Children of Bodom e Deicide: Melodia e brutalidade unidas em SP

Resenha - Children of Bodom e Deicide (Carioca Club, São Paulo, 25/05/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.





















Em um final de semana extremamente chuvoso, em clima de final de semestre para o calendário dos shows internacionais no Brasil, o público amante do death metal se uniu no Carioca Club para a apresentação conjunta das bandas CHILDREN OF BODOM e DEICIDE. Com a promessa de dois expoentes tão distantes do gênero – um, vindo do celeiro do death metal estadunidense da Flórida, enquanto o outro saiu das terras gélidas da Finlândia – reunidos em um só local, o show teve um público razoável e cumpriu promessa de um espetáculo completo e bem estruturado. Confiram abaixo os principais detalhes do show, com as imagens do nosso fotógrafo Kennedy Silva.

DEICIDE

Ao melhor estilo londrino, o Deicide subiu ao palco em ponto as 19h00 para o início de seu show. O público inteiro já aguardava ali ansiosamente pelo espetáculo, com uma lotação de em torno de ¾ do Carioca Club – não sendo, assim, nem de perto o show mais lotado do ano, mas também não houve falta de gente no local. A banda subiu ao palco ovacionada pelos fãs, que aguardavam ansiosamente. Glen Benton, sempre encostado em seu tripé onde estavam repousadas as letras que cantou durante o show, parecia bastante contente com a recepção do público.

O som meio embolado abriu o show. As músicas “Homage for Satan” e “Dead by Dawn” tiveram uma instrumentação um pouco confusa e o som às vezes pareceu se perder. A voz de Benton, ao contrário, soava com perfeição e encheu o Carioca Club com brutalidade. Não se esperava menos, e os fãs fervorosos da banda ergueram seus chifres e gostaram de cada segundo.

Quando a clareza do som melhorou – rapidamente, diga-se por sinal – viu-se uma banda extremamente técnica. A bateria de Steve Asheim, extremamente rápida, dá o tom para a agressividade do Deicide. A formação se completa com os dois guitarristas, cheios de técnica, que encantaram com seus solos durante todo o espetáculo.

A banda não conseguiu deixar de mostrar também a alegria por estar junto novamente de seus fãs. Benton, ao desejar boa noite ao público, disse que era bom retornar ao Brasil depois de tanto tempo. De pouquíssimas palavras durante o show – a banda não tinha a noite toda para se apresentar – o Deicide preferiu se focar na música, e o que tivemos foi uma reunião de alguns dos grandes sucessos da banda e diversas músicas do novo álbum “In the Minds of Evil”, que realmente se saíram muito bem ao vivo, com um destaque especial para “End the Wrath of God”.

Com o fim do show, a banda deixou o palco exatamente uma hora após ter iniciado seu espetáculo. O público, que foi um pouco frio durante a apresentação da banda, gritou pelo Deicide e pediu mais músicas, que infelizmente não vieram. A banda tinha que dar espaço para a apresentação principal da noite, o Children of Bodom.

DEICIDE é:
Glen Benton – Vocal e baixo
Jack Owen – Guitarra
Kevin Quition – Guitarra
Steve Asheim – Bateria

Setlist Deicide:
1. Homage for Satan
2. Dead by Dawn
3. Once Upon the Cross
4. Scars of the Crucifix
5. In the Minds of Evil
6. Thou Begone
7. When Satan Rules His World
8. Serpents of the Light
9. Children of the Underworld
10. Behind the Light Thou Shall Rise
11. Conviction
12. Dead but Dreaming
13. Trifixion
14. End the Wrath of God
15. Beyond Salvation
16. Misery of One
17. Kill the Christian
18. Sacrificial Suicide
19. Godkill

CHILDREN OF BODOM

Foi mais de uma hora de espera, então, para que a plateia pudesse acompanhar o show do Children of Bodom. Apesar dos estilos bastante distintos das duas bandas, grande maioria do público ficou no Carioca Club para acompanhar a apresentação dos finlandeses. O show, que estava marcado para as 21h00, acabou apenas acontecendo as 21h15m, quando Alexi Laiho e companhia subiram ao palco para iniciar sua apresentação com “Sixpounder”, do icônico álbum “Hate Crew Deathroll”. A plateia cantou junto e gritou desde o início do espetáculo.

Após mais de dois anos sem pisar no Brasil – a última passagem foi em dezembro de 2011 – o público sem dúvidas estava com saudades dos finlandeses. Empolgados até o talo, foi assim que outra pancada intitulada “Living Dead Beat” criou uma das melhores aberturas de show que o Children poderia fazer. Alexi agradeceu ao público pela presença, dizendo estar mais que nunca feliz em voltar ao Brasil.

O show foi um conjunto extremo da velocidade da banda, como no toque extremamente speed metal das guitarras de “Bodom Beach Terror” e na brutalidade que a banda aplicou em músicas como “Scream for Silence”, esta do novíssimo e muito bem recepcionado “Halo of Blood”. Pediu um grande moshpit no centro do palco quando tocou “Hate Crew Deathroll”, que foi gerou uma bela pancadaria no centro do Carioca Club, apesar de que a maioria do público parecia não interessado naquele dia em entrar para a dança.

O old school também não ficou de fora, e as músicas “Lake Bodom”, do primeiro disco da banda de 1997, e “Follow the Reaper” representaram os discos da década de 90. Outra música também tocada foi “Downfall”, um símbolo na carreira da banda que parece nunca sair de moda.

O show foi realmente impecável. A qualidade sonora do Carioca Club correspondeu em grande nível, e o som dos solos de guitarra de Laiho mostraram bastante isso. No resto da música, foi possível no geral acompanhar cada um dos instrumentos, que tomavam controle do áudio cada um a sua maneira, e a técnica muito boa dos membros da banda tornou o espetáculo impecável, sem dúvidas um dos melhores shows que o Carioca Club viu este ano em termos de qualidade sonora.

Fechando o show, uma super sequência levou o público à loucura: “Blooddrunk”, “Angel’s Don’t Kill” e “Towards Dead End” foram o ápice para a maioria dos fãs, que se esqueceram por algum tempo o frio que tiveram que aguardar para conseguir entrar no show e ver a banda. Muito bate cabeça fez o Carioca Club ferver, e valer cada minuto com a banda no palco.

CHILDREN OF BODOM é:
Alexi Laiho – Vocal e guitarra
Roope Latvala – Guitarra
Henkka Seppälä – Baixo
Janne Wirman – Teclado
Jaska Raatikainen – Bateria

Setlist Children of Bodom:
1. Sixpounder
2. Living Dead Beat
3. Bodom Beach Terror
4. Halo of Blood
5. Scream for Silence
6. Hate Crew Deathroll
7. Lake Bodom
8. Follow the Reaper
9. Dead Man's Hand on You
10. Are You Dead Yet?
11. Blooddrunk
12. Angels Don't Kill
13. Towards Dead End
14. Hate Me!
15. Downfall
Bis:
16. In Your Face

Fotos: Kennedy Silva

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Children Of BodomChildren Of Bodom
Como eles conseguiram derrubar Kerry King?

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Children Of Bodom"

Mascotes do MetalMascotes do Metal
Os dez maiores segundo The Gauntlet

Children Of BodomChildren Of Bodom
Alexi Laiho e seu álbum favorito de Ozzy

MetalMetal
Você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 2

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 29 de maio de 2014
Post de 29 de maio de 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Children Of Bodom"0 acessosTodas as matérias sobre "Deicide"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Sem drogas antes de subir no palco... só depois!

Milho WonkaMilho Wonka
Quem são os Posers do Rock hoje em dia?

EuropeEurope
The Final Countdown: segunda pior música dos anos 80

5000 acessosBlaze Bayley: pra sair do Maiden é preciso deixar o cabelo5000 acessosFuturologia: como estariam Cobain, Hendrix, Joplin e Morrisson?5000 acessosJames Hetfield: "Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"4953 acessosAlter Bridge: Myles Kennedy compara Tremonti e Slash3054 acessosRonnie James Dio: os álbuns com o vocalista, do pior para o melhor5000 acessosDream Theater: semelhanças na capa de álbum?

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online