Resenha - Locus Horrendus; The Night Cries of a Sullen Soul - Desire

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Coelho
Enviar Correções  

8


Estupendo! Este é o adjetivo correto para o Gothic/Doom com vocais guturais desta banda portuguesa! Os patrícios parecem ter mergulhado num oceano de tristeza infinita para compor este álbum e sairam dele ensopados de inspiração antes de gravar faixas belíssimas como "Frozen Heart... Lonely Soul..."

publicidade

Bem produzido, bem arranjado, bem tocado e ainda masterizado por Mika Jussila no Finnvox Studios na Finlândia (por onde já passaram Nightwish, Stratovarius, Sonata Arctica e Children of Bodom, entre outros), muito pouco pode ser repreendido aqui.

Por momentos, certas passagens se arrastam em demasia. Na verdade, a sensação é de que algumas faixas se arrastam em demasia. Das onze faixas, quatro são vinhetas (dentre estas, uma abre e outra fecha o álbum), uma tem 4 minutos e as outras seis variam entre 8 e 13 minutos. A sensação de que está tudo quase parando pode até incomodar nas primeiras audições, fato que é corrigido com melodias belíssimas e uma razoável variação de andamentos. Peraí, mas essa é a graça do Doom, não é? Quem não gostar deste peso arrastado que vá ouvir outro estilo!

publicidade

Outro fato interessantíssimo a ser ressaltado é o fato da banda homenagear Fernando Pessoa por todo o disco. Existem poemas deste genial poeta português narrados, cantados ou urrados num belo português típico de portugal, em várias faixas. Destaque também para o vocal profundamente gutural do vocalista Tear e para o bom gosto da banda ao misturar partes faladas, sussurradas, cantadas e urradas. Gostei muito das vinhetas, talvez possam usar mais da próxima vez. As partes em português ficaram excelentes no disco e trazem um ar de personalidade à banda.

publicidade

Quanto às melhores faixas, além de "Frozen Heart... Lonely Soul...", destaco "...An Autumnal Night Passion - Movement II", a minha favorita "Dark Angel Bird (A Poet of Tragedies)" e "Torn Apart".

Sei que não vai ser fácil de encontrar este disco por aí... caso encontre, caro headbanger, compre! Vale a conferida!

PS: Caso alguém da banda venha a ler esta resenha, gostaria de indicar a leitura do grande Augusto dos Anjos também! Pode ser de grande serventia como fonte de inspiração para as próximas composições.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioRafael Serrante
Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio

Deep Purple: David Coverdale conta como eles expulsaram o ACDC do palco em 1974Deep Purple
David Coverdale conta como eles expulsaram o ACDC do palco em 1974


Sobre Bruno Coelho

Bruno Coelho é Arquiteto, escritor, poeta, produtor de eventos, pai, tradutor, intérprete e professor de inglês. Morou em cinco capitais brasileiras e hoje dedica-se ao árduo labor de organizar eventos na capital maranhense de São Luís. Fã do Dream Theater, Tool, Symphony X, Pain of Salvation e Evergrey, encontra espaço pra novas bandas e vertentes sempre.

Mais matérias de Bruno Coelho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin