Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemDave Mustaine mostra a forma curiosa como se aquece antes de um show do Megadeth

imagemAbba e a imensa importância do Deep Purple na sonoridade de suas músicas clássicas

Marcello Pompeu: ele conta por que não se posiciona politicamente, apesar de cobranças

imagemBlind Guardian divulga capa, nomes e duração das faixas de seu novo álbum


Stamp

Resenha - Fourth Legacy - Kamelot

Por Haggen Kennedy
Em 12/02/00

Assim que tive esse CD em mãos não pude evitar de pensar que seria um "Siége Perilous II". Ao colocá-lo no som, porém, a idéia que eu tinha dele repentinamente mudou. Aliás, como mudou! A começar por "New Allegiance", a pequena (0'34") faixa de introdução já dá pra sentir quão absurdamente o Kamelot cresceu. Épica e recheada do velho suspense para dar início à parte realmente metal da coisa toda, essa intro é muito bem feita.

"The Fourth Legacy", a faixa seguinte, é simplesmente digna de ter seu nome intitulando o petardo. Bumbo duplo acelerando o som, baixo condizendo perfeitamente com os movimentos baterísticos, guitarras power e o velho vocal de Khan, afinadíssimo com o resto do conjunto. O resultado não podia ser outro: músicas repletas de qualidade num disco fenomenal.

"Silent Goddess", a terceira faixa é a, por assim dizer, "menos melhor" do disco. Há a boa movimentação power, porém com menos feeling e espontaneidade que a música anterior. Já "Desert Reign", canção seguinte, é a introdução perfeita para a quinta surpresa, "Nights of Arabia". Só dá pra ficar boquiaberto imaginando como esses caras foram achar a perfeição da cultura árabe para rechear essas duas maravilhas musicais.

Pronto. A partir daí, o disco - por incrível que pareça - só melhora. Mais e mais. Com os refrões hiper marcantes de "Nights of Arabia", o laser do system não sossega e pula para "The Shadow of Uther", outra maravilha que é realmente muito difícil comentar. E assim vai, música após música, com um desempenho pra lá de extraordinário. Vale destacar a não balada, mas música de extremo feeling, "Glory". Os violinos ficaram 100% perfeitos. E mais perfeita ainda a seqüência com "Until Kingdom Come", música 101% grandiosa.

O disco finalmente fecha com "Lunar Sanctum", que tem suas letras não completamente em latim, mas sim algumas partes. Assim como em outras músicas do álbum, onde pequenas sentenças naquela língua são pronunciadas esporadicamente - em especial nas faixas de introdução a músicas maiores.

No resumo, esse puta discaço só não levou 10 por causa de trechos ínfimos em "Lunar Sanctum" que poderiam ser mais velozes e por partes igualmente não tão importantes em "Silent Goddess". O resto é simplesmente tão cadenciado que dá nervoso. Esse é um dos raros petardos que você coloca no seu aparelho de som, dá 'play' e deixa até acabar, sem parar ou pular músicas. Se você gosta do bom e velho power metal com boas inclusões de seqüências clássicas e operísticas, além de guitarras com feeling (e bota feeling nisso!), saia correndo de casa e compre o mais rápido possível.

"The Fourth Legacy" kicks ass!!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Kamelot: as dicas de malhação de Tommy Karevik para não prejudicar a vozKamelot: as dicas de malhação de Tommy Karevik para não prejudicar a voz

Fabio Lione revela como funciona pagamento de cachê nas bandas gringasFabio Lione revela como funciona pagamento de cachê nas bandas gringas

Kamelot: Suas 10 melhores músicas, pela Classic Rock HistoryKamelot: Suas 10 melhores músicas, pela Classic Rock History

Shows do Kamelot e Turilli-Lione Rhapsody no Brasil são adiados; veja as novas datasShows do Kamelot e Turilli-Lione Rhapsody no Brasil são adiados; veja as novas datas


Kamelot: Roy Khan homenageado por trabalho com jovens



Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy.