Exodus: uma noite dedicada totalmente ao Thrash Metal

Resenha - Exodus (Carioca Club, São Paulo, 22/04/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leandro Cherutti
Enviar Correções  

O Thrash Metal, um dos grandes movimentos que surgiu no mundo no início dos anos 80, ganhou força e visibilidade com bandas oriundas da Alemanha e principalmente dos Estados Unidos, mais especificamente no estado da Califórnia. Na América, este movimento ficou conhecido como Bay Area e revelou ao mundo grandes expoentes do gênero. Um desses nomes foi o EXODUS. A banda realizou no mês de abril alguns shows em nosso país e, no último dia 22, se apresentou na cidade de São Paulo, ao lado de uma grande promessa brasileira, o grupo NERVOSA, e da rodada e conhecida CLAUSTROFOBIA.

Aquiles Priester: Posters, action figures e latinhas de coca-cola

Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Texto: Leandro Cherutti
Fotos: Pierre Cortes

Foi em um domingo frio e de muita garoa que o público paulista presenciou, em minha opinião, o melhor show de Metal Extremo do ano. A festa começou às 19h25, com a abertura da nova e já respeitada banda NERVOSA. O trio executa um Thrash de primeira qualidade, e é formado por Fernanda Lira (Vocal/Baixo), Prika Amaral (Guitarra) e Fernanda Terra (Bateria). As meninas iniciaram sua apresentação com muita energia, mas infelizmente a primeira música apresentou problemas no microfone, ficando assim sem vocal por alguns minutos. Solucionado este pequeno contratempo, tivemos total descontração da baixista Fernanda Lira, que agitou muito bem a galera. Mostraram também aos fãs a única faixa cantada em português, cujo nome é "Urânio em Nós". O Power trio feminino se despediu do palco com a faixa que intitula seu primeiro vídeo clipe, "Masked Betrayer".

Por volta das 20h, os reis do "Metal Malóka" subiram ao palco. O CLAUSTROFOBIA chegou arrepiando com uma introdução seguida de "War Stomp", do CD I See Red. O grupo é composto por Marcus D’Angelo (Vocal/Guitarra), Daniel Bonfogo (Baixo), Caio D’angelo (Bateria) e Alexandre De Orio (Guitarra) e está na ativa desde 1994. Marcus, com o seu jeito despojado, comandou a bagunça e logo convocou a faixa "Metal Malóka", o que fez com que a pista do Carioca Club ficasse agitadíssima.

A banda focou sua apresentação no último trabalho, Peste, gravado totalmente em português, mas não se esqueceu dos velhos sucessos. A seguir veio "Condemned", juntamente com a fortíssima "Pino da Granada", "Don’t Kill The Future", "Bastardos do Brasil" e "Alegoria do Sangue". O domínio que a banda exerceu sobre os fãs foi algo notável e, abusando disso, o grupo mandou ver com "Enemy", a indispensável "Thrasher", a nova e doentia "Peste", e completou o show com a faixa "Paga Pau". Assim foi a participação do CLAUSTROFOBIA na noite, um ótimo aquecimento para o EXODUS.

Uma pausa se estabeleceu. Era a hora de tomar um fôlego, comprar uma cerveja e recarregar a bateria, até por que o "pior" estava por vir. Foi exatamente às 21h10 que o quinteto californiano apareceu no palco, e isto aconteceu de forma magistral, mandando logo de cara a cativante "The Ballad Of Leonard And Charles" e "Beyond The Pale", ambas do disco Exhibit B: The Human Condition. Rob Dukes (Vocal) mostrou ser um excelente frontman, com seu carisma agitou o público, sempre que podia sinalizava aos fãs com gestos pedindo que abrissem as tradicionais roda mosh. O show prosseguiu com "Children of a Worthless God" emendada do hit de 1985, "Piranha". Com um set emocionante, os americanos seguiram demonstrando muita velocidade nos petardos "Brain Dead", "A Lesson In Violence" e "Metal Command". O guitarrista Gary Holt esbanjou destreza nas seis cordas, e a cada ano que se passa sua técnica está mais apurada. Jack Gibson (Baixo) foi o entusiasmo em pessoa e se movimentou o tempo todo pelo palco. No comando da bateria, Tom Hunting seguiu forte em sua pegada, deixando tudo redondo para que o espetáculo seguisse em perfeita ordem. E na outra guitarra tivemos Lee Altus que, mais recatado, ficou praticamente o show inteiro do lado esquerdo do palco.

Chegamos à metade do evento e, daqui em diante, o que tivemos foi uma compilação de clássicos encabeçado por "Blacklist", "Fabulous Disaster" do CD homônimo, seguida da veloz "War Is My Shepperd", e o petardo aclamado por todos, "Bonded By Blood". Em "Strike of the Beast", Rob Dukes solicitou que o público se dividisse, e assim comandou um gigantesco Wall of Death. Foi sem sombras de dúvidas um dos mais insanos que já presenciei, e acabou se tornando um dos pontos mais altos do show. Outro momento marcante aconteceu quando Lee Altus puxou um Ole Ole Ola em sua guitarra. Logo todos se uniram a ele e fizeram praticamente uma nova música e o vocal se alternou entre Rob Dukes e os fãs. O final ficou com "Good Riddance".

O EXODUS mais uma vez não desapontou em sua apresentação. Em uma noite dedicada totalmente ao Thrash Metal, a banda promoveu uma total devastação sonora no Carioca Club. O público compareceu em massa, e se tornou um dos principais personagens da noite.

Setlist

The Ballad Of Leonard And Charles
Beyond The Pale
Children of a Worthless God
Piranha
Brain Dead
Iconoclasm
A Lesson In Violence
Metal Command
Deathamphetamine
Blacklist
Fabulous Disaster
War Is My Shepperd
Bonded By Blood
Toxic Waltz
Strike of the Beast
Good Riddance




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Aquiles Priester: Posters, action figures e latinhas de coca-colaAquiles Priester
Posters, action figures e latinhas de coca-cola

Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura


Sobre Leandro Cherutti

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin