Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemDave Mustaine mostra a forma curiosa como se aquece antes de um show do Megadeth

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemAbba e a imensa importância do Deep Purple na sonoridade de suas músicas clássicas

Marcello Pompeu: ele conta por que não se posiciona politicamente, apesar de cobranças

imagemQueen e a artimanha infantil de Roger Taylor pra ganhar mais dinheiro que os outros

imagemBlind Guardian divulga capa, nomes e duração das faixas de seu novo álbum


Stamp

Resenha - Mechanical Spin Phenomena - Mnemic

Por Paulo Finatto Jr.
Em 19/09/03

Nota: 8

Depois de cinco anos de existência e duas demos lançadas, a banda dinamarquesa Mnemic conseguiu um contrato com a gravadora alemã Nuclear Blast para finalmente lançar o seu ‘debut’ álbum, este que leva o nome de "Mechanical Spin Phenomena". O som da banda caminha para os lados europeus do experimentalismo do metal extremo, beirando em alguns momentos o Soilwork e até o In Flames, e por que não, o Nevermore.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Michael (vocal), Mircea (guitarra e sintetizador), Rune (guitarra), Obeast (baixo, sendo que quem gravou o baixo no CD foi o antigo baixista Mikkel) e Brylle (bateria e teclado) apresentam um thrash metal vigoroso, cheio de passagens extremas, mas incluindo muitos momentos eletrônicos e muitas melodias no seu som. Eu até deveria dar uma nota maior para este trabalho, mas como esta dose experimental do Mnemic não é nada original atualmente, prefiro manter uma nota com o parâmetro do estilo da banda em relação às bandas que de certa forma criaram este tipo de música. O importante a se dizer é que a banda mesmo incluindo passagens de teclado e linhas eletrônicas em seu som, não o transforma em algo dançante ou "virtual" – o Mnemic soube muito bem utilizar os recursos musicais contemporâneos sem deixar o seu som algo simplesmente new metal.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A produção límpida do CD destaca o estilo bem peculiar do vocalista Michael de impor o seu estilo de cantar, a utilização de guitarras sujas (sem utilizar baixa afinação) e até boas viradas do baterista Brylle. No som dos dinamarqueses, o teclado serve apenas como base no "fundo", exemplo claro nas melhores músicas do CD, como "Liquid" (onde a banda investiu, e muito, em riffs pesadíssimos), "DB’XX’D" (um nome estranho em um música que chega a beirar o death metal pela tamanha violência e pelos riffs cortantes), "Tattoos" (se vê aqui bem a dose de melodias à lá Soilwork usadas pela banda), assim como em "The Naked and the Dead". Na minha modesta opinião, "Mechanical Spin Phenomenon" é a melhor música de todas as nove que compõem o CD, isto porque é a que menos investe em "camas" de teclado e partes meramente eletrônicas. Como o disco não é apenas maravilhas, "Zero Gravity" é uma faixa bem experimental, instrumental e repleta de tosquices eletrônicas – o quê francamente, não precisaria estar no CD.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Fã de Soilwork? Então acho que o Mnemic cairá muito bem no seu agrado. Aos que não curtem este tipo de música, mesmo assim, vale dar uma conferida neste estilo que está começando a virar febre entre as bandas do norte europeu. Eu particularmente gostei do CD...

Site oficial: www.mnemic.com

Line-up:
Michael (vocal);
Mircea (guitarra/sintetizador);
Rune (guitarra);
Obeast (baixo);
Brylle (bateria/teclado).

Track-list:
01. Liquid
02. Blood Stained
03. Ghost
04. DB’XX’D
05. Tattoos
06. The Naked and the Dead
07. Closed Eyes
08. Mechanical Spin Phenomenon
09. Zero Gravity

Material cedido por:
Century Media/Nuclear Blast Brasil
Caixa Postal 1240, São Paulo (SP). Cep: 01059-970. Brasil
Fone: (11) 3097.8117. Fax (11) 3816.1195.
www.centurymedia.com.br – www.nuclearblast.de

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre

Mais matérias de Paulo Finatto Jr..