas isso não os deterá


Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Simone Simons: a nudez na capa de Divine ConspiracySimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy


Megadeth: O recadinho provocante da vocalista do HuntressMegadeth
O recadinho provocante da vocalista do Huntress

Slayer: assista Ivete Sangalo cantando Dead Skin MaskSlayer
Assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin