Blaze Bayley: show de carisma e dedicação aos fãs em SP

Resenha - Blaze Bayley (Blackmore Rock Bar, São Paulo, 21/01/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por A Ilha do Metal, Fonte: A Ilha do Metal
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em uma noite de muita energia e reencontro com os fãs paulistanos, Blaze fez uma apresentação de mestre, demostrando um show de carisma e dedicação aos fãs. Além disso, mostrou também, por diversas vezes, sua aversão pelas grandes gravadoras que roubam o dinheiro dos artistas e dos fãs, segundo o próprio Blaze.

Bruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!

Com aproximadamente duas horas de atraso, a banda de abertura THE SEVENTH SEAL sobe ao palco e toca músicas de seus dois álbuns "Premonition" e "Days of Insanity", totalizando seis músicas. O show foi marcado por diversos problemas com as guitarras, apesar de mostrarem boa qualidade musical. Para se ter uma ideia, os problemas com as guitarras fizeram com que um dos guitarristas ficasse apenas no backing vocal e o air-guitar nas duas últimas músicas. A banda se desculpou, o público gostou e aplaudiu a apresentação dos caras.

As cortinas do palco se abrem para o momento tão esperado da noite, Messiah e sua banda finalmente surgem e logo depois da introdução veio a primeira música, "Blackmailer". O som da casa não estava perfeito, é verdade, mas nada poderia ser capaz de impedir que aquela fosse uma grande noite para todos. Em seguida, vieram as ótimas "Smile Back at Death", "Faceless" (que deixou clara a grande capacidade e versatilidade do novo baterista, Claudio Tirincanti) e "Waiting For My Life to Begin", cantadas com todo ar dos pulmões do público, que já estava em delírio. É bom ressaltar também a ótima banda de apoio de Blaze, o colombiano David Bermudez (baixo) se mostrava tão empolgado quanto o público!

A toque de caixa, começa a ótima e pesada "City of Bones" e, na sequência, "Voices From The Past", ambas mostrando que mesmo com o cansaço da turnê, a voz de Blaze estava melhor do que nunca.

Uma pequena pausa para Blaze discursar sobre a importância dos fãs para que a gravação do álbum "Promise and Terror" fosse possível, já que, na época, Blaze chegou a afirmar que não tinha dinheiro para produzi-lo, sendo custeado com dinheiro dos fãs. Em seguida, o primeiro momento alto do show ficou com a música "Surrounded by Sadness", cantada com emoção por Blaze, que fazia questão de cumprimentar todos em frente do palco. A música teve um resultado surpreendente ao vivo, junto com as três seguintes: "The Trace of Things That Have No Words", "Letting Go of the World" e "Comfortable in Darkness", que deram sequência à esta parte da apresentação e às interpretações quase teatrais do Messiah.

Mais uma parada para um discurso inflamado do Messiah sobre o futuro. Nesse momento, ele anunciou, é claro, "Futureal", que levou a casa abaixo! Nessa hora, era evidente a satisfação no semblante do Messiah, que tinha o público na mão, algo que ele sabe fazer muito bem. Sem parar, começa a "Launch" que, em certos momentos, soa como em seus tempos de Iron Maiden. Esta parte do show ainda contou com "Blood and Belief" e o público guardando energias para o que ainda viria.

Mesmo com o discurso padrão, Blaze demonstrou muita emoção e gratidão e disse bem pausadamente: "Nós somos livres, não precisamos de EMI, não precisamos de BMG, não precisamos de Warner, não precisamos de empresários. Precisamos de vocês!" Ainda agradecendo todos os presentes e falando sobre liberdade, emendou o discurso com o anúncio da "The Clansman", que foi cantada em uníssono por todos. Muitas palmas e um "ôlê, Olê, oLê, Blaze, Blaze!" para o Messiah!

Mais de uma hora de show já havia passado e outra sequência matadora de músicas por vir: a ótima "The Brave"; "Watching the Night Sky", música que exige o máximo de performance vocal de Blaze, e naquele momento do público também; "Madness and Sorrow", com muito bate-cabeça e a visível aprovação de Blaze; "The Man Would Not Die", mostrando o grande entrosamento entre os guitarristas Jay e Nicolas - neste momento o Messiah já estava com o cabo do microfone enrolado no pescoço; "Robot", que além de rápida e furiosa como um grito de revolução, tem muita emoção na letra e interpretação de Blaze; "Samurai", que seguiu matadora até o fim; e por último "The Tenth Dimension", uma das surpresas do show em São Paulo!

Quando tudo parecia chegar ao seu fim, o público ansiava por mais, muito mais, e assim foi! As primeiras notas de "The Sign of the Cross", uma surpresa para todos, um show a parte, esta música não havia sido tocada nesta parte da tour, com Blaze gravando a frenesia do público em vídeo. Para terminar a noite, "Man On The Edge" foi mais uma música da época de Blaze no Iron Maiden, que, no fim das contas, deu um resultado mais do que positivo para o espetáculo. Só restou a Blaze sentar na ponta do palco, dar autógrafos e cumprimentar todos os que ali passavam.

Set list do show em São Paulo:
1 - Blackmailer
2 - Smile Back and Death
3 - Faceless
4 - Waiting for My Life to Begin
5 - