Stone Temple Pilots: como foi a turnê do 3º álbum em 1996/1997?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Brunelson T., Fonte: Rock in The Head
Enviar correções  |  Ver Acessos

O STONE TEMPLE PILOTS tinha acabado de lançar o seu 3º álbum de estúdio, "Tiny Music... Songs From The Vatican Gift Shop" (1996), mas depois de levar uma queda feia no mesmo ano, somente em 1997 a banda solidificou aparições em rádio e com uma breve turnê.

Scott Weiland: citado por Howard Stern na rádio; "sinto muita falta dele"Scorpions: As 20 melhores canções com temática romântica

A música "Tumble in The Rough", foi lançada como single há 20 anos no dia 31 de Janeiro/1997, alcançando a posição nº 9 no ranking da Billboard e marcando o que seria a música final do STONE TEMPLE PILOTS - antes de entrar num hiato prolongado após a sua curta turnê de 1997. O hiato durou 02 anos e sentia-se muito mais a sua ausência devido ao talento que esse grupo de músicos eram coletivamente.

Depois da internet, enquanto que a indústria da música possui muitas bandas que levam 03 ou 04 anos para lançar um álbum de estúdio, nos anos 90, 02 anos de inatividade significava praticamente o fim de um grupo. Mas, mais importante ainda, com todos os rumores, drogas (vocalista Scott Weiland) e problemas internos que a banda passava, os fãs sempre ficavam especulando se o grupo ainda estaria vivo por muito mais tempo.

A banda se tornou um enigma após o sucesso dos seus 02 primeiros álbuns

Todos nós sabemos que o STONE TEMPLE PILOTS tinha problemas ao longo de sua jornada que impediam o progresso imaginável por todos, mas novamente, eles voltariam rugindo nesse 3º disco demonstrando a velha determinação e habilidade musical. Mas para nós, fãs, sempre senti a banda como uma montanha-russa desenfreada que não iria acabar bem.

As perguntas foram levantadas sobre esse status já em 1995, quando Scott Weiland montou uma banda paralela, MAGNIFICENT BASTARDS, e os irmãos DeLeo (baixista e guitarrista), junto com o baterista Eric Kretz, montaram planos secretos para terem a sua própria banda separada do seu vocalista. Ainda assim, os fãs estavam se divertindo com o brilho do clássico 2º disco, "Purple" (1994), com aquelas canções que ainda tocam em rádios no mundo inteiro...

Os fãs se alegraram quando as notícias saíram de que o STONE TEMPLE PILOTS estava no estúdio gravando o seu 3º álbum - e tudo parecia bem no mundo do STONE TEMPLE PILOTS. O disco "Tiny Music... Songs From The Vatican Gift Shop", foi lançado em Março/1996 para ser aclamado pela crítica com o sucesso do seu single de estreia, a música "Big Bang Baby". Infelizmente, a viagem de Scott Weiland para a clínica de reabilitação para dependentes em heroína resultou no cancelamento da turnê de primavera/verão de 1996. Até o final de 1996, a banda se sentia como todos os fãs do grupo: de que num belo dia, a banda poderia não estar mais por perto.

Fãs visitando o novo álbum da banda

Pessoalmente, como um fã que comprou o disco "Tiny Music... Songs From The Vatican Gift Shop" logo após o seu lançamento, eu havia curtido muito esse álbum (na essência do significado do verbo "curtir", e não como é usado nesses tempos cibernéticos), além do impacto que foi de assistir ao vídeo clipe da canção "Big Bang Baby". Depois de notícias de Scott Weiland entrando na clínica de reabilitação, lembro do meu sentimento de empolgação se transformar em receio. Lembro-me de pensar, tipo: "Eu deveria me preparar para o pior" (sendo que esse pensamento sempre permeou na cabeça dos fãs durante toda a existência da banda).

