Resenha - Power Plant - Gamma Ray

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Toral
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

Ninguém pode negar que o ano de 1999 tenha sido farto, no que diz respeito aos ótimos lançamentos- sejam de bandas nacionais ou internacionais.

Courtney Love: ajudando a resolver os maiores mistérios do mundoKing Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dentro disso, enquadra-se o GammaRay, que detonou com Power Plant; um álbum que contém peso extraordinário sem - claro!- deixar de apostar em melodias que só Kai Hansen poderia proporcionar. No entanto, se formos comparar os primeiros álbuns da banda, notaremos que Power Plant é muito diferenciado, pois o que escutamos é um heavy, ora tradicional, ora power metal. Logo na primeira faixa, a esplendorosa Anywhere in the Galaxy, notamos isso, de cara. Razorsblade Sigh é outro petardo cercado de peso e melodia; sua linha vocal seguiu isso à risca. Típica para shows, Send me a Sign nos oferece todo aquele clima ao vivo, com direito a coro e palmas. Enaltecendo o quanto este disco se diferencia dos demais, temos um fato inédito na carreira da banda, ou seja, Short As Hell, que chega a lembrar o Metallica do Black Album.

Sem dúvidas, algo que impressionou, foi a inclusão de uma música de pop do Pet Shop Boys. Muita gente, mesmo antes de ter escutado, se antecipou ao dizer que aquilo era um abuso, absurdo etc. É uma pena, pois isso engrandece o modismo. Como podem malhar algo que sequer escutaram? Só porque, originalmente, era uma música de pop brega? It's a Sin foi uma autentica cirurgia do GammaRay a uma música que ficou pesada, cavalgada, com uma melodia maravilhosa. Fenomenal!

Outro destaque foi para Heavy Metal Universe, que traz aquele clima puramente Manowar, tanto em termos de letra quanto musicalmente, pois se assemelha muito a fase do Louder Than Hell. Armageddon é outro clássico cheio de emoção, garra e peso, distribuídos por sua longa duração.

Instrumentalmente, a banda se mostra perfeita; a voz de Kai Hansen, comparando desde Walls of Jericho(Heloween) até os que se seguiram, mostra uma enorme diferenciação. Sua tonalidade está mais suja, grave e rouca, diferente daqueles agudos constantes. Em certas músicas, Kai chega muito perto de Rob Halford(Ex- Judas Priest), como pode-se notar em Strangers in the Night, Gardens of the Sinner e Anywhere in the Galaxy, entre outras.

Outro destaque todo especial, foi a capa desenhada por Derek Riggs(que é responsável pela maioria dos Eddies no Iron Maiden). Cheia de detalhes egípcios, não há como deixar de fazer uma comparação com Powerslave do Maiden.

Enfim, temos um álbum cheio de garra; feito por quem entende do "assunto".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gamma Ray"


Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da AlemanhaKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Anos 90: 10 shows pouco comentadosAnos 90
10 shows pouco comentados


Courtney Love: ajudando a resolver os maiores mistérios do mundoCourtney Love
Ajudando a resolver os maiores mistérios do mundo

King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?King Diamond
Alguém já o viu sem a maquiagem?


Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral no Whiplash.Net.

adGoo336