Resenha - Fourth Legacy - Kamelot

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Haggen Kennedy
Enviar correções  |  Ver Acessos


Nota: 9

Assim que tive esse CD em mãos não pude evitar de pensar que seria um "Siége Perilous II". Ao colocá-lo no som, porém, a idéia que eu tinha dele repentinamente mudou. Aliás, como mudou! A começar por "New Allegiance", a pequena (0'34") faixa de introdução já dá pra sentir quão absurdamente o Kamelot cresceu. Épica e recheada do velho suspense para dar início à parte realmente metal da coisa toda, essa intro é muito bem feita.

"The Fourth Legacy", a faixa seguinte, é simplesmente digna de ter seu nome intitulando o petardo. Bumbo duplo acelerando o som, baixo condizendo perfeitamente com os movimentos baterísticos, guitarras power e o velho vocal de Khan, afinadíssimo com o resto do conjunto. O resultado não podia ser outro: músicas repletas de qualidade num disco fenomenal.

"Silent Goddess", a terceira faixa é a, por assim dizer, "menos melhor" do disco. Há a boa movimentação power, porém com menos feeling e espontaneidade que a música anterior. Já "Desert Reign", canção seguinte, é a introdução perfeita para a quinta surpresa, "Nights of Arabia". Só dá pra ficar boquiaberto imaginando como esses caras foram achar a perfeição da cultura árabe para rechear essas duas maravilhas musicais.

Pronto. A partir daí, o disco - por incrível que pareça - só melhora. Mais e mais. Com os refrões hiper marcantes de "Nights of Arabia", o laser do system não sossega e pula para "The Shadow of Uther", outra maravilha que é realmente muito difícil comentar. E assim vai, música após música, com um desempenho pra lá de extraordinário. Vale destacar a não balada, mas música de extremo feeling, "Glory". Os violinos ficaram 100% perfeitos. E mais perfeita ainda a seqüência com "Until Kingdom Come", música 101% grandiosa.

O disco finalmente fecha com "Lunar Sanctum", que tem suas letras não completamente em latim, mas sim algumas partes. Assim como em outras músicas do álbum, onde pequenas sentenças naquela língua são pronunciadas esporadicamente - em especial nas faixas de introdução a músicas maiores.

No resumo, esse puta discaço só não levou 10 por causa de trechos ínfimos em "Lunar Sanctum" que poderiam ser mais velozes e por partes igualmente não tão importantes em "Silent Goddess". O resto é simplesmente tão cadenciado que dá nervoso. Esse é um dos raros petardos que você coloca no seu aparelho de som, dá 'play' e deixa até acabar, sem parar ou pular músicas. Se você gosta do bom e velho power metal com boas inclusões de seqüências clássicas e operísticas, além de guitarras com feeling (e bota feeling nisso!), saia correndo de casa e compre o mais rápido possível.

"The Fourth Legacy" kicks ass!!


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kamelot"


Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!Musos do Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

Roy Khan: sair do Kamelot foi a melhor decisão que já tomeiRoy Khan
"sair do Kamelot foi a melhor decisão que já tomei"


Slayer: Kerry King se atrapalha com guitarra de 8.666 dólares e não consegue tocar introSlayer
Kerry King se atrapalha com guitarra de 8.666 dólares e não consegue tocar intro

Duff McKagan: Justin Bieber é um roqueiro de verdade!Duff McKagan
"Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336