JPT Scare Band, antes tarde que nunca!

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

JPT Scare Band, antes tarde que nunca!


  | Comentários:

Quem leu o texto de introdução desta coluna vai se lembrar que menciono o fato de não ter ficado para a posteridade registro sonoro de nenhuma banda brazuca que tenha feito "Rock Pesado" nos anos setenta, coisa que sempre me intrigou, pois até nossos hermanos argentinos tiveram seus heróis naqueles tempos, sem contar o Uruguai (DÍAS DE BLUES), Peru (PAX), etc.

É bem verdade que houve um ou outro espasmo através de faixas perdidas em álbuns do CASA DAS MÁQUINAS, MUTANTES, O PESO, MADE IN BRAZIL e outros, porém todos mais próximos do Rock'n'Roll em si que propriamente do "Hard Rock", "Heavy Rock" ou seja lá como o leitor queira chamar...

Isto não significa que não existiram bandas que faziam som "pesado" na época, mas simplesmente que estas não deixaram nada gravado. O porquê disso? Desconfio que, aliado à "falta de memória do povo brasileiro", chavão que de tão batido infelizmente parece que se tornou uma verdade absoluta, todos estes grupos eram muito undergrounds para aqueles tempos.

"Era isto mesmo!" me disse Orlando "Landinho" Lui, num bate-papo informal que tivemos há cerca de três anos. Landinho foi integrante de uma banda lendária chamada ROCK DA MORTALHA, que atravessou inúmeras formações durante os anos setenta, e que dentre outros feitos, se apresentou no "Woodstock brasileiro", ou seja, o festival de Águas Claras de 1975, realizado numa fazenda em Iacanga, interior de São Paulo.

De acordo com o depoimento de quem assistiu ao seu set, eles soavam como uma espécie de versão brazuca do BLACK SABBATH, e nesta apresentação estavam usando umas roupas pretas, com uma cortina também preta de fundo, carregando o logotipo do grupo.

Imagem
"Éramos realmente o Sabbath brasileiro", afirmou Landinho, confirmando que em seus shows, baseados principalmente em composições próprias, sempre tentavam criar uma atmosfera sombria para combinar com seu som, que de acordo com ele era muito pesado para a época, sendo Iommi & Cia uma de suas principais referências.

Perguntei-lhe, já com o coração na mão, se havia algum registro sonoro, sonhando em encontrar alguma preciosidade perdida que mandaria minha tese água abaixo, mas líquida e gelada foi a ducha que Landinho mandou:

"Não Marcos, nunca gravamos absolutamente nada, a gente tocava principalmente pelo prazer de fazer música"...


Em 1973, Jeff Littrel e Terry Swope, dois velhos conhecidos de infância, estavam tocando numa banda de Country-Rock no Kansas chamada "Carol Cruise and the Cruisers", que tinha como formação a tal vocalista chamada Carol, um baterista chamado Frank Infranca e um baixista cujo nome se perdeu no tempo, além de Jeff nos teclados e Terry na guitarra. O tal baixista decidiu sair, e em seu lugar entrou Paul Grisby, velho conhecido da época de faculdade de Jeff e Terry.

Imagem
Nesta época, de acordo com Jeff, ele, Terry e Paul eram muito jovens (cerca de 20 anos de idade) e não tinham dinheiro, ao contrário de Carol e Frank, que vinham de famílias mais abastadas. Os três decidem então, junto com outro amigo chamado Greg Gassman, alugar um casarão velho, devidamente rebatizado de "Electric House", que se tornaria o estúdio caseiro do grupo, principalmente depois que Carol e Frank decidem sair, tendo Jeff assumido as baquetas e Terry e Paul dividindo os vocais, nascendo daí o JPT SCARE BAND.

Por mais pitoresco que possa parecer, o lance dos caras não era gravar, tampouco tocar ao vivo, mas apenas tocar pelo prazer de tocar, como afirmou Jeff em entrevista ao Planeta Stoner:

Imagem
"É importante que as pessoas entendam que, voltando ao passado, quando estávamos felizes gravando nossas jams no porão da Electric House e na sala de jantar da Stone House on Crooked Road(local para onde Paul se mudaria mais tarde), nós estávamos totalmente imersos em fazer música e nos divertirmos. Não tínhamos absolutamente nenhum interesse em assinar contratos com gravadoras ou fazer tours. Tivemos sorte em ter um cara (Greg Gassman) morando com a gente na Electric House e que era engenheiro de gravação. E temos um outro grande amigo (Rocky Van Rude) que tinha uma companhia de som para shows e nos deixava usar uma das mesas de mixagem e os microfones. Caso contrário, não teríamos nenhuma gravação destes tempos maravilhosos".

Imagem
Na realidade, eles chegaram a fazer algumas poucas apresentações num lugar chamado Volker Park ainda nos anos setenta, onde várias bandas se apresentavam mediante uma platéia de hippies "totalmente chapados", pois aqueles eram tempos "recheados de boa música, diversão, mulheres selvagens e aventuras cósmicas", nas palavras de Jeff...

Algum tempo depois, Jeff e Terry se mudam para um lugar chamado "Boogie Barn", enquanto Paul seguiria para Parkville, no Missouri, passando a residir na tal "Stone House on Crooked Road", onde prosseguiriam as loucas jams iniciadas no Kansas.

Para se ter uma idéia do "método de trabalho" dos caras, eis trecho do relato de uma das sessões de gravação: "As músicas geralmente surgiam a partir de um riff que posteriormente ganhava uma letra(...) montamos nossos instrumentos na sala enquanto Greg registrava tudo na cozinha, tentando mixar tudo com auxílio de fones de ouvido, mas como tocávamos com os amplificadores no volume máximo, certamente ele não conseguia ouvir nada direito. Além do mais, haviam duas garotas com ele na cozinha, de forma que sempre que eu o vislumbrava pela porta suas mãos não estavam na mesa de som, mas sim ocupadas com as garotas!"

Como precisavam sobreviver, eles se viravam com o que aparecia pela frente: dentre outras coisas, Paul foi balconista, Jeff foi vigia e Terry diz que foi salva-vidas, além dos dois últimos eventualmente terem feito bicos em estúdio de gravação, e participações em diversas outras bandas locais.

Imagem
Embora o JPT sempre tenha girado em torno dos três, eventualmente em algumas jams o trio contou com outros guitarristas, tecladistas e bateristas, sendo que parte deste material ainda permanece inédito nas mãos de Jeff.

No final dos anos setenta, Terry e Jeff formaram o PRISONER (também chamado de PROJECT 23), juntamente com o baixista Wally Binney (Paul havia mudado para o Colorado), banda que adotava uma sonoridade diferente do JPT (aparentemente bem mais "Pop", prá ser sincero nunca ouvi), e que gravou um disco independente, lançado em 1980, que não chegou de fato a ir para as lojas, tendo sido vendido durante as apresentações que fizeram, abrindo para grupos do porte do KROKUS, ALVIN LEE, SAVOY BROWN e RED SPEEDWAGON.

Tudo indicava que aquelas lendárias jams iriam acabar mofando em velhos tapes, mas uma reviravolta iria ocorrer no futuro...


1992: Jeff vai atender ao telefone e do outro lado da linha um sujeito se identifica como sendo Phil Baker, dizendo que havia comprado em um sebo o tal disco do PRISONER, e gostara muito de uma faixa chamada "Burning Hell", perguntando para Jeff se o grupo gravara mais algo naquela linha.

O baterista, ainda meio reticente, diz que na realidade a faixa em questão havia sido gravada originalmente em meados da década de setenta pela sua banda da época, chamada JPT SCARE BAND, da qual ele mantinha caixas e mais caixas de material.

Phil pergunta se poderia rolar alguma coisa pelo próprio telefone, e Jeff lhe mostra um trecho de 45 segundos de "Acid Acetate Excursion". Algum tempo depois, um ansioso Phil estaria recebendo no Texas o primeiro lote de fitas do JPT...

Imagem
Acontece que Baker, juntamente com Dennis Bergeron, são proprietários da Monster Records (www.monsterrecords.com), gravadora indepen- dente americana cuja principal "missão", de acordo com eles, é "editar e relançar clássicos perdidos do Hard Rock, Heavy Metal, Psicodelismo e Progressivo dos anos 60, 70 e 80".

A gravadora então lança em 1994 o LP "Acid Acetate Excursion", em tiragem limitada de 300 cópias, que seria o estopim do culto ao JPT, seguido pelo "Rape of Titan's Sirens", também prensado somente em LP, com uma tiragem de 500 cópias.

Imagem
Logicamente ambos discos não tardaram a ser pirateados mundo afora em formato digital, e em junho de 2000 finalmente a Monster lança o "Sleeping Sickness", trazendo todas as faixas do "Acid..." e três do "Rape...", todas em versões expandidas.

Uma frase extraída de uma resenha sobre o CD diz tudo: "Use com cuidado! Este álbum pode causar sérios problemas musculares devido ao desejo incontrolável de se praticar 'air guitar'" (tocar guitarra no ar).

Imagem
Como a gravadora de Phil decidiu trabalhar apenas com material dos anos setenta, o grupo optou por formar um selo próprio chamado "Kung Bomar", que lançou em 2002 o "Past Is Prologue", trazendo gravações realizadas recentemente, além de outras ainda dos anos setenta (não se deixe enganar pelas três primeiras faixas, que são justamente as mais recentes, e ficaram um tanto quanto "polidas", pois a partir da quarta em diante o troço pega fogo!).

Imagem
A banda planeja lançar em breve mais um trabalho, chamado "Jamm Vapours", além de fazer alguns shows. Futuramente aguarda-se outros lançamentos de material dos anos setenta pela própria gravadora do grupo, já que o contrato com a Monster Records acabou há alguns anos; dentre eles, há idéia de um CD somente com jams de Blues, trazendo material gravado em meados daquela década com um cantor chamado Jerry Wood (homenageado com uma faixa chamada "Jerrys Blues" no "Past Is Prologue", gravada em meados dos anos setenta - se aquilo, na realidade uma jam infernal, recheada de riffs, for o que eles entendem por Blues, muitos tradicionalistas vão enfartar quando sair o tal CD...).


Imagem
Quem estiver interessado em mais detalhes e algumas histórias pitorescas, basta clicar aqui e conferir a entrevista feita pelo Planeta Stoner, ou dar uma conferida no website oficial do grupo. E se você ainda não conhece a banda, e gosta de jams sessions pontuadas por riffs esporrentos de guitarra, vale à pena batalhar ao menos o "Sleeping Sickness", é garantia de diversão do começo ao fim!

Possivelmente ainda vamos nos surpreender com muito material inédito do JPT, eles de fato merecem recolher os louros pelo seu passado. Enquanto isto, Landinho continua por aí tocando a vida, tendo somente as lembranças em sua mente, ao mesmo tempo em que seus relatos nos aguçam a curiosidade... quem sabe alguém venha a encontrar alguns tapes perdidos que possam resgatar pelo menos um pouco da memória dos nossos heróis daqueles tempos, e algum dia eu possa estar aqui contando a história do ROCK DA MORTALHA e de outras bandas brazucas perdidas no tempo?

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Hardão Setentista
Todas as matérias sobre "JPT Scare"
Todas as matérias sobre "Rock da Mortalha"

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Marcos A. M. Cruz

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas