Resenha - Power to Believe - King Crimson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Vignini
Enviar Correções  

9


O King Crimson está de volta finalmente. Um dos guitarristas mais geniais e "outsider" do mundo do Rock, Robert Fripp, mostra que continua em plena forma.

publicidade

O King Crimson, nos seus 34 anos de existência passou por diversas formações e fases bem distintas, sempre fazendo um som próprio e bem distinto, que talvez por não se enquadrar em nenhum modelo pré-definido é em geral considerado Rock Progressivo. Independente do rótulo, já passaram por lá nomes como Greg Lake, John Wetton, Bill Brufford, Tony Levin e vários outros músicos de qualidade inegável. Gravaram álbuns sensacionais que vão desde a estréia com "In the Court of Crimson King" até "Red", "Dicipline", "Beat" ou "Three of Perfect Pair" que consolidaram seu marco na história do rock.

publicidade

Pra variar nova mudança na formação, pois Bill Brufford decidiu se dedicar mais ao Jazz (como vimos em sua recente passagem ao Brasil) e Tony Levin aos seus compromissos como músico de apoio (atualmente na mega turnê de Peter Gabriel). Sendo assim a antiga formação "double-trio" dançou, e além de Robert Fripp ficaram os remanescentes Adrian Belew (guitarra, vocais), Trey Gunn (baixos) and Pat Mastelotto (bateria). Se a banda perdeu dois membros importantes, por outro lado esse álbum me soou mais coeso, e menos disperso do que por exemplo algumas coisas do "B'Boom", e "THRaKaTTak". O próprio Fripp admite que o fato de ter dois grandes músicos em cada instrumento as vezes tornava o trabalho meio "preguiçoso" já que sempre tinha alguém "para dar cobertura", agora cada músico tem que se dedicar mais ao seu instrumento.

publicidade

Precedendo esse "The Power to Believe" foram lançados dois EP’s com algumas faixas e idéias a serem aproveitadas, e esse álbum não decepcionará os diversos apreciadores da banda. Após uma introdução de "The Power to Believe I: A Capella", "Level Five" uma instrumental com a marca registrada do King Crimson, com um riff pesadíssimo e solos dissonantes. "Eyes Eye Open" com a voz inconfundível de Belew nos remete diretamente á fase do "Three of Perfect Pair / Beat", é uma balada belíssima, onde a sutileza das guitarras é o destaque. Por outro lado "Elektrik" é uma instrumental bastante calçada no ótimo trabalho de Gunn / Mastelotto, lembrando a fase "Vroom".

publicidade

Já "Facts of Life" mostra um King Crimson contemporâneo com o que está rolando por aí. Se o TOOL gravasse essa música ninguém estranharia, por exemplo. O trabalho das guitarras é perfeito e a voz de Belew dá um toque especial á música. Para quem gosta de improvisação o negócio é com "The Power to Believe II". Fripp diz que a gravação dessa música foi pura jam. "Dangerous Curves" a seguir é (pra variar) uma música bastante estranha e tensa, começa com uma discrição impressionante para se tornar um som bem didtinto.

publicidade

Um dos melhores momentos do cd é "Happy With What You Have To Be Happy With". É o mesmo KC, mas novamente renovado, boa letra, guitarras pesadas e uma roupagem moderna. Só essa música já vale o álbum. "The Power to Believe III" e "The Power to Believe IV: Coda" encerram o cd, retornando ao tema principal com várias improvisações.

O King Crimson é uma banda bastante hermética. É muito complicado agradar a todos, o som é totalmente anticonvencional e totalmente fora dos padrões. Mesmo após 34 anos eles não pararam no tempo e continuam produzindo boa música, então se você gosta da música deles, pode ir atrás desse cd sem susto, pois é tranqüilamente um dos melhores lançamentos do ano.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


King Crimson: por que eles proíbem câmeras e celulares de fãs nos showsKing Crimson
Por que eles proíbem câmeras e celulares de fãs nos shows

King Crimson: In The Court of the Crimson King em 20 CDs, 2 DVDs e 4 Blu-Rays


Rock Progressivo: Os 15 maiores guitarristas do gêneroRock Progressivo
Os 15 maiores guitarristas do gênero

Rock Progressivo: os dez discos mais importantes da históriaRock Progressivo
Os dez discos mais importantes da história


Separados no nascimento: Paul Stanley e Sidney MagalSeparados no nascimento
Paul Stanley e Sidney Magal

Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas


Sobre Guilherme Vignini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin