Matérias Mais Lidas

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemDead Fish diz que "tem fã que é melhor perder" e explica posicionamento político

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemCinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA

imagemJoão Gordo diz que não torce pela seleção brasileira de futebol

imagemCuecão de couro: Rob Halford posa com suas "great balls of fire" em camarim

imagemA radical atitude de Billie Joe, do Green Day, contra decisão dos EUA sobre aborto

imagemAvenged Sevenfold e o álbum do Guns N' Roses que deveria ser mais valorizado

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone


15/08/1969: nesta dia começava o Woodstock Music & Art Fair

Por Cesar Augusto Ferreira
Fonte: Facebook
Em 15/08/12

Resumo do documentário sobre Woodstock

Woodstock Music & Art Fair foi um festival de música realizado entre os dias 15 e 17 de agosto de 1969 na fazenda de 600 acres de Max Yasgur na cidade rural de Bethel, no estado de Nova York, Estados Unidos. Anunciado como "Uma Exposição Aq
uariana: 3 Dias de Paz & Música", o festival deveria ocorrer originalmente na pequena cidade de Woodstock, mas os moradores locais não aceitaram, o que levou o evento para a pequena Bethel, a uma hora e meia de distância.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O festival exemplificou a era hippie e a contracultura do final dos anos 1960 e começo de 70. Trinta e dois dos mais conhecidos músicos da época apresentaram-se durante um chuvoso fim de semana defronte a meio milhão de espectadores. Apesar de tentativas posteriores de emular o festival, o evento original provou ser único e lendário, reconhecido como um dos maiores momentos na história da música popular.

Woodstock clamava pela paz, pela não proliferação de armas, e nesse período a Guerra do Vietnã já havia matado milhares de norte-americanos.

O ano de 1969 nos Estados Unidos foi festejado em forma de contestação por grande parte da população norte-americana. Anteriormente, não só o mundo, mas inclusive a grande potência econômica mundial, enfrentou períodos conturbados como, por exemplo, o assassinato do candidato à presidência Robert Kennedy e do líder negro pacifista Martin Luther King; John Kennedy já tinha sido morto em 1963 quando era presidente. Era a esperança de tempos melhores indo por água abaixo no país. Esperanças de mudar o quê? Ocorre que nesse período valores relacionados à família, drogas, sexualidade, direito das mulheres, raça, dentre outros, estavam sendo questionados publicamente em todo o mundo. Ainda por cima, os Estados tinha se metido numa guerra cada vez mais sem sentido e delicada, de se retirar sem manchar sua imagem imperial; era a Guerra do Vietnã. De fato, os Estados Unidos foram surpreendidos por uma nação minúscula e miserável que resistiu à sua enxurrada armamentista, daquelas à la ficção-científica que lhes é tão singular.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

E quando dói internamente, fato raro de acontecer ou omitido dos noticiários, quando milhares de patriotas morrem ou são mutilados, começa a incomodar e cogitar-se alguma disfunção na máquina que havia se metido em mais uma guerra. A prepotência transformou-se em frustração sem fundamento, já tinham usado mais bombas que em toda a II Guerra Mundial e sistematicamente morriam pessoas de ambas as partes, então manifestantes foram às ruas. Mas para compreender como isso repercutiu nos Estados Unidos é preciso primeiro entender o porquê do conflito e que lugar é afinal o Vietnã, país até então desconhecido aos olhos do mundo.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Esse pequeno país localizado na Indochina tem um histórico de total opressão que vem desde os primórdios, há mais de 500 anos, com a China e os mongóis, até se tornar, a partir de 1858, colônia francesa. Como toda lógica colonial, a França explorou sua população e os recursos naturais da região, além de entupi-los de drogas através do álcool e o ópio, tal qual no Brasil com o craque e a cocaína nas camadas populares. Até que, em 1947, o Vietnã proclama sua independência, curiosamente baseada nos princípios da constituição dos EUA, seu próximo inimigo. Isso devido à perda de força da França, pelo desgaste com a Alemanha na II Guerra Mundial e o Japão, adversário tanto da França quanto do Vietnã. Os japoneses aproveitaram para explorar a situação dominando o Vietnã, mas pouco depois são atacados em Hiroshima com a bomba nuclear e os vietnamitas, enfim, se libertam. A festa dura pouco, no ano seguinte a França volta e reivindicar sua colônia sendo amplamente financiada pelos Estados Unidos, inimigo do Japão, que a partir daí passa a ser determinante. É conflito para tudo quanto é lado e o Vietnã nesse processo encontra-se em vias de transformações sócio-culturais, comandadas pelo líder Ho Chi Min, cujo lema era simples e extremamente eficaz: plantar (arroz), estudar e guerrear. Mesmo com toda opressão os vietnamitas conseguiram culturalmente conscientizar toda a população e gerar um nacionalismo bravamente resistente independente da idade, sexo, ou o que quer que fosse.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em 1956, tendo forte mobilização popular e grande possibilidade de Ho Chi Min subir ao poder de maneira democrática, ocorre a intervenção externa dos Estados Unidos sob alegação de subversão interna, indo contra as leis internacionais. Nessa altura já tinham conseguido dividir o Vietnã em dois, Vietnã do Norte e Vietnã do Sul. A conscientização da população nativa chegou ao ponto de incomodar o primeiro mundo que, como sempre, instalou uma democracia a sua maneira, independente dos interesses locais.
O pretexto para a intervenção americana e estopim da guerra foi um ataque vietcongue no Golfo de Tonquim em 1964. Um país inexpressivo no cenário mundial e até então praticamente desconhecido atacou as esquadras norte-americanas, que seria as mais poderosas do mundo. Eis a história oficial, ao velho estilo ocidental. A partir daí começou o genocídio.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

No final das contas os Estados Unidos deram um tiro no pé, apesar de escoar todo o depósito de sua indústria bélica, pilar de sua economia. A situação foi ficando insustentável, mas os meios de comunicação deram uma mãozinha, seguiram a procissão da globalização ao distorcerem as informações, de acordo com seus interesses comerciais; afinal, não vale a pena desprestigiar o Tio Sam, portanto seu discurso foi legitimado. As conseqüências foram as piores, e deixaram seqüelas até hoje nos dois países. As baixas são inestimáveis, e a degeneração espiritual irreparável.

Essas foram algumas das razões que fizeram o povo norte-americano ir às ruas. Em 1967 estudantes fizeram a Marcha ao Pentágono, seguido de protestos na Convenção do Partido Democrata. Os Panteras Negras lutaram pela igualdade racial, jovens foram reprimidos ao se reunirem num parque que ficou conhecido como o Parque do Povo, dentre outras agitações. Até que houve o auge das manifestações, quando conseguiram aglomerar todas as discordâncias àquele sistema num só lugar, o show conhecido mundialmente até hoje como Woodstock, em agosto de 1969.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ninguém mais agüentava guerras. Tudo o que eles queriam era dar uma chance à paz. Resistiam ao serviço militar, clamavam pela não proliferação de armas e para que a corrida armamentista cessasse a fim de harmonizar a humanidade. A paz era uma das principais bandeiras levantadas em Woodstock, junto a tantas outras. Infelizmente, até hoje os Estados Unidos são os que mais vendem armas em todo o planeta, sua indústria irradia a morte mundo afora. Nas palavras de John Reed "as guerras crucificam a verdade". Mas, enquanto isso, o norte do hemisfério ocidental as forjam segundo seus interesses.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Woodstock (Pete Fornatale)

Bob Dylan & The Band em Woodstock


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash