Glenn Hughes: A apresentação no Carioca Club de São Paulo

Resenha - Glenn Hughes (Carioca Club, São Paulo, 16/08/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.














Em 2009, quando Glenn Hughes esteve naquele mesmo Carioca Club, tentei estar por ali, mas não deu. Fã confesso do Deep Purple MK III, reencarnação da qual fez parte, queria tê-lo visto mais, porém contanto com este ocorrida no último dia 16, foram somente duas. Esta, sem dúvidas, a melhor! Acompanhe o resumo dos fatos e as belas imagens a seguir.

Trios sempre me empolgaram no rock and roll e saber que, ao seu lado, estariam somente Pontus Engborg (bateria) e Doug Aldrich (guitarra, ex-Whitesnake/Dio), aumentou minhas expectativas. Não deu outra, bastaram os primeiros acordes de 'Stormbringer' para saber que a noite seria especial. O clássico chegou com um peso renovado, além da belíssima e incrivelmente potente voz de Hughes.

Se "Orion" não foi a escolha certa para sequenciar um hino, "Way Back to the Bone", do Trapeze, apresentou tudo o que amamos no 'The Voice of Rock'. Aldrich arrancou palmas nota a nota, praticamente. Boa lembrança incluí-la. Fina e sexy! 'Sail Away' é uma das mais belas baladas de todos os tempos e, provavelmente, minha favorita no "Burn", sua estreia no Purple em 1974 ao lado do então novato David Coverdale. "Isso não dá vontade de transar?", provocou Glenn após encerrá-la magistralmente. 'Touch My Life', mais um coringa do Trapeze no set-list, fechou a trinca e fora dedicada ao saudoso companheiro naquela banda, Mel Galley: "Sei que está comigo esta noite", disse emocionado.

Era hora de algo do Black Country Communion, banda que manteve por algum tempo ao lado do ótimo guitarrista Joe Bonamassa, bastante popular no Brasil. 'One Last Soul', primeiro single lançado por eles é de fato uma bela música. "Talvez a gente retome...", deixou escapar. Nem deu para comemorar tanto, pois 'Mistreated' estava engatilhada e quando esta toca ninguém vai ao banheiro, conversa ou se distrai. Clássico do Deep Purple, é uma das canções que resumem aquela banda, apesar de Ian Gillan ter sempre recusado tocar qualquer material dos álbuns sem ele. Enfim, Glenn contou que David mostrou um trecho desta assim que começaram os primeiros ensaios da MK III. "Esta é bem importante pra mim e creio que para vocês e seus pais também", brincou. Falar o que de um pedaço de blues dos mais belos e perfeitos já feitos? Antes, porém, um pequeno solo de Aldrich. Belo e colou bem com a canção, mas em comparação ao solo de voz do patrão, pouco memorável.

Sorte a do guitarrista que a seguinte, 'Good To Be Bad', é uma das suas no Whitesnake, banda onde contribuiu por alguns anos. "Coverdale nunca cantou esta ao vivo, canta pra mim?", explicou Hughes sobre o xaveco de Doug para tê-la no set-list. Deu certo e ficou sensacional, até melhor que a original eu diria. 'Can't Stop the Flood' é a cara de Glenn. Funky, groovy e repleta de elementos da black music em geral. Teve direito a reboladinha do homem!

Após um curto [ainda bem!] solo de bateria, 'Sweet Tea', do California Breed, a qual eu não conhecia, até que manteve a energia em alta. Com a bacana 'Addiction', sintomaticamente sobre os tempos de doideira do músico, e a interessante 'Soul Mover', os três deixaram o palco. Voltaram no bis com 'Black Country', outra do projeto com Bonamassa e, finalmente, 'Burn', já famosa nos seus encerramentos e sempre eficaz nesta tarefa. Agradecimentos especiais à produção e à assessoria de imprensa do evento, pelo credenciamento.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Glenn Hughes"


Glenn Hughes: produtora no Brasil se manifesta sobre shows canceladosGlenn Hughes
Produtora no Brasil se manifesta sobre shows cancelados

The Dead Daisies: Glenn Hughes substitui John Corabi e Marco Mendoza na bandaDead Daisies: Kazagastão mostra novo single em primeira mão

Deep Purple: queriam Glenn Hughes na banda antes de Roger Glover sairDeep Purple
Queriam Glenn Hughes na banda antes de Roger Glover sair

Soren Andersen: guitarrista lança "Bird Feeder", com Glenn Hughes e Chad SmithEm 21/08/1951: nascia o genial baixista e vocalista Glen Hughes

Glenn Hughes: produtora de Porto Alegre se pronuncia sobre show canceladoGlenn Hughes
Produtora de Porto Alegre se pronuncia sobre show cancelado

Glenn Hughes: produtora do show no Rio se manifesta sobre show canceladoGlenn Hughes
Produtora do show no Rio se manifesta sobre show cancelado

Glenn Hughes: turnê inteira pelo Brasil, com 9 shows, é canceladaGlenn Hughes
Turnê inteira pelo Brasil, com 9 shows, é cancelada

Slash: ensinando namorada a tocar Smoke on the Water, do Deep PurpleSlash
Ensinando namorada a tocar "Smoke on the Water", do Deep Purple

Glenn Hughes: Aretha Franklin foi a 1ª mulher a me arrepiar ao cantarGlenn Hughes
"Aretha Franklin foi a 1ª mulher a me arrepiar ao cantar"

Tony Iommi: Glenn Hughes era muito mais drogado que Ozzy OsbourneTony Iommi
Glenn Hughes era muito mais drogado que Ozzy Osbourne

Glen Hughes: sexo, drogas e Rock'n'Roll no PurpleGlen Hughes
Sexo, drogas e Rock'n'Roll no Purple


Separados no nascimento: Paul Stanley e Ioná MagalhãesSeparados no nascimento
Paul Stanley e Ioná Magalhães

Bullet For My Valentine: vocal detonou Guns em turnêBullet For My Valentine
Vocal detonou Guns em turnê

Megadeth: as pérolas mais polêmicas ditas por MustaineMegadeth
As pérolas mais polêmicas ditas por Mustaine

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comBandas Iniciantes: 11 cagadas que vocês NAO podem cometerAstros mortos: como estariam alguns se ainda estivessem vivos?Religiões: as guerras santas abordadas em letras de Heavy Metal

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.