Resenha - Phantom Agony - Epica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando De Santis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Epica é mais uma das agradáveis surpresas que apareceram no cenário do Gothic Metal. Formado na Holanda por Mark Jansen (ex-After Forever) e contando com Simone Simons (vocais), Ad Sluijter (guitarra), Coen Janssen (teclado), Yves Huts (baixo) e Jeroen Simons (bateria), o Epica colocou no mercado seu álbum de estréia, "The Phantom Agony", que demonstra muita criatividade e abuso (no bom sentido) de orquestra e vozes.

Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposMusas: Algumas das beldades do Rock e Metal nacional

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após a belíssima introdução, "Adyta - The Neverending Embrace", a banda mostra seu estilo em "Sensorium". Bateria precisa, teclado e orquestra criando um clima de "trilha sonora de filme épico", vocal perfeito da mezzo soprano, Simone Simons e boas interferências de vocais guturais de Mark Jansen. Essa é a fórmula que o grupo holandês segue durante o álbum todo e não decepciona. "Cry for the Moon - The Embrace that Smothers - Part IV", começa toda climática com coros vocais e depois ganha peso, com muitos cacoetes ao estilão de Nightwish em "Oceanborn".

O álbum conta com duas baladas: "Feint" e "Run For A Fall", ambas colocadas estrategicamente no meio das músicas mais rápidas, para causar um equilíbrio no álbum. "Illusive Consensus" é a faixa onde dá para notar a versatilidade da vocalista Simone, que muda bastante o estilo vocal em vários momentos. Além disso, é uma faixa toda cheia de riffs e passagens muito bem feitas, com coros vocais na medida. Difícil encontrar algum erro de produção... ponto positivo para o já experiente Sascha Paeth. "Façade of Reality - The Embrace that Smothers - Part V" e "Seif Al Din" começam com riffs pesados e intercalam vocais soprano com gutural, do jeito que os fãs do gothic metal gostam. A faixa "Seif Al Din" é sem dúvida o ápice do álbum, pois consegue mudar várias vezes o estilo, de "pesado" para "climático-cadenciado" de forma homogênea, sem quebrar o clima da música. O álbum termina com a épica (ok, ok, trocadilho inevitável) "The Phantom Agony", de nove minutos. Impossível escutar essa faixa e não imaginar que se trata da trilha sonora de algum filme de aventura. Destaque para o belíssimo trabalho de Jeroen na bateria, lá pelos 5 minutos de música... Impressionante!

Epica é uma banda que começou com o pé direito e já entra no cenário gothic metal como uma das mais interessantes. Se você é fã do estilo e não tem o CD ainda, está perdendo tempo.


Outras resenhas de Phantom Agony - Epica

Epica: Relançamento do primeiro álbum em versão especialResenha - Phantom Agony - Epica




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Epica"


Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Simone Simons: Rammstein me faz querer mexer a bundaSimone Simons
"Rammstein me faz querer mexer a bunda"


Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

Musas: Algumas das beldades do Rock e Metal nacionalMusas
Algumas das beldades do Rock e Metal nacional


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.

adGoo336