Resenha - Aégis - Theatre Of Tragedy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Site Oficial - http://www.theatreoftragedy.com

Axl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistavaDinho Ouro Preto: "É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Liv Kristine (Vocais)
Raymond I. Rohonniy (Vocais)
Frank Claussen (Guitarra)
Tommy Olsson (Guitarra)
Lorentz Aspen (Sintetizador)
Erik T. Saltrø (Baixo)
Hein Frode Hansen (Bateria)

Antes de tudo é necessário destacar a importância deste álbum, que é exatamente a marca da transição, do fim de uma Era e início de outra, na história do Theatre Of Tragedy. "Aégis" é talvez o único entre os trabalhos de Liv Kristine & cia que, mesmo com certas restrições, óbvio, é capaz de agradar a gregos e troianos, ou melhor, a fãs do doom da fase antiga do grupo e do pop eletrônico de hoje em dia.

As mudanças começam nos vocais, com Raymond I. Rohonniy abandonando a linha gutural, e passando praticamente a um texto cantado, por vezes simplesmente falado. A produção também aponta transformações, sendo mais límpida que as dos discos antecessores, o debute auto-intitulado, e "Velvet Darkness They Fear". O mesmo acontece nas guitarras, menos vigorosas, e a partir de então intrinsecamente ligadas e dependentes das boas linhas de teclado apresentadas.

No decorrer das oito faixas presentes - excluindo-se aí "Samantha" e "Virago", bônus da versão brasileira lançada pela Hellion Records - surgem climas surpreendentes, numa atmosfera bem montada, tensa, e certamente depressiva em diversos instantes. Tudo isso com um toque a mais, já cheirando à modernidade e o eletrônico, que tomariam conta da banda.

"Cassandra", "Siren" e "Venus" são as composições mais chamativas, e servem como amostra de um trabalho balanceado e caprichado, que deixou rastros irremovíveis na história do doom metal. Porém, nem tudo são flores, como pode iludi-los a arte na capa, e as músicas acabam pecando numa repetitividade que aos poucos, e com o passar das audições, se transforma em certa monotonia.

Material cedido por:
Hellion Records - http://www.hellionrecords.com
Rua Dr. João Maia, 199 - Aclimação
CEP: 04109-130 - São Paulo / SP - BRASIL
Tel: (0xx11) 5539-7415 / 5083-2727 / 5083-9797
Fax: (0xx11) 5083-3077
Email: hellion@uol.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Theatre Of Tragedy"


Tommy Lindal: os álbuns que marcaram o guitarristaTommy Lindal
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Liv Kristine: fui demitida de minha própria banda!Liv Kristine
Fui demitida de minha própria banda!

Theatre of Tragedy: Liv diz que foi demitida igual a Tarja no NightwishTheatre of Tragedy
Liv diz que foi demitida igual a Tarja no Nightwish


Axl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistavaAxl Rose
Como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Top 500: as melhores de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Jared Leto: a reação ao se ver no papel do CoringaJared Leto
A reação ao se ver no papel do Coringa

Guitar Hero: veja como o jogo desgraçou uma geração inteiraGuitar Hero
Veja como o jogo desgraçou uma geração inteira

Corey Taylor: não teria havido um Slipknot sem Paul GrayCorey Taylor
"não teria havido um Slipknot sem Paul Gray"

Ozzy Osbourne: Sharon detona Bob Daisley e desmente intenção de bandaOzzy Osbourne
Sharon detona Bob Daisley e desmente intenção de "banda"


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336