Circus Maximus: O circo norueguês pegou fogo em São Paulo

Resenha - Circus Maximus (Hangar 110, São Paulo, 17/09/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando Yokota
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em sua rápida aparição pela América do Sul, o CIRCUS MAXIMUS se apresentou pela primeira vez no Brasil no Hangar 110 para uma devota e barulhenta plateia. Os noruegueses fazem parte de uma geração posterior aos bastiões do estilo como DREAM THEATER, FATES WARINING, QUEENSRYCHE ou ainda SYMPHONY X e mostram que, com estilo musical, o prog metal resiste à passagem do tempo com novos nomes.

Promovendo seu novo lançamento, Havoc, a banda apresenta um show que surpreende pela energia e pela interação com o público, preterindo a natureza mais contemplativa das apresentações do estilo. É fato que o local não muito grande e de temperatura escaldante ajudava a criar um clima mais intimista, entretanto a curta (pelo menos para o gênero) apresentação de uma hora e meia ocorreu em alto grau de intensidade, com forte resposta do público, que cantava de volta tudo que a banda mandava de cima do palco, dos títulos mais antigos como as já clássicas Alive e Sin (fãs do DREAM THEATER que queiram se aventurar pela discografia dos noruegueses talvez queiram começar por essas duas) ou coisas mais recentes como interessante Havoc. Por outro lado, em momentos como Arrival of Love, o CIRCUS MAXIMUS não tem a pretensão de esconder a influência oitentista e os tecladões pronunciados.

A julgar pela reação do vocalista Michael Eriksen, que a todo momento pegava seu celular para registrar a reação do público, a banda parecia apreciar a primeira vez no país da mesma forma que o público apreciava a primeira visita da banda. Munido de algumas frases em português escritas no riser da bateria e de muitas latas de guaraná (mais um fisgado pela maravilha gaseificada, assim como ocorreu com MIKE PORTNOY, leia abaixo), o frontman devolvia em simpatia o que a plateia dava em barulho e cantoria, dando ares de festa à costumeira sisudez do estilo musical.
5000 acessosMike Portnoy: "Meu refrigerante favorito no Brasil"

Ao final da apresentação, a banda ainda fez questão de atender a todos os fãs para fotos e autógrafos. A impressão que fica é a de que o CIRCUS MAXIMUS acabara de ser vítima do virus das plateias sulamericanas, que faz com que elas incursões por estes lados da liha do Equador tornem-se jornadas rotineiras.

(Com o agradecimento à Overload e The Ultimate Music pelo credenciamento)

Setlist:
Namaste
A Darkened Mind
Sin
Havoc
Glory of The Empire (Intro - The 1st Chapter)
Arrival of Love
Highest Bitter
Architect of Fortune
Abyss
Alive
Ultimate Sacrifice
The One
I Am
Chivalry
Game of Life

Comente: Foi ao show do Circus Maximus? O que achou?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 20 de setembro de 2016


514 acessosCircus Maximus: nem só de black metal vive a Noruega0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Circus Maximus"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Circus Maximus"


Guns N RosesGuns N' Roses
A versão de Axl sobre a separação da antiga formação

Dave MustaineDave Mustaine
"Há bandas cujo nome me ofende"

MotörheadMotörhead
Em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura

5000 acessosMusas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casa5000 acessosGuitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocar5000 acessosFree: a paixão de Dave Murray por Paul Kossoff1462 acessosThe Beatles: liderando lista de artistas mais pirateados do mundo5000 acessosDoyle: "Alisse White-Gluz me faz chorar quando malhamos"5000 acessosEvanescence: Amy Lee faz cover sombrio de música do U2

Sobre Fernando Yokota

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online