Misfits: O legado da maior banda de Horror Punk em SP

Resenha - Misfits (Virada Cultural, São Paulo, 16/04/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luciano Correa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A banda norte-americana de Horror Punk, THE MISFITS voltou ao Brasil, após três anos desde sua última passagem, para realizar alguns shows e a cidade berço do Punk nacional não poderia ter ficado de fora.

412 acessosBlend Guitar: em vídeo, as mais bizarras Signature Guitars5000 acessosMegadeth: as 10 maiores tretas de Dave Mustaine


O show fez parte da programação de um dos palcos da Virada Cultural em São Paulo, que além do The Misfits, contou também com os chilenos do VOODOO ZOMBIES, o baterista SLIM JIM PHANTOM, RITA LEE, RPM, entre outros que se apresentaram no palco Julio Prestes.

A banda que antecedeu o Misfits era do baterista Slim Jim Phantom, acompanhado de Jimmy Rip na guitarra e o argentino Nixx, no baixo. Com seu contagiante Rockabilly, o trio fez a galera toda cantar e dançar com suas músicas, além de covers de JOHNNY CASH e STRAY CATS.

Estava ainda prevista uma apresentação do famoso cineasta José Mojica, o Zé do Caixão, que acabou sendo cancelada. Enquanto sua filha urrava no microfone em cima do palco, Zé do Caixão era trazido dentro de um caixão, pendurado em um guindaste, para o palco. Porém, algumas pessoas mal-intencionadas (para não dizer estúpidas), lançaram objetos em direção ao astro, impedindo-o de chegar ao palco.

Após esse triste episódio de desrespeito com uma figura importante do cenário nacional, parecia que o show dos criadores do Horror Punk iria começar. Porém, antes disso, algumas pessoas invadiram o espaço destinado a imprensa, bem como o corredor central que servia de área para ações da polícia e dos bombeiros. Resolvido esse pequeno incidente, o show finalmente poderia começar.

É inevitável fazer comparações da formação clássica do Misfits com DANZIG nos vocais, ou da fase grandiosa com o GRAVES cantando, com a formação atual, que conta com JERRY ONLY (líder, baixista e vocalista da banda), DEZ CADENA (vocal e guitarra) e ERIC ¨GOAT¨ ARCE (baterista). Porém, apesar de o trio parecer um tanto quanto descaracterizado, eles estão juntos há um bom tempo, e merecem o respeito por ainda manterem vivo o legado do Misfits, e do punk rock, como citou o próprio Jerry Only.

“Halloween” foi a primeira música do show. Por ser muito rápida, não deixou ninguém parado. O problema foi que o som estava muito ruim, distorcido e embolado e muitos presentes demoraram para perceber de que música se tratava ou mesmo que o show já havia começado. Após esse clássico, outras da fase antiga da banda, como “Earth A.D.”, “Teenagers From Mars”, “Attitude” (regravada pelo GUNS N' ROSES), “Skulls”, “Astro Zombie”, “20 Eyes”, foram tocadas. Em alguns momentos o som melhorava, mas em outros, só se ouvia o público mesmo.


Rodas características de show de Punk Rock foram abertas por todos os lados, o empurra-empurra rolou solto e algumas pessoas ainda foram carregadas de um lado para o outro. Naturalmente que com essa “confusão” toda, algumas pessoas foram prensadas na grade, e a mesma, como sempre, precisou de reforços de seguranças para não ceder (além dos “remendos” feitos de última hora durante o show). Outro fato a mencionar (ou lamentar), foram as pessoas que subiram na torre de som, provocando um certo desconforto na produção e na banda. Não houve uma interrupção geral do show, mas Jerry, em alguns momentos, interviu para que as pessoas saíssem de lá, coisa que só ocorreu depois de produção, banda e público pedirem.

Após um cover do BLACK FLAG, “Thirsty and Miserable” (banda que o Dez Cadena fez parte), iniciou-se a segunda parte do show, composta por músicas da fase Graves. “American Psycho” (executada junto com sua introdução, “Abominable Dr. Phibes”), fez a galera enlouquecer. Na sequência vieram “Walk Among Us”, a inédita “The Monkeys Paw”, o hino “Dig Up Her Bones” (cantada por todos presentes), a complexa (em termos de composição) “Helena” e o novo single “Land Of The Dead”.

Em um determinado momento do show Jerry Only disse que algumas pessoas haviam pedido para que a banda tocasse a música que representava o sábado a noite. Foi então a vez de “Saturday Night”, música que aumentou a fama da banda no final dos anos 90, para empolgação geral dos fãs. Sem perder o fôlego, tocaram “We Are 138”, que já era cantada pelos fãs antes do início do show e se despediram do público, após uma rápida pausa, com a música mais conhecida pelos fãs de heavy metal, “Die Die My Darling” (regravada pelo Metallica nos anos 90). Apesar de muitas músicas tocadas, o show foi curto, com pouco mais de uma hora de duração, o que para muitos foi suficiente, mas para tantos outros, deixou a desejar.

O resumo do show é: apesar de todas as dificuldades (algumas delas criadas pelo próprio Jerry) acerca da recente história da banda, o nome “Misfits” (e suas músicas) são muito fortes e respeitados, e seu líder, Jerry Only, acompanhado de Dez Cadena e Eric, conseguem, senão aumentar, pelo menos manter o legado da maior banda de Horror Punk da história.

The Misfits:
Jerry Only (Baixo e Vocal);
Dez Cadena (Guitarra e Vocal);
Eric ¨Goat¨ Arce (Bateria);

Set List:
1- Halloween
2- Earth A.D.
3- Horror Business Play Video
4- Hybrid Moments Play Video
5- Teenagers From Mars Play Video
6- Attitude Play Video
7- Skulls Play Video
8- Astro Zombie Play Video
9- 20 Eyes Play Video
10- Nike-a-Go-Go Play Video
11- Hatebreeders Play Video
12- Thirsty and Miserable (Black Flag cover)
13- Abominable Dr. Phibes
14- American Psycho
15- Walk Among Us
16- From Hell They Came
17- The Monkeys Paw
18- Dig Up Her Bones
19- Kong At The Gates
20- The Forbidden Zone
21- Helena
22- Jealous Again (Black Flag cover)
23- Land Of The Dead
24- Saturday Night
25- We Are 138

Encore:
26- Die Die My Darling

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Misfits (Virada Cultural, São Paulo, 16/04/2011)

2835 acessosMisfits: Uma breve descrição do show na Virada Cultural

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 20 de abril de 2011

412 acessosBlend Guitar: em vídeo, as mais bizarras Signature Guitars0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Misfits"

HalloweenHalloween
Cinco grandes momentos de Horror no Rock

ReuniãoReunião
Cinco retornos inesperados no rock/metal em 2016

MisfitsMisfits
Doyle queria que Lars processasse a Internet

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Misfits"

MegadethMegadeth
As 10 maiores tretas da história de Dave Mustaine

IntrigasIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

SlayerSlayer
Kerry King comenta Grammy, Venom, Dimebag, e mais...

5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal5000 acessosGaleria de fotos: 13 motivos para gostar de Rock N Roll5000 acessosGuitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a Time5000 acessosIron Maiden: conheça as versões de Eddie com o passar dos anos5000 acessosFutebol & Rock n' Roll: alguns jogadores que ouvem rock e metal5000 acessosHeavy Metal: 25 bandas que fizeram o gênero ser o que é

Sobre Luciano Correa

Colaborador do Whiplash e apreciador de várias vertentes do Rock/Metal. Começou cedo ouvindo Queen, Nazareth e RPM no velho toca discos dos pais. Escutou muito Guns N' Roses, Bon Jovi, Scorpions, Metallica, Iron Maiden e Sepultura até descobrir Helloween, Blind Guardian e Gamma Ray. Ainda nesse meio tempo começou a ouvir Ramones, Misfits, Offspring, Angra, Rhapsody, Hammerfall, Stratovarius, Manowar, Motörhead, Pantera e Slayer para fechar a década de 90. No começo dos anos 2000, incluiu em sua lista bandas como Nightwish, Sonata Arctica, Within Temptation, System Of A Down, Rammstein, Dimmu Borgir, Cradle of Filth e atualmente - últimos 5 anos, tem escutado muito Children Of Bodom, Katatonia, Alestorm, Eluveitie, entre tantas outras. Rock/Metal é barulho para alguns e estilo de vida para tantos outros!

Mais matérias de Luciano Correa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online