Amorphis: o mais gélido verão brasileiro

Resenha - Amorphis (Carioca Club, 07/02/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Foram quase dois anos e meio de espera desde a última passagem dos finlandeses do AMORPHIS pelo país, mas esta segunda visita gerava uma melhor expectativa. Explico. Em setembro de 2009 a noite contou também com o Children of Bodom, o que gerou à época algumas reclamações por parte do público, que achou o set-list de ambos muito curto. Cheguei a mencionar tal fato ao entrevistar o atual tecladista Santeri Kallio poucos dias antes. Veja o que ele comentou, dentre outros temas, logo abaixo.
2358 acessosAmorphis: os reis do "melodeath" falam ao Whiplash.Net

Texto por Durr Campos/ Fotos por Pierre Cortes

Pouco antes da atração principal a banda PERCEPTION fez um eficiente opening act, especialmente para os apreciadores de prog metal na linha do Redemption, Glory Opera e Symphony X. Ótimos guitarristas e um vocalista que sabe usar seus atributos contribuíram para que fossem tão bem recebidos. A título de informação, o conjunto já coleciona apresentações ao lado de bandas como Mindflow e Evergrey.

O domingo extremamente quente na capital paulista contrastava com a sonoridade característica dos filhos da “terra dos mil lagos”, mas eles não pareciam se importar muito com isso tamanha empolgação com a qual adentraram o palco de um Carioca Club não tão lotado como eu particularmente imaginava. O início com a intro “Battle for the Light”, seguida da excelente “Song of the Sage”, faixa de abertura de The Beginning of Times, mais recente de estúdio, levantou até quem parecia exaurido por conta da alta temperatura. “Toward and Against” só piorou – no melhor sentido possível – a situação, assim como “The Smoke”, certamente uma das favoritas daqueles que acompanham o AMORPHIS desde sempre e apreciam a fase pós-Eclipse, debut com o atual vocalista Tomi Joutsen.

Por falar nele, o cara teve a plateia durante toda a noite nas mãos. Sua postura cênica, acrescida do impacto gerado por seus imensos dreadlocks e, lógico, de sua voz incrível, nos fazem até esquecer de que ali do lado, entoando uma guitarra-base de respeito, está ninguém menos que Tomi Koivusaari, co-fundador do AMORPHIS e responsável também pelos vocais guturais nos três primeiros e seminais álbuns The Karelian Isthmus (1992), Tales from the Thousand Lakes (1994) e Elegy (1996). Daí, se ainda havia algum mortal insatisfeito no recinto, certamente calou-se na trinca seguinte com a clássica “On Rich and Poor”, “You I Need” e, provavelmente, a minha favorita da era Joutsen: “Sampo”, do delicioso Skyforger (2009). Deste registro ainda fomos brindados com “Majestic Beast”, “Silver Bride” e “Sky is Mine”. O jogo estava ganho ou não?

Em seguida, as primeiras notas de “Karelia”, instrumental do já citado trabalho de estreia “The Karelian Isthmus” me enganou, pois eu jurava que “The Gathering” viria na cola. Na verdade, pra lá de empolgado, até pensei que “Grail’s Mysteries” também entraria no pacote. Enfim, a estrela solitária foi “Vulgar Necrolatry”, cover dos pioneiros finlandeses do Abhorrence, banda da qual Tomi Koivusaari fez parte antes de montar, em 1990, o AMORPHIS junto ao guitarrista Esa Holopainen e ao baterista Jan Rechberger. O hino “Into Hiding” acabou me fazendo por esquecer a ausência de mais canções do debut.

A derradeira parte da apresentação reservou algumas das mais aplaudidas, começando pela obrigatória “Black Winter Day”, cantada em uníssono, passando pelo hit “My Kentele” e encerrando de vez com outra de Eclipse, “House of Sleep”, perfeita para um grand finale. Em tempo, destaco as performances individuais de Niclas Etelävuori e Santeri Kallio, mencionado no início deste texto, ambos perfeitos para os postos de baixista e tecladista, respectivamente. O verão brasileiro nunca se viu tão acinzentado.

Set-list do Amorphis

1. Battle for Light Intro / Song of the Sage
2. Towards and Against
3. The Smoke
4. On Rich and Poor
5. Sky Is Mine
6. You I Need
7. Sampo
8. Majestic Beast
9. Karelia
10. Vulgar Necrolatry
11. Into Hiding
12. Alone
13. Black Winter Day
14. Skyforger Intro /Silver Bride
15. My Kantele
16. House of Sleep

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Amorphis"

HailMetal.comHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

Arte GráficaArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Amorphis"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do Metal

Guitarras e BaixosGuitarras e Baixos
Perguntas e respostas sobre os instrumentos

Maquiagem, spikes e sorrisosMaquiagem, spikes e sorrisos
Conheça o Happy Black Metal

5000 acessosAxl Rose: sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley5000 acessosLuxúria: uma lista de alguns dos clipes mais sexys da história5000 acessosCorey Taylor: "não comprem a playboy da Lindsay Lohan"5000 acessosMachine Head: Rob diz que A7X copia Guns, Metallica e Megadeth5000 acessosZakk Wylde: Se Ozzy pedir levo ovos, leite e limpo o cocô do cachorro5000 acessosDave Mustaine: "há bandas cujo nome me ofende"

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online