Obscurity Tears

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

Fonte: www.obscuritytears.com (site oficial da banda)

No outono de 1994, Flávio Marcelo (guitarra), Wíres Alves (bateria), Júnior Alves (guitarra), Wellington Resende (vocal) e Luciano Rodriguez (baixo) uniram-se para formar uma banda chamada Smashed Face. Esta banda seguia a linha Doom Death Metal. Tendo como influências bandas como: Paradise Lost(antigo), Blaspherion, Cathedral e My Dying Bride.

Smashed Face apresentava um Doom Death Metal pesado e ríspido, com riffs rochosos e grotescos vocais guturais.

A banda Smashed Face sofreu algumas mudanças devido a problemas internos. A última formação da banda Smashed Face foi: Flávio Marcelo (baixo e vocal), Wíres Alves (bateria), Júnior Alves (guitarra), Wellington Resende (guitarra e vocal) e Luciano Rodriguez (teclados).

As músicas compostas pela banda Smashed Face estavam tornando-se muito diferentes do estilo inicial, tanto em suas letras como em suas melodias. Então, a banda achou melhor também, mudar de nome, passando a se chamar Obscurity Tears. Depois disso Luciano Rodriguez deixa a banda. E em 1998 Evandro Andrade (guitarra) entra para a banda e Júnior Alves passa a ser responsável pelos teclados.

No início de 1999 a formação da Obscurity Tears cresce com a entrada de Nitelma Lima (vocal) e alguns meses depois entra Jefferson Barreto (violino) com a proposta de tornar o som da banda Obscurity Tears mais melódico ainda.

Melodias começam a fluir intensamente no som da banda, os vocais angelicais de Nitelma e os arranjos de violino de Jefferson deixam o som da Obscurity Tears com uma atmosféra densa e viajante.

Finalmente a Obscurity Tears grava seu primeiro CD em janeiro de 2000, intitulado Songs for a Black Winter, contendo 5 composições.

Este álbum foi gravado e mixado, em 22 horas, no outono do ano 2000 no Estúdio Gusdel em Recife-PE. Mas, devido a alguns problemas, ele teve de ser remixado e finalmente masterizado no inverno de 2000 no Estúdio DB3 em Recife-PE. Foi produzido pela banda Obscurity Tears de forma totalmente independente.

Em seguida é feita uma jornada de shows para divulgação do álbum. A banda se apresenta em diversas cidades vizinhas e em outros estados.

O CD Songs for a Black Winter teve uma ótima aceitação do público e da mídia expecializada. Foi avaliado e elogiado por diversas revistas, tais como: Roadie Crew, Valhalla e Rock Brigade. Tendo a nota sempre acima da média.

"Como uma banda que mora num país tropical conseguiu compor um material tão denso e que pode figurar lado a lado com qualquer banda européia do estilo?" Ricardo Batalha - Revista Roadie Crew nº 23.

Em novembro de 2001 Wíres Alves (bateria) e seu irmão Wellington Resende (guitarra e vocal) saem da Obscurity Tears por motivos pessoais. Em seus lugares entram Denes (bateria) e nosso ex-violinista Jefferson Barreto (guitarra) volta para a banda.

Em junho de 2002 a banda Obscurity Tears é convidada a participar da coletânea "BLACK WORLD", organizada pela Satânic Evil Produções. Uma coletânea contendo as principais bandas de metal nacionais. A faixa escolhida foi "Crying in Silence".

Em setembro de 2002 a banda apresenta-se no IV Blizzard of Rock da Vitória, um festival tradicional na cidade de Vitória de Santo Antão - PE, tendo seu registro no CD "IV Blizzard of Rock". A faixa escolhida foi mais uma vez "Crying in Silence".

No dia 13/08/2004 a Obscurity Tears encerrou suas atividades devido aos problemas que ocorreram nos últimos anos e que conseqüentemente causaram um desgaste aos integrantes restantes.

A Obscurity Tears retoma suas atividades em outubro de 2005.


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Obscurity Tears"


Humor: Não basta um machado na mão para ser Black MetalHumor
Não basta um machado na mão para ser Black Metal

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses


adClio336|adClio336