Para Músicos: como tirar músicas de ouvido?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fábio Sena, Fonte: Fábio Sena, O Louco do Baixo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Irei apresentar aos músicos que já conhecem um pouco seu instrumento, cinco passos para aprender a tirar músicas de ouvido, sem limitar-se apenas às cifras, tablaturas e vídeos no Youtube. Essas, podem ser ferramentas úteis, mas não são as únicas.

5000 acessosIntrigas: Bandas em família que terminaram mal5000 acessosNirvana: 20 coisas que você não sabia sobre "Nevermind"

Para quem toca instrumentos harmônicos e/ou melódicos (guitarra, violão, teclado, baixo) é necessário conhecer alguns acordes, escalas e arpejos. Isso servirá como exercício triplo: ajudará na técnica, no treino da percepção e na memorização de onde estão e quais são as notas do seu instrumento. Não é a toa que em todos os instrumentos musicais é preciso repetir várias vezes certos exercícios. A repetição ativará a memória muscular e, com o tempo, o domínio do instrumento se transformará numa segunda natureza.

Entenda que sua percepção está, basicamente, em dois níveis: a percepção focada, que se concentra em um som específico e a dispersa, que é a responsável por camuflar o som ambiente. Imagine-se conversando com alguém em uma festa. Você precisará se concentrar na fala da pessoa (percepção focada/figura) e haverá todo o ruído da festa, com outros convidados conversando e músicas no rádio (percepção secundária/fundo).

-Primeiro Passo

Ouvir a gravação da música, com total concentração, para identificar quantos e quais instrumentos estão registrados e entender o 'mapa' da composição.

Saber quais os instrumentos gravados ajudará a entender a sonoridade e intenção da música e, também, a perceber como o seu instrumento se relacionará com os outros.

Identificar o mapa da composição é entender quantas partes há na música e como elas se interligam. É muito comum as músicas serem compostas por introdução, verso, refrão, parte B, etc. Saber onde começa e onde termina cada parte já é um trabalho de memorização, muito útil para a percepção.

-Segundo Passo

Ouvir a música e se imaginar tocando, mas ainda sem o instrumento.

Imagine que você esta com seu instrumento musical na mão. Tente visualizar e imaginar como o seu instrumento pode reproduzir o que é ouvido. Nesse estágio, quem toca guitarra, violão ou baixo já consegue identificar o ritmo no qual a mão que ataca as cordas terá que trabalhar.

-Terceiro Passo

Cante cada parte que o seu instrumento toca.

Isso ajudará a internalizar e memorizar a parte que você deseja reproduzir. Além do mais, a partir do momento que você consegue reproduzir com a voz, é possível cantar repetidamente e até com maior lentidão.

-Quarto Passo

Ligue seu instrumento e toque junto com a gravação.

Para perceber se está tocando na mesma nota que a gravação, há uma técnica chamada batimento. Imagine que duas notas iguais são como duas linhas paralelas. Se por um acaso uma delas não estiver afinada, você terá a sensação que estão ondulando. Quanto mais próximo de afinar, menor será essa sensação. Mais distante da afinação, maior a sensação de ondulação. Essa sensação será a referência para perceber quando você está tocando exatamente a mesma nota.

-Quinto Passo

Após aprender a música, ouça novamente sem o instrumento e imagine-se tocando a música.

Agora que você já sabe as partes das duas mãos, coloque a imaginação para funcionar. Ouça o timbre e a afinação do seu instrumento sem tocá-lo. Assim, você ficará mais independente dele para imaginar os sons.

Sobre Fábio Sena

Fábio Sena, O Louco do Baixo é músico profissional. Professor de música, toca na banda Grungeria, Orquestra Filarmônica de Santo Amaro (OFISA), Bass Solo Performer e escreve no blog "O Louco do Baixo".

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias

IntrigasIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

NirvanaNirvana
Vinte coisas que você não sabia sobre "Nevermind"

Galeria de fotosGaleria de fotos
13 motivos para gostar de Rock N Roll

5000 acessosNoisecreep: dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s5000 acessosSteven Tyler: vocalista admite que já queimou a rosca5000 acessosEm 19/02/1980: Bon Scott, vocalista do AC/DC, morre aos 33 anos de idade5000 acessosCabeçote: Vá para casa, Paul Di'Anno5000 acessosKiko Loureiro: contando como foi chamado pelo Megadeth5000 acessosCapas de álbuns: versão "cultura pop" de capas famosas

Sobre Fábio Sena

Fábio Sena, O Louco do Baixo é músico profissional. Professor de música, toca na banda Grungeria, Orquestra Filarmônica de Santo Amaro (OFISA), Bass Solo Performer e escreve no blog "O Louco do Baixo".

Mais matérias de Fábio Sena no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online