Resenha - Book Of Flame - Michael Manring

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

Site Oficial - http://www.manthing.com

Michael Manring extrapola, ultrapassa todos os limites de criatividade e técnica que se pode imaginar. Depois de ouvir várias vezes esse álbum, com muita atenção e prazer, a pergunta que me veio à mente foi: Existem limites para esse ex-aluno de Jaco Pastorius?

publicidade

Já não sei mais a resposta para isso. O que posso dizer é que Michael se mostra um músico extremamente criativo e eclético nesse último álbum. Ele compõe verdadeiras obras-primas, com idéias novas e características de vários estilos. E o mais impressionante. Ele 'vai' ao cúmulo do bem composto em TODOS os estilos que toca. Faz contrapontos incríveis, tocando dois e/ou três baixos ao mesmo tempo (Quem acompanhou a passagem de Michael Manring pelo Brasil pode confirmar isto). Cria harmonias muito complexas, dignas de 'aparecerem' ao lado das sensacionais harmonias dos maiores mestres do jazz. Mostra, também, uma técnica espetacular nos solos. E tudo isso junto, faz de "The Book Of Flame" um álbum acima do normal, que, como já dito antes, ultrapassa todos os limites de criatividade e técnica que se pode imaginar.

publicidade

Os outros álbuns e projetos de Manring são excelentes e, quem ainda não conhece, deve procurar ouvir. No entanto, acredito que, este, seja o melhor trabalho dele, principalmente pela variedade de estilos presentes nas composições.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Dream Theater: o suposto plágio de música de Leandro & Leonardo?Dream Theater
O suposto plágio de música de Leandro & Leonardo?


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin