Janis Joplin, pérola atormentada

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ana Therezo e Marcos A. M. Cruz
Enviar correções  |  Comentários  | 

Provavelmente um ET desavisado que viesse à Terra estudar o comportamento da raça humana no final dos anos 60 estranhasse o fato de uma das maiores manifestações artístico-musicais populares do século XX - o Rock - possuir raríssimas representantes do sexo feminino, ainda mais levando-se em consideração que a música, encarada a nível de arte, requer uma dose muito grande de sensibilidade, algo comumente associado ao chamado "sexo frágil".

1281 acessosWoodstock: local do festival se torna lugar histórico dos EUA5000 acessosRockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

E dentre estas raríssimas representantes, uma delas, sem sombra de dúvida, merece um destaque mais do que especial: Janis Lyn Joplin, que soube como ninguém mesclar sentimento, paixão e lirismo em suas interpretações, derivadas diretamente das grandes damas do blues, mas com um toque ao mesmo tempo forte e suave.


Nasceu em 19 de janeiro de 1943, na pequena Port Arthur, Texas, cidadezinha típica do interior norte-americano, careta, conservadora, que já na adolescência se tornava muito pequena para a jovem rebelde. Após idas e vindas, vinte anos depois Janis trilhava os caminhos da folk music, ao mesmo tempo em que começava seu envolvimento com drogas, pequenos furtos e brigas. Sua voz marcante e atitude irreverente refletiam sua alma atormentada.

Nancy Wilson (guitarrista da banda Heart), comentou certa vez: "Eu acho que ela permitiu às mulheres sentir sua própria dor. A dor que ela também sentia. (...) seu talento inigualável era fruto de seu sofrimento".

Contudo, nada impediu que ela se tornasse um mito e entrasse para a lista dos imortais dos anos 60, fazendo com que a mistura de blues e rock rendesse um sucesso meteórico que durou cerca de três anos - enquanto viva; e um verdadeiro culto ao seu modo de cantar, mesmo três décadas após sua morte.

Tudo começou quando Chet Helms convidou-a para se juntar ao Big Brother & The Holding Company, banda psicodélica típica de San Francisco, em meados da década de 60. Após um álbum de estréia que passou um tanto quanto desapercebido, Janis e a banda deslancharam em 1968 com "Cheap Thrills", que ultrapassou a marca de um milhão de cópias vendidas somente no primeiro mês, impulsionado pelo sucesso da apresentação em Monterey. Durante sua breve carreira, lançou outros dois LPs, "I Got Dem Ol'Kozmic Blues Again Mama", com a Kozmic Blues Band, e o póstumo "Pearl", gravado com a Full Tilt Boogie Band, título inspirado em seu apelido, ganho devido à brancura de sua pele, quase sempre longe do sol. Depois houve outros álbuns ao vivo e coletâneas com sobras de estúdio e faixas inéditas.

Em 04 de outubro de 1970, o sonho acabou: Janis foi encontrada morta em seu apartamento, vítima de overdose de heroína combinada com álcool. Talvez seu grande problema tenha sido a aversão às drogas alucinógenas (maconha, LSD), que a levou ao caminho dos estimulantes (anfetaminas, bebidas e heroína).

Conclusão: depois de ler sua história e escutar suas músicas, só existem duas maneiras de senti-la: ou você a ama ou a odeia. Experimente! Janis sempre causa reações inusitadas... as letras das canções não são intelectualizadas, não são nem mesmo grandes composições (tecnicamente falando), mas é justamente esta simplicidade e principalmente a sinceridade que brota nas suas interpretações que as tornam diferentes a cada audição. Você vai sentir!!!

"I can't talk about my singing
I'm inside it.
How can you describe something you're inside of?"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 04 de outubro de 2014
Post de 04 de outubro de 2015
Post de 05 de outubro de 2016

WoodstockWoodstock
Local do festival se torna lugar histórico dos EUA

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Janis Joplin"

SergueiSerguei
Teorias sobre a morte de Jimi Hendrix e Janis Joplin

Janis Joplin no BrasilJanis Joplin no Brasil
Topless, cachaça e "show" em puteiro

GênerosGêneros
O rock se firmou com características machistas

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Janis Joplin"

Blasfêmias?Blasfêmias?
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Ozzy Osbourne muito antes da fama

Cradle Of FilthCradle Of Filth
"Pessoas chamam de satânico o que não entendem!"

5000 acessosNoisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metal5000 acessosCannibal Corpse: o pescoço gigante de George Fisher5000 acessosÁlbuns: os vinte piores discos de todos os tempos5000 acessosSlash: arrepiando no hino nacional norte americano antes de jogo2371 acessosRonnie James Dio: em propaganda de Budweiser de 19834192 acessosRandy Blythe: puto com fã no memorial de Oderus Urungus

Sobre Ana Therezo

Engenheira, Escritora de Araque e, atualmente, moradora das planícies gélidas Canadenses. Fã de Rock em todas as suas vertentes, mas com tendências xiitas ao Heavy Metal, ganhou seu primeiro bolachão - No Rest for the Wicked, em 1988. Vinte e poucos anos depois e, contrariando aqueles que acreditam que o gosto musical muda com o passar do tempo, continua escutando Ozzy, AC/DC, Deep Purple e afins. Colaboradora e leitora do Whiplash! desde que o site tinha caveirinhas na página principal, e que a lista dos melhores guitarristas de todos os tempos era o assunto da vez.

Mais matérias de Ana Therezo no Whiplash.Net.

Sobre Marcos A. M. Cruz

Editor do Whiplash.Net.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online