Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemSUV do Offspring pega fogo durante viagem para show

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii que faz uma dura crítica à panelinha do rock nacional

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemBittencourt começou a fazer tai chi chuan no camarim após beque de Mariutti bater forte

imagemO sensato conselho que Lulu Santos deu para o novato Herbert Vianna

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

imagemMúsicos famosos fizeram teste para o AC/DC sem que ninguém soubesse, conta baterista

imagemSlayer: Dave Lombardo surpreende ao eleger suas três músicas favoritas

imagemIron Maiden, Nervosa e Megadeth estarão na edição de 2023 do Wacken Open Air


Stamp

Moby Grape

Por André Heavyman Morize
Em 06/04/06

O Moby Grape foi um dos melhores e mais versáteis grupos de rock nos alucinados e seminais anos 60, um dos símbolos do Summer Of Love em São Francisco, USA, terra natal da banda.

Embora identificados freqüentemente com a cena psicodélica, a sua maior especialidade era fazer excelente música contemporânea a partir de um crossover de música folk, pop, blues e classic rock. Essa mistura já estava presente em 1967, ano do debute do grupo, com a presença marcante e, até então pioneira, de três guitarras simultâneas. Embora tenham mantido um ótimo padrão de qualidade e criatividade em seus trabalhos subseqüentes, por uma combinação de problemas pessoais e mau gerenciamento, o conjunto teve vida efêmera, separando-se precocemente ao final dos anos sessenta.

Naquela época, a maior parte das bandas de São Francisco era formada por imigrantes de outros estados: o Moby Grape não fugiu à regra. Matthew Katz, que empresariou o Jefferson Airplane em seu início, trouxe Skip Spence para o Moby Grape. Spence era um legendario instrumentista canadense cuja especialidade maior era a guitarra, mas que tinha tocado percussão na primeira lineup do Jefferson Airplane a pedidos de Marty Balin, mentor intelectual e líder do Jefferson Airplane.

Skip Spence deixou o Airplane depois do primeiro álbum e juntou-se ao Moby Grape como guitarrista e compositor. O guitarrista Jerry Miller e o baterista Don Stevenson vieram recrutados dos Frantics, e o terceiro guitarrista Peter Lewis já havia tocado na costa litorânea da Califórnia com a surf music band The Cornells. Por sua vez, o baixista Bob Moseley também já havia tocado em diversas bandas do sudoeste californiano.

Apesar de suas variadas e diversas experiências e influências, era impressionante seu entrosamento. Pareciam ter tocado juntos a vida inteira. O trabalho de parceria entre eles era dividido igualmente, e essa unidade e identificação é nitidamente sentida em seu álbum de estréia. "Moby Grape", de 1967, é considerado por muitos especialistas como sua obra prima. A mistura rock-folk funcionava tão bem quanto os boogies woogies, e "Omaha", "Sittin' by the Window", "Changes" e "Lazy Me" são algumas de suas melhores e mais conhecidas musicas.

Problemas diversos, tais como as pressões de sua gravadora, a Columbia Records, exigindo novos trabalhos em um curto espaço de tempo, processos legais em virtude de três membros da banda terem sido flagrados transando com meninas de menor idade, e uma relação conflitante com seu então manager Katz, influenciaram negativamente a banda.

Seu segundo trabalho, o álbum duplo "Wow" era um dos mais esperados em função do promissor disco debute, mas em virtude dos problemas acima acabou sendo conhecido como uma das maiores decepções dos anos 60. As músicas feitas às pressas para atender aos prazos da gravadora apresentavam uma total falta de homogeneidade, tanto nas letras quanto nas harmonias. As habilidades instrumentais de cada um não se somavam, antagonizavam-se, e os vocais estavam pobres e sem inspiração. O bônus disc era um desperdício total e consistia apenas em jam sessions nada significastivas.

Neste ano de 1968, o álbum estava sendo gravado em Nova Iorque. Spence teve que sair da banda como resultado de um famoso incidente, no qual ele entrou no estúdio com um machado de bombeiro pretendendo usar isto em Stevenson. Internado no Hospital de Bellevue de Nova Iorque, ele ressurgiu para gravar um álbum-solo de acid-folk maravilhoso ao término de 1968, mas isso seria o seu único projeto notável após o Moby Grape; seguiu lutando contra sua enfermidade mental.

Outra baixa inesperada aconteceu quando Moseley, apesar de sua participação no Moby Grape – banda emergente de Haight-Ashbury, cena psicodélica e com atitude antibelicista e antiguerra do Vietnã – alistou-se no corpo de fuzileiros navais no começo de 1969.

A banda continuou na luta, e apesar de mais esse duro golpe, lançou mais dois álbuns durante aquele ano. As melhores músicas destes trabalhos (particularmente o primeiro destes, o "Moby Grape 69") comprovavam que eles ainda poderiam continuar na estrada figurando entre os melhores, embora já com um estilo bem modificado em relação a seu inicio de carreira.

O grupo se desfez no fim dos anos sessenta, embora tenha se reunido periodicamente para álbuns inexpressivos e quase desconhecidos durante os últimos 20 anos, com formações que jamais conseguiram ter simultaneamente mais de um dos membros originais por vez. Matthew Katz tinha os direitos autorais sobre o nome Moby Grape e impediu que esses trabalhos esparsos pudessem levar o nome do grupo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Moby Grape: Auto-indulgência, maconha e abuso na estréia em vinil

O Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais

Iron Maiden: o vocal que quase substituiu Bruce Dickinson em 93


Sobre André Heavyman Morize

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de André Heavyman Morize.