Children of Bodom: A experiência de vê-los ao vivo

Resenha - Children of Bodom (Circo Voador, Rio de Janeiro, 29/05/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Herick Sales
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Dia 29/05/2016. Um domingo à noite. Circo Voador. O pessoal do Children of Bodom sobe ao palco, para promover seu mais recente álbum, o ótimo I Worship Chaos. Estava ansioso para ver toda a banda, e principalmente uma grande influência minha na guitarra: Alexi Laiho.

Kryour: prestando tributo ao Children of Bodom em vídeo ao vivoSlipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Não vou me ater muito às músicas executadas, pois foram todas grandes canções dentre novas e clássicas. O que quero comentar aqui é grande entrosamento da banda.

O Children pratica um tipo de som altamente pesado, um misto de death metal, com elementos melódicos e inclusão de outras influências como música erudita, metal clássico, e nuances de metal moderno até.

E dentre isso, pude reparar o quanto absurdo é o baterista da banda, Jaska Raatikainen, como as linhas de baixo de Henkka Blacksmith são interessantes, não se limitando a fazer "cabeça de nota", como a guitarra base de Antti Wirman dá um suporte de peso aos voos guitarrísticos de Alexi Laiho, e como aquele lazarento do tecladista Janne Warman toca demais, incluindo passagens eruditas, que dão ambientação e clima às canções.

Já Alexi Laiho é um showman à parte: um híbrido de death metal, com postura hard rocker (a diva joga o cabelo para o lado diversas vezes, e faz altas poses glam nos solos), e não tem o que se reclamar: animou a galera, interagiu, e fez diversos duelos com o tecladista, dobrando frases, temas, improvisos, etc. Numa análise mais profunda, foi possível notar o uso extensivo de arpejos (advindos de sua influência de Malmsteen), e a maneira que cria/improvisa seus solos: há uma forma temática, em que cada trecho puxa o outro, criando uma história. Facilmente pude notar a influência de guitarristas como Jake E. Lee e Randy Roads nesse aspecto, além de alavancas bem radicais nos momentos certos, a lá Steve Vai.

Por fim, ficou a satisfação de ter visto uma das grandes bandas de metal da atualidade, e com certeza, um dos grandes guitarristas da nossa geração, que conseguiu trazer do passado, elementos que deram frescor ao novo metal, e torço para que Alexi Laiho possa fazer o que seus ídolos fizeram no passado: influenciar jovens a sentirem vontade de empunhar uma guitarra, e estudá-la com dedicação.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Children Of Bodom"


Kryour: prestando tributo ao Children of Bodom em vídeo ao vivoChidlren Of Bodom: um caminhão carregado de ódio

OpiniãoOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

FinlândiaFinlândia
As dez melhores bandas de Heavy Metal do país

Children Of BodomChildren Of Bodom
Black metal é pura comédia para Laiho


SlipknotSlipknot
Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Heavy MetalHeavy Metal
As figuras do Diabo e personagens bíblicas nas capas

Phil AnselmoPhil Anselmo
Mandou um "White Power" mas nega ser racista

Slipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunirHeavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasMax Cavalera: Ele cortou o cabelo pra ganhar o Ride The Lightning, do MetallicaMetallica: Lars comenta as baixas vendas de Hardwired...

Sobre Herick Sales

Herick Sales, professor de guitarra e violão há 12 anos, amante de blues e rock em geral.

Mais matérias de Herick Sales no Whiplash.Net.

adGooILQ