Adrenaline Mob e Halestorm: candidatos a shows do ano em SP

Resenha - Adrenaline Mob e Halestorm (Carioca Club, São Paulo, 16/06/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Pelo fato de encerrar o final de semana e decretar a chegada de mais uma segunda-feira de trabalho, geralmente todo domingo à noite é desanimador. Mas as bandas ADRENALINE MOB e HALESTORM fizeram questão de quebrar totalmente esse script, ao menos para aqueles muitos fãs que lotaram o Carioca Club.

Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Fotos por Leandro Anhelli

Foi uma noite de domingo para fechar o final de semana com chave de ouro. Duas apresentações enérgicas, intensas, impecáveis. Já me arrisco a dizer: sérios candidatos a melhores shows do ano, ainda que se tenha bastante tempo pela frente em 2013.

ADRENALINE MOB

Pouco antes das 19:30h, o ADRENALINE MOB entrou no palco abrindo os trabalhos com "Psychosane", seguida de "Feelin' Me", ambas do álbum "Omertà" (2012). Banda e público estavam em perfeita sintonia, já desde esse primeiro momento.

Os fãs do DREAM THEATER talvez lamentem até hoje, mas a verdade é que o baterista Portnoy, quando anunciou oficialmente sua saída por estar se divertindo mais com seus projetos paralelos, acabou por dar uma enorme contribuição ao Metal, produzindo trabalhos incríveis com o ADRENALINE MOB e mais recentemente com o THE WINERY DOGS.

O cara é um ícone das baquetas. Um talento reconhecido mundialmente e que transforma qualquer projeto que se envolva em algo grandioso. No caso do ADRENALINE MOB não é diferente, embora eu tenha que fazer justiça à qualidade de todos os músicos da banda e à interação entre eles. Russell dispensa apresentação; Mike Orlando mostrou toda sua habilidade e agilidade no domínio das seis cordas; e o baixista John também não deixou por menos, fazendo o "meio de campo" entre a guitarra e a bateria com perfeição.

Apesar de todo o entrosamento da banda, Russell fez questão de lembrar e lamentar a saída de Mike Portnoy, antes da execução da balada "Angel Sky". Quem viu esse show de São Paulo assistiu à última apresentação de Portnoy com o ADRENALINE MOB, salvo se algo mudar no futuro.

"Hit The Wall" veio em seguida para trazer de volta velocidade e peso, sendo um dos pontos altos do show do ADRENALINE MOB. Para o final, a banda reservou aos fãs algumas surpresas e a vocalista do HALESTORM, Lzzy Hale, cantou junto com Russell um cover do DURAN DURAN, além de Tim "Ripper" Owens (JUDAS PRIEST, ICED EARTH, YNGWIE MALMSTEEN), que dividiu o microfone com Allen em "The Mob Rules", cover do BLACK SABBATH (Tim estava em São Paulo com o DIO DISCIPLES).

O público foi ao delírio durante a execução desses dois covers e ainda sobrou fôlego para mais uma canção. "Undaunted" fechou a primeira apresentação da noite. Só o ADRENALINE MOB já teria valido o preço do ingresso, mas era a vez do HALESTORM brindar os presentes com outro grande show.

HALESTORM

Meio horinha para respirar até o palco ficar pronto novamente e passava das 21h quando o HALESTORM deu início ao segundo show do dia, com "Love Bites (So Do I)".

Só por essa abertura já foi possível sentir o que estava por vir. Casa cheia, público agitando a cada música e uma banda extremamente feliz por tocar no Brasil.

Aliás, esse sentimento de satisfação de tocar por aqui ficou ainda mais evidente quando a linda vocalista Lzzy Hale falou do sonho de vir ao Brasil e dos 10 anos da banda, antes de executar "Break In", com apenas voz e teclado.

Outro grande momento foi o solo de bateria do irmão de Lzzy, Arejay Hale. Com cabelos vermelhos, o baterista mostrou toda sua habilidade em um solo muito divertido de ser ver. Tocou com as mãos, saltou do banco, usou baquetas gigantes e como se não bastasse tudo isso, teve a participação de ninguém menos do que Mike Portnoy.

O músico voltou ao palco para algumas brincadeiras com Arejav e fez o Carioca Club vir abaixo. Vibração geral para ver esse jogo de cena dos bateristas, algo impossível de se descrever em palavras. Só mesmo um vídeo do Youtube poderá servir para quem não foi ao show ver esse divertidíssimo momento da noite.

Banda vencedora do Grammy em 2013, como "melhor performance de Hard Rock/Metal" e ainda promovendo seu mais recente álbum de 2012, o "The Strange Case Of...", o HALESTORM trouxe ao Brasil um set que mesclou canções mais novas com outras do disco homônimo de 2009.

Para o bis, já por volta das 22:15h, o HALESTORM foi recebido com bexigas brancas e vermelhas espalhadas pela pista durante a bonita canção "Here's To Us".

"I Miss The Misery" pôs um ponto final nessa apresentação do HALESTORM. Um domingo à noite bem diferente dos demais, que terminou agitado e serviu para animar os fãs presentes ao Carioca Club a encarar mais uma segunda-feira pela frente.

Arrisco dizer que o HALESTORM não demora a voltar. Esbanjando simpatia e talento, os músicos foram "abraçados" pelo público brasileiro e certamente levarão do Brasil uma ótima imagem.

Uma noite de domingo e dois grandes shows, com casa cheia. Felizes daqueles que presenciaram esse momento e já podem destacar as apresentações do ADRENALINE MOB e do HALESTORM dentre as melhores de 2013.

Agradecimentos a Luciano Piantonni (LP Metal Press) e Liberation pela atenção e credenciamento.

ADRENALINE MOB:

Russell Allen - vocal
Mike Orlando - guitarra
Mike Portnoy - bateria
John Moyer - baixo

Set List:
Psychosane
Feelin' Me
Down to the Floor
Angel Sky
Indifferent
Believe Me
All on the Line
Hit the Wall
Come Undone (DURAN DURAN)
The Mob Rules (BLACK SABBATH)
Undaunted

HALESTORM:

Lzzy Hale - vocal, guitarra e teclado
Joe Hottinger - guitarra
Josh Smith - baixo
Arejay Hale - bateria

Set List:
Love Bites (So Do I)
It's Not You
Freak Like Me
You Call Me a Bitch Like It's a Bad Thing
Dirty Work
Innocence
Rock Show
Break In
Familiar Taste of Poison
Drum Solo
Straight Through the Heart (DIO)
Daughters of Darkness
Mz. Hyde
I Get Off

Bis:
Here's to Us
I Miss the Misery




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Adrenaline Mob"Todas as matérias sobre "Halestorm"


Mike Portnoy e Vinny Appice: assista duelo de bateriaMike Portnoy e Vinny Appice
Assista duelo de bateria

Heart: Barracuda surgiu a partir de uma insinuação incestuosaHeart
"Barracuda" surgiu a partir de uma insinuação incestuosa

Portnoy: Não precisa de uma calculadora para se divertirPortnoy
"Não precisa de uma calculadora para se divertir"


Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalBlender
As letras mais repulsivas do Heavy Metal

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

As regras do New Metal/Nu-metalAs regras do New Metal/Nu-metal
As regras do New Metal/Nu-metal

AC/DC: isso sim é uma bela estrada para o infernoBlack Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaGene Simmons: "Mandei o último caixão do Kiss para Dimebag!"Dave Mustaine: "a heroína consegue derrubar qualquer um"

Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336