Em Julho/1996, para deixar os fãs "ocupados", o grupo lançou o 2º single que foi a música "Trippin' on a Hole in a Paper Heart". Esse clássico do STONE TEMPLE PILOTS possui uma levada semelhante a canção "Naked Sunday" (lançada no 1º disco), onde as performances frenéticas de Weiland ensandecia a plateia e nos proporcionava aquele choque visual. A canção também alcançou o 1º lugar no ranking da Billboard somente alimentado pelo seu vídeo clipe - apresentando colagens de várias imagens de arquivo da banda, assim como cenas do local onde foi gravado esse disco.

Weiland finalmente saiu da clínica e o STONE TEMPLE PILOTS programou a sua turnê de outono/1996. A próxima música lançada como single, "Lady Picture Show", também alcançou o 1º lugar no ranking da Billboard - apoiada com um vídeo clipe. Os fãs sentiram-se aliviados ao ver a banda novamente com uma nova canção na rádio. O vídeo artístico dessa música perfilou a garota do título da canção (e da capa do disco também), utilizando um filme antigo reminiscente dos primeiros dias do cinema - misturado com performances da banda.

06 de Fevereiro/1997, revista Rolling Stone:

Enquanto que esta canção melódica e incrivelmente bem executada - que fala sobre uma dançarina e da sua complicada vida - alcançou o ranking máximo em diversos gráficos, os fãs continuaram cautelosamente otimistas quando o single final, a pancada música "Tumble in The Rough", foi lançada em Janeiro/1997. O single continuou embalando a alta arte criativa do STONE TEMPLE PILOTS, ao mesmo tempo em que voltava a apresentar aquela sonoridade favorita dos fãs - músicas quebraceiras que permearam os 02 primeiros discos. Esta canção apresentava riffs correspondentes aos verdadeiros petardos sônicos da banda, assim como o vocal robótico de Weiland nos versos antes de abrir-se em refrões melódicos e memoráveis. Com a banda na atividade, eles não fizeram um vídeo clipe promocional.

Apenas 01 semana após o lançamento do single "Tumble in The Rough", o STONE TEMPLE PILOTS estava na capa da revista Rolling Stone com uma manchete bastante direta sobre os problemas da banda. Nessa questão, houve uma extensa entrevista onde o grupo foi bastante honesto com o futuro. Segue somente alguns trechos:

"Scott havia me telefonado e disse: 'Eu estou fudido, cara. Preciso de ajuda'", o guitarrista Dean DeLeo sombriamente se lembrou alguns dias depois. "Quando eu conversei com ele podia sentir a sua precária condição. Ele me disse: 'Eu vou entrar em tratamento'. E eu falei, tipo: 'Eu adoraria acreditar nisso, cara...' E na segunda-feira ele se internou em uma clínica de reabilitação".

"As últimas 06 semanas que tivemos foram tão bonitas, sabe?", falou Dean sobre o início abortado da turnê do 3º álbum. "Estava tudo ótimo, mas toda a camaradagem, as risadas e a música estavam penduradas por um fio".

"Mas a forma como ele caiu foi muito melhor do que poderia ter sido", Dean sugeriu esperançosamente. "Eu não estou racionalizando a situação, mas o pior é que ele poderia estar morto..., e ele não estava".

Dean passou a dizer que estava feliz por Scott ter se comunicado com eles. Scott também abordou o tema abertamente:

"Em nosso 2º álbum, 'Purple'", argumentou Weiland, "eu ainda estava naquele ponto com o meu vício em heroína, onde era capaz de ter essa falsa coragem para tentar fazer certas coisas que eu não conseguia fazer de outra forma. Porque a heroína tem um efeito anestesiante e pode levá-lo longe de algo - emocionalmente falando - onde você poderia ter medo de se expor se você estivesse completamente sóbrio. Mas com a criação do disco 'Tiny Music... Songs From The Vatican Gift Shop', foi muito mais difícil de se concentrar. Você está tão entorpecido que é difícil saber o que você está sentindo".

"Quando esse álbum foi lançado", Scott continuou, "as pessoas já sabiam o que estava acontecendo na banda. Tornou-se impossível esconder a dor que eu estava passando e o que eu estava causando nas outras pessoas. Como na canção 'Adhesive', onde nas letras é bastante flagrante sobre como eu estava me sentindo".

------------------------------

Mais uma vez a banda conseguiu passar pela turbulência, sendo que Scott se recuperou o suficiente para sair em turnê novamente. Eles foram duros o suficiente com o estrondo que os seus problemas geraram - e também agitaram tão duros como sempre com o seu grunge. Em Março/1997, eles estavam tocando no MTV Spring Break Rocks e ficaram em turnê até Maio/1997.

Depois de 20 anos do seu lançamento, a canção "Tumble in The Rough" possui o título de uma música do STONE TEMPLE PILOTS que mais resume a carreira da banda. Como fã, continuou sendo difícil ouvir as músicas do STONE TEMPLE PILOTS sem perguntar se havia um futuro para o grupo como uma unidade musical - e para o próprio Weiland.

Embora eu me lembre de ouvir pela 1ª vez com admiração as dinâmicas canções, "Art School Girl" e "Seven Caged Tigers" - quando comprei este álbum em 1996 - a banda se separou para o resto de 1997 até 1999, com Scott seguindo carreira solo e com o restante do grupo fazendo turnês com o nome de TALK SHOW. Para os fãs na época, parecia que a banda estava realmente acabada... Nós resistimos à esperança e depois de eternos 02 anos, tivemos o STONE TEMPLE PILOTS de volta para gravar o álbum mais pesado de sua discografia, "Nº 4" (4º disco, 1999).

As histórias ainda iriam continuar...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Stone Temple Pilots"


Scott Weiland: citado por Howard Stern na rádio; "sinto muita falta dele"Stone Temple Pilota: depois de 20 anos, tocando no show a canção "Ride The Cliche"STP: em turnê pelos EUA, abrindo show com a rara música "Coma"Stone Temple Pilots: iniciando terceira perna da turnê americanaStone Temple Pilots: a reação dos fãs ao escutar um lado-b nos showsSTP: "Estávamos ensaiando com Jeff Gutt um ano antes de oficializar ao público"Stone Temple Pilots: Purple será relançado em uma versão deluxeJeff Gutt: vocalista do STP revela história sobre ter sido chamado pelo AICSTP: guitarrista recorda sobre o Lollapalooza Festival de 1992Scott Weiland: documentário sendo produzido para o fim de 2019

Velvet Revolver: mulher de Slash teve parte na saída de ScottVelvet Revolver
Mulher de Slash teve parte na saída de Scott

Scott Weiland: A relação com as drogas segundo ele próprioScott Weiland
A relação com as drogas segundo ele próprio

Álbuns Homônimos: algumas pérolas que levam o mesmo nome da bandaÁlbuns Homônimos
Algumas pérolas que levam o mesmo nome da banda


Scorpions: As 20 melhores canções com temática românticaScorpions
As 20 melhores canções com temática romântica

Humor: Você sabe que o rock está moderninho quando...Humor
Você sabe que o rock está moderninho quando...

Humor: o que os fãs de rock pedem para beber em um bar?Humor
O que os fãs de rock pedem para beber em um bar?

Humor: Você sabe que o rock está moderninho quando...Humor
Você sabe que o rock está moderninho quando...

Corey Taylor: não comprem a playboy da Lindsay LohanCorey Taylor
"não comprem a playboy da Lindsay Lohan"

Guns N' Roses: Sweet Child pelo elenco de Capitão FantásticoGuns N' Roses
"Sweet Child" pelo elenco de Capitão Fantástico

W. Axl Rose: o som de 25 mil dólares da BMW do vocalistaW. Axl Rose
O som de 25 mil dólares da BMW do vocalista


Sobre Brunelson T.

Vocalista/guitarrista da banda Terrakiuz.

Mais matérias de Brunelson T. no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336