Death DTA: Show memorável em São Paulo

Resenha - Death DTA - (Via Marquês, São Paulo, 07/09/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Kennedy Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.



























Todo fã de metal tem um estilo preferido, o de muitos é o death metal e essa escolha se da em grande parte por causa da banda Death, alguns desses fãs puderam apreciar nesse domingo 07/09 no Via Marquês, São Paulo, a belíssima apresentação da banda Death To All e esse que voz fala, tentará passar através de suas palavras e fotografias como foi essa apresentação.

A fila era grande do lado de fora da casa, todos ansiosos para verem esse tributo que está rodando o mundo, tributo esse que está sendo feito pela banda Death To All, formada por: Baixo, Steve DiGiorgio (Sadus, Autopsy, Testament, Iced Earth); Bateria Gene Hoglan (Testament, Dark Angel) ; Guitarra Bobby Koelble (Ex Death) ; E Vocais de Max Phelps (Cynic) e Steffen Kummerer (Obscura). Eles vieram com a proposta de tocar músicas de toda a carreira da banda Death, grandes sucessos que até hoje inspiram bandas novas e também bandas mais experientes.

Mas antes do Death To All subir ao palco, quem inicio o show foram duas ótimas bandas nacionais. Test, um duo que é formado por vocal/guitar João Kombi e nas baquetas “Barata”, que também toca em outra banda que abriu o evento, o D.E.R, que é formado além do barata na bateria por : Renato (guitarra); Mauricio (baixo); Thiago (vocal) . Eles fizeram uma apresentação um tanto “diferente”, ambas subiram juntas ao palco, intercalando as músicas e até mesmo tocando juntas, (isso mesmo, enquanto o TEST tocava uma música o D.E.R. tocava outra, só fico imaginando o grau de dificuldade para o Barata tocar ambas as músicas ao mesmo tempo na bateria) algo que para alguns ficou meio confuso, mas eu curti bastante essa “bagunça” (risos). Para quem quiser conhecer um pouco mais o trabalho dessas bandas, ao final do texto encontram-se alguns links.

Após os brazucas do Test e do D.E.R. tocarem, chega à vez da banda tão esperada da noite, e enquanto as cortinas não sobem, os telões mostram a discografia da banda que está sendo homenageada, assim como de seus integrantes (incluindo o grande Chuck Schuldiner) e a cada troca de imagem no telão o publico gritava ansioso e eufórico.

Pouco antes das 21:00h os integrantes do Death To All sobem ao palco. Como já disse a cima, eles vieram para tocar grandes clássicos da carreira do Death e foi o que fizeram, começando por “The philosopher”, seguida por “Leprosy” e “Left to Die”, só pelo começo podemos ver que a noite seria uma grande festa, recheada de muitas rodas e cabeleiras balançando, impulsionada por Max Phelps, que me surpreendeu por sua voz muito parecida com a de Chuck além dos trejeitos muito parecidos e também por Steve que sempre chamava o público para agitar mais e mais, e foi exatamente isso que aconteceu. Conforme iam passando as músicas como “Suicide Machine”, “Lack of Comprehension” os fãs iam ficando cada vez mais eufóricos e os moshpits estavam cada vez mais pesados.

Phelps deu um tempo dos vocais após a excelente “Flattening of Emotions” e deu lugar para o vocal de Steffen Kummerer, e esse já vem com mais uma paulada para todos os presentes, “Symbolic”, mais um dos hinos do Death, cantado por todo o público, fazendo com que os “bate cabeças” não parassem após sua subida ao palco. Steffen Kummerer prosseguiu no vocal até a “Overactive Imagination”. Phelps reassumiu o microfone cantando “Zombie Ritual” e encerrou essa noite memorável com mais três grandes sons, “Baptized in Blood”, “Crystal Mountain” e “Pull the Plug”.

Não tem muito que falar para concluir essa resenha, apenas que o show foi um dos melhores que já fui, que sem dúvida esta na lista dos melhores do ano e que quem esteve lá jamais irá esquecer dessa apresentação. Estão de parabéns o Death To All , a produtora que nos proporcionou essa oportunidade e os fãs que deram um show a parte agitando do inicio ao fim.

facebook.com/DeathDTATours
facebook.com/testgrind
testdeath.com.br
facebook.com/dergrindon
myspace.com/derpunk

Fotos: Kennedy Silva. Galeria completa neste link.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de setembro de 2014

Heavy MetalHeavy Metal
Dez grandes acústicas de bandas do gênero

2038 acessosLoudwire: as 10 melhores bandas americanas de Metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Death"

Bruno SutterBruno Sutter
"The Dance of Eternity" do Dream Theater no baixo fretless

RoadrunnerRoadrunner
Os álbuns mais desprezados de todos os tempos

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Death"

AutismoAutismo
Rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismo

Em 1977Em 1977
O trágico acidente que vitimou o Lynyrd Skynyrd

Hard RockHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero

5000 acessosNamore um cara que goste de Metal5000 acessosSlash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritos5000 acessosSexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?5000 acessosThrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável5000 acessosAnnihilator: "A cena está crescendo, mas precisa de um novo Metallica"5000 acessosSepultura: como Derrick lida com quem prefere os discos com Max?

Sobre Kennedy Silva

Sou um apaixonado por Rock n´ Roll, desde o mais pesado até os grandes clássicos. Um louco por fotografia, principalmente de bandas e de shows e que está sempre disposto a contribuir para a cena.

Mais matérias de Kennedy Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online