Belphegor: buscando novos elementos para a brutalidade

Resenha - Walpurgis Rites: Hexenwahn - Belphegor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Antes relegada às profundezas do underground, inúmeras bandas já veteranas do cenário Heavy Metal extremo vêm atingindo novos patamares com sua Arte. O motivo? O desenvolvimento consciente das habilidades técnicas de seus músicos e uma produção cada vez mais sólida e límpida, que consiga mostrar todas as minúcias enterradas no corpo das composições.
Belphegor: numa cerimônia dedicada ao mal pode dar tudo certo?Pitty: zoando a Glória Pires no Oscar via twitter

Esta progressão natural também se aplica ao Belphegor, horda austríaca que está na ativa desde 1993 e com seu oitavo álbum agora aportando em território brasileiro através do selo Laser Company. E "Walpurgis Rites: Hexenwahn" mostra o longo caminho percorrido desde o debut “The Last Supper” (95), com basicamente a mesma visão musical, mas buscando novos elementos para a brutalidade de seu Heavy Metal.

É claro que o Belphegor, com toda sua reputação, nunca iria seguir por rumos que mudassem drasticamente sua sonoridade. É apenas uma questão de tornar as coisas mais interessantes e dinâmicas ao fazer uso de vários andamentos mais cadenciados e uma sutil inserção de melodias que seriam heresia há alguns anos. Mas, enfatizo, mantendo as raízes cruas e amargas de seu conhecido Death e Black Metal.

Assim sendo, a audição de "Walpurgis Rites: Hexenwahn" vai impressionando enquanto progride, em especial pela intrigante "Veneratio Diaboli - I Am Sin". Seus sete minutos faz desta a mais longa composição de toda a carreira dos austríacos e mostra sua necessidade de se expressar com maior liberdade, de forma mais lenta e sem perder a agressão. Outros grandes momentos ficam por conta de “The Crosses Made Of Bone” e “Hail The Blood", que exibem um pouco do que é o ótimo trabalho das guitarras deste disco.

Gravado no Stage One Studios do alemão Andy Classen (Legion Of The Damend, Dew-Scented, Asphyx) e com a sufocante arte de capa elaborada pelo brasileiro Marcelo HVC (Gorgoroth, Vader, Satyricon), este é um excelente álbum de música extrema, mesmo que provavelmente venha a ofuscar ainda mais aquela aura ‘cult’ que o Belphegor vinha ostentando até alguns anos.

Formação:
Helmuth - voz e guitarra
Serpenth - baixo
Morluch - guitarra
Robert Kovačić - bateria (músico de estúdio)

Contato:
http://www.belphegor.at
http://www.myspace.com/belphegor

Belphegor – Walpurgis Rites: Hexenwahn
(2009 - Nuclear Blast Records / Laser Company Records - nacional)

01. Walpurgis Rites
02. Veneratio Diaboli - I Am Sin
03. Hail The New Flesh
04. Reichswehr In Blood
05. The Crosses Made Of Bone
06. Der Geistertreiber
07. Destroyer Hekate
08. Enthralled Toxic Sabbath
09. Hexenwahn - Totenkult

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Belphegor
Numa cerimônia dedicada ao mal pode dar tudo certo? Pode.

Loudwire: as dez bandas mais demoníacas de todos os temposBelphegor: religião é boa para quem não sabe tomar suas decisõesBelphegor: saber o que vem depois é privilégio de quem já morreuTodas as matérias e notícias sobre "Belphegor"

Belphegor
"Dane-se a Igreja, precisamos de mais Metal!"

Belphegor
"Não se perde nada quando uma igreja queima"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Belphegor"

Pitty
Zoando a Glória Pires no Oscar via twitter

Morreu Dormindo
As últimas horas de vida de Lemmy Kilmister

Dave Mustaine
Vocalista comenta sobre os ex-colegas do Metallica

Tarja Turunen: cantando "Ben" aos 17 anos de idadeSlash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gayAC/DC: Brian revela segredo obscuro de Angus YoungThe Osbournes: "Ozzy não se mantinha sóbrio um dia sequer"Sepultura: ouça "Groots Bloody Groots"Michael Kiske: "nunca fui chamado para o Iron Maiden"

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online