Paul Di'Anno: Um show memorável no Carioca Club de SP

Resenha - Paul Di'Anno (Carioca Club, São Paulo, 12/04/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Tom Macedo
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











No último dia 12 o Carioca Club recebeu a festa de aniversário dos 30 anos da Rádio Corsário, e quem recebeu presente foram os amantes do metal. A Rádio Corsário é um programa idealizado por Julio Viseu, faz parte da programação da Imprensa FM 102,5 e é veiculado aos sábados das 22:00hs as 24:00hs.

As atrações foram realmente de fazer todos baterem cabeça e lembrar que a cena do metal no Brasil continua viva e muito bem, obrigado.

Para alguns, o melhor. Para outros, o mais carismático. Mas indiscutivelmente, o pioneiro. Paul Di'anno, o lendário primeiro vocalista da banda Iron Maiden, responsável pela gravação dos álbuns "Iron Maiden" e "Killers" estava comemorando o aniversário de 35 anos de lançamento do primeiro disco. Infelizmente o Carioca Club não recebeu um grande público, mas com toda e absoluta certeza recebeu um grande espetáculo.

Para abrir o show, nada melhor do que uma banda de qualidade inquestionável e de origem tupiniquim, e essa banda se chama Korzus. O quinteto formado por Marcello Pompeu (Vocais), Heros Trench (Guitarra), Antonio Araújo (Guitarra), Dick Siebert (Baixo) e Rodrigo Oliveira (Bateria) está divulgando seu último trabalho, o aclamado álbum "Legion".

Quando a cortina se abre, a banda manda "Guilty Silence" e mostra a que veio. Mesmo com mais de 30 anos de estrada, os caras demonstram uma qualidade musical e disposição invejáveis. Em seguida, mandam "Truth", "Vampiro", "Discipline Of Hate" e "Raise Your Soul". O vocalista Marcello Pompeu lembra que no dia estava acontecendo manifestações por todo Brasil, fazendo alguns discursos de conscientização e falando sobre a importância e necessidade de mudança em nosso País. Então mandaram "Bleeding Pride", "Never Die", "What Are You Looking For" e Correria. Logo pedem para que a roda seja aberta, e seguem com "Lifeline", "Agony", e "Internally". Pompeu novamente cometa sobre as manifestações e sugere que sejamos sempre guerreiros, então a banda executa "Guerreiros do Metal". A banda então agradece a família, aos organizadores e o público presente, e encerra seu ótimo e energético show com "Legion".

E então estava chegando o momento mais aguardado da noite. Os presentes tinham em seus rostos a ansiedade de acompanhar mais um grande show de um lendário vocalista, que fez parte de uma das maiores bandas de Heavy Metal mundial. Logo após alguns longos minutos do encerramento do show do Korzus, o locutor anuncia Paul Di'anno, e diz que ele irá tocar sentado devido um acidente de moto e que a organização do evento cogitou cancelar o show, mas ele não aceitou, pois queria fazer aquilo que ele mais gosta. Então as cortinas se abrem, e o que vemos é um Paul debilitado e com frustração eminente em seu rosto pela sua condição. O show é aberto com "Ides of march". Confesso que fiquei um pouco confuso, pois se o show seria em comemoração dos 35 anos do lançamento do disco "Iron Maiden", imaginei que o disco seria tocado na íntegra e na ordem correta. Em seguida foi a vez de "Sanctuary", "Wrathchild", "Murders In The Rue Morgue" e "Killers" que foi cantada de forma uníssona por todos presentes. Paul falou sobre sua insatisfação de estar em uma poltrona, mas que não deixaria de fazer um ótimo show para todos e confidenciou que terá de fazer uma cirurgia. Logo canta "The Beast Arises", "Children Of Madness", "Gengihs Khan" e "Prowler". Entre uma música e outra, Paul fazia questão de reforçar o quanto gosta do Brasil. Realmente me surpreendi com a presença de palco e energia que ele demonstrou mesmo sentado e o carinho que tem pelos fãs Brasileiros. O show continua com "Phantom Of The Opera", "Transylvania", "Charlotte The Harlot", e "Running Free". Os presentes ficavam cada vez mais alucinados, pois sabiam que o show já estava perto do fim. Então veio a sequência derradeira, com o maior clássico gravado por Paul Di'anno em sua época de "Iron Maiden" e dois ótimos covers. Começa com a música título da banda e do primeiro álbum, "Iron Maiden", confesso que nesse momento, não me contive e entrei na roda de bate cabeça, só saindo de lá após o fim do show. Na sequência foi a vez de "Blitzkrieg Bop", clássico hino punk da banda "Ramones". E pra finalizar "Anarchy In The UK" do "Sex Pistols".

Indiscutivelmente foi um show memorável, em momentos surpreendente e com energia de sobra. Agora é ficar na torcida por melhoras de Paul Di'Anno e novas datas do Korzus em São Paulo, e desejar a Rádio Corsário mais várias décadas de existência e pedir que continuem a serviço do Metal.

Agradecemos a Rádio Corsário e ao Costábile Jr pelo credenciamento.

Fotos: Kennedy Silva



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Paul D'ianno"Todas as matérias sobre "Iron Maiden"


Iron MaidenIron Maiden
Turnê que passará pelo Brasil tem a maior produção da banda

7º Filho do Sétimo Filho7º Filho do Sétimo Filho
O lado oculto do Iron Maiden

Iron MaidenIron Maiden
Janick Gers explica por que os shows da banda são tão elogiados

Collectors Room: uma análise de Virtual XI, do Iron Maiden (vídeo)Collectors Room: uma análise de The X Factor, do Iron Maiden (vídeo)

Iron MaidenIron Maiden
Mais uma cerveja da banda a caminho

Iron MaidenIron Maiden
Banda joga futebol contra time dos Estados Unidos; veja

Blaze BayleyBlaze Bayley
De volta com a Iron Maiden XXV Celebration Tour

Iron MaidenIron Maiden
Banda fala com empolgação sobre turnê pela América do Norte

ANIE: lançada versão acústica em vídeo para a música "Wasted Years" do Iron Maiden

Iron MaidenIron Maiden
Nicole Kidman e Keith Urban vão a show e posam para foto

Regis TadeuRegis Tadeu
Slayer e Iron Maiden se aposentando com dignidade

Iron Maiden: Jornalista grava vídeo resenhando os discos (Parte 2)

Iron MaidenIron Maiden
Uma versão acústica "diferente" para "Run To The Hills"

Steve HarrisSteve Harris
Orgulho dos filhos por abrirem shows do Iron Maiden

Bruce DickinsonBruce Dickinson
A roupa mais ridícula que ele usou no palco

Iron MaidenIron Maiden
De onde vem o amor de Phil Anselmo pela banda?

Rock ClássicoRock Clássico
As melhores segundo ouvintes de Manchester


Heavy MetalHeavy Metal
Autores que inspiraram o estilo: Friedrich Nietzsche

Legião UrbanaLegião Urbana
A versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Roqueiros conservadoresRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

Drogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astrosKerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revistaO tempo é implacável: a turma do rock/metal não sabe envelhecer?Guns N' Roses: o gosto musical conservador de Steven Adler

Sobre Tom Macedo

Mineiro, Tom Macedo foi para São Paulo ainda pequeno. Com sete anos de idade, ganha de um colega da primeira série uma fita K7. A fita em questão era Seventh Son of a Seventh Son do Iron Maiden, e o pequeno garoto se apaixona pelo estilo musical até então desconhecido. Hoje, Tom é guitarrista e compositor de uma banda, é fanático por Kiss e diferente de todos em São Paulo, adora um congestionamento só para ter mais tempo de escutar o bom e velho Rock and Roll.

Mais matérias de Tom Macedo no Whiplash.Net.