Led Zeppelin: as misteriosas viagens à Índia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 


770 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?5000 acessosVocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rock

Por ROB HUGHES para a Classic Rock Magazine/Abril 2013

Em outubro de 1972, ROBERT PLANT e JIMMY PAGE fizeram uma inesperada visita a Bumbai, onde eles tocaram com músicos locais. O que aconteceu permaneceu sem registros. Até agora.

A falta de informações só serviu para amplificar o aspecto mítico das três discretas visitas à Índia no espaço de 12 meses no começo dos anos 70. Jimmy Page e Robert Plant visitaram a crescente cidade de Bumbai pela primeira vez depois de sua turnê japonesa de setembro de 1971. Alguns meses depois, a caminho da Austrália em fevereiro de ’72, eles se esgueiraram para dentro do país com o empresário de turnê Richard Cole, depois de terem sua entrada em Singapura negada por causa de seus cabelos compridos e barbas. O trio rodou por Bumbai em um táxi, munido com filmadoras 8mm. As imagens podem ser vistas no YouTube hoje em dia.

Mas a mais intrigante dessas viagens clandestinas foi a de Outubro de 1972. Depois de seis shows no Japão, Page, Plant e Cole armaram acampamento no hotel cinco estrelas Taj Mahal de Bumbai – e meio que fizeram um show. A chegada deles no país veio num momento em que o rock indiano ainda estava na infância. Havia várias bandas em Bumbai – sendo que as maiores eram Atomic Forest, Human Bondage e Velvette Fogg - mas elas eram quase sem validade em comparação com os forasteiros do Ocidente.

“No começo dos anos 70 não havia muita música original cantada em inglês por aqui, só em hindu”, explica Nandu Bhende, o vocalistado Velvette Gogg. “Com certeza havia uma cena entre os jovens universitários urbanos – Bumbai, Nova Délhi, Bangalore, Calcutá – mas, honestamente, nós só copiávamos o Led Zeppelin. Foi só muito tempo depois que pegamos todas aquelas influências e começamosa fazer nossa própria música.”


Bhende encontrou-se com Page e Plant pela primeira vez no hotel Taj Mahal, onde a dupla do Led Zeppelin estava se hospedando em sua terceira viagem.

“Havia uma casa noturna no primeiro andar do hotel Taj onde nós nos apresentávamos como banda de rock, e Plant e Page entraram em meio a nosso ensaio,” ele recorda.

“Eu me lembro de Plant sentado à bateria e de ele quase quebrá-la, de tão forte que ele estava batendo. Ele estava por todo canto. Ele queria se entrosar. Mas Page era muito quieto, só ficava sentado e não se comunicava muito.”

“Eu achei que eles tinham uma aparência bem afeminada, o que era muito estranho pra mim, porque eles eram tão fortes em sua música e som. Parecia uma coisa de machão, mas na vida real eles não eram nem um pouco assim.”

Alguns dias depois, em uma noite de segunda-feira [provavelmente 16 de Outubro], Plant e Page deram um show do nada em uma casa noturna de Bumbai, a Slip Disc, acompanhados por dois músicos locais e equipamento de palco primitivo. Bhende estava na plateia naquela noite.


“O Slip Disc era na verdade um buraco, não era um lugar grande de modo algum”, ele diz. “Mas lotava. Plant e Page não tinham equipamento algum e não haviam ensaiado. Eles só entraram no palco com os dois músicos [Xerxes Gobhai, baixista do Human Bondage, e Jameel Shaikh, baterista da própria banda de Bhande, o Velvette Fogg]. Eu me lembro de Page pegar uma Stratocaster e de ela estar em péssimas condições, e daí ele pegou a guitarra do meu colega de banda, uma coisa alemã velha, e tocou com ela. Eles começaram com “Rock And Roll” e tocaram por 20 a 25 minutos. Houve uma longa jam no final, quando Plant começou a falar sobre Bumbai, e daí eles tocaram “Black Dog”. Plant e Page pareciam estar se divertindo. A plateia simplesmente enlouqueceu.”

O show fora supostamente gravado em fita cassete pelo DJ residente da casa, Arul Harris, e depois caiu nas mãos de Keith Kanga, do Atomic Forest. Infelizmente, a fita está perdida agora, assim como as memórias definitivas da época, apesar de Gobhai também recordar-se de tocar “Whole Lotta Love”. O universitário e jornalista Khalid Mohammed subsequentemente afirmaria que Plant e Page teriam cantado uma música nunca antes ouvida, “Kashmir”, mas os experts em Zeppelin insistem que Kashmir não fora composta até 1973.

Devido à natureza espontânea do evento, ele não recebeu grande cobertura da imprensa. Algumas fotos do show, contudo, apareceram na edição e novembro da revista Junior Statesman, publicação de Bumbai voltada para jovens, acompanhadas por uma breve entrevista.

“Você sabe por que viemos?” Plant perguntou ao autor. ”Pra ver se poderíamos montar um estúdio de gravação. Mas as leis alfandegárias são severas, cara. Tipo, vai demorar seis meses para podermos tirar nosso equipamento do aeroporto de Bumbai.”

Aquela viagem também marcou a ocasião quando Plant e Page, esse último provido com um gravador de rolo Stellavox quadrafônico de última geração, gravaram no estúdio com um bando de músicos clássicos indianos, convocados para eles por um discípulo de Ravi Shankar, Vijay Raghav Rao. O resultado, as altamente pirateadas The Bombay Sessions, trazia versões radicalmente diferentes de “Friends” e “Four Sticks“, todas com sarangi, cítaras e tablas.

O grupo fora intitulado como ‘The Bombay Symphony Orchestra’ nos créditos, apesar de Page não ter ficado muito feliz com a qualidade das sessões em si. Ao voltar para a Inglaterra, de acordo com Richard Cole, as fitas gravadas em Bumbai foram para um depósito.

Matéria completa:
http://tinyurl.com/cdbd4x2

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 04 de abril de 2013
Post de 04 de dezembro de 2014

Fatos DesconhecidosFatos Desconhecidos
Personalidades que supostamente fizeram pacto com o diabo

770 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?3587 acessosEm 07/07/1980: O último show de John Bonham436 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Led Zeppelin"

Metal para BebêsMetal para Bebês
Canções de ninar para filhos headbangers

Led ZeppelinLed Zeppelin
As referências no clássico "Rock and Roll"

Led ZeppelinLed Zeppelin
Perguntas e respostas e curiosidades

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"

VocalistasVocalistas
Belíssimos timbres de alguns cantores de rock

Regis TadeuRegis Tadeu
"Lemmy era tão poderoso que seu corpo não teve coragem de contrariá-lo"

Alfabeto do RockAlfabeto do Rock
As 15 melhores músicas de Metal

5000 acessosMetal: você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 15000 acessosAs histórias por trás de 11 capas clássicas5000 acessosMötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda5000 acessosDetonator: Mais compartilhado que o funk ostentação de MC Gui5000 acessosManowar: "Nunca fui fã e não gosto do Kiss" - diz Eric Adams5000 acessosReligiões: as guerras santas abordadas em letras de Heavy Metal

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online