Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemPink Floyd: Suas 10 músicas mais subvalorizadas, segundo a What Culture

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs


Stamp

Resenha - Nomad - Di'Anno

Por Paulo Finatto Jr.
Em 11/07/03

Nota: 9

Em 2000, aportou em terras brasileiras, o ex-vocalista do Iron Maiden, responsável pelos seus dois primeiros discos ("Iron Maiden" e "Killers"), tendo nas costas alguns CD’s lançados por sucessoras bandas suas como o Battlezone e a própria Di’Anno. Estas passagens serviram para experiência no que seria a sua nova banda, desta vez contando apenas com músicos brasileiros (Paulo Turin, guitarra, que já havia trabalho com Paul Di’Anno na Battlezone; Chico Dehira, guitarra, do Karma; Felipe Andreoli, baixo, hoje no Angra; e por fim, Aquiles Priester, bateria, que hoje toca no Angra e no Hangar) e também, com composições muito acima da média em comparação com qualquer CD do Battlezone.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se as músicas são boas, deve-se isso ao trabalho de Paulo Turin, responsável pela criação de todas as músicas. Já Di’Anno assina todas as letras. A produção não poderia estar melhor, realizada no Creative Sound em São Paulo. Mas o que impressiona mesmo é a qualidade das músicas, todas elas muito pesadas, fugindo um pouco do que ouvimos nos trabalhos anteriores de Paul Di’Anno (inclusive no Iron Maiden), que era basicamente heavy tradicional. Aqui, o instrumental beira o thrash, com muita velocidade, garra e precisão. Di’Anno por um lado até que inovou, seja com as letras mais críticas e não tão abstratas, e também da sua maneira de cantar, voltando ao seu estilo mais agressivo e com direito a agudos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com a pesadíssima "Mad Man in the Attic" o disco abre, sem deixar o peso cair, para a logo em seguida "War Machine". "Brothers of the Tomb" é uma música mais cadenciada por parte do instrumental (mas sem deixar de lado o peso), com direito a coro e linhas agudas de Di’Anno na hora do refrão. "P.O.V. 2000" é o nome da música que segue o CD, a que na minha opinião possui a letra mais crítica (sobre o racismo) e ainda é a melhor do "Nomad". A cadenciada e muito bonita "The Living Dead" caiu muitíssimo bem na voz de Di’Anno, assim como a mais tradicional, "Nomad", com um show por parte do baixista Felipe Andreoli, um dos melhores do país se não o melhor. Voltando à fúria do thrash metal está "S.A.T.A.N.", e fechando o disco de uma maneira um pouco diferente, com a faixa "Dog Dead", que possui algumas poucas influências do new metal, pelos vocais meio "rappeados".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pena que a banda não seguiu com esta formação, já que o disco é ótimo assim como os shows realizados na época do seu lançamento por todo o Brasil. Indiscutivelmente podemos dizer algo contra as qualidades como vocalista de Di’Anno, mas não posso deixar de não citar o maravilhoso compositor que é Paulo Turin, assim como a qualidade técnica de todos os músicos, realmente todos eles, de mão cheia. Lançamento no Brasil via Encore Records.

Line-up:
Paul Di’anno (vocal);
Paulo Turin (guitarra);
Chico Dehira (guitarra);
Felipe Andreoli (baixo);
Aquiles Priester (bateria).

Track-list:
01. Intro
02. Mad Man in the Attic
03. War Machine
04. Brothers of the Tomb
05. P.O.V. 2000
06. The Living Dead
07. Nomad
08. S.A.T.A.N.
09. Cold World
10. Do or Die
11. Dog Dead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Blaze Bayley: "Paul Di'Anno é muito melhor cantor agora do que era no Maiden"

Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre

Mais matérias de Paulo Finatto Jr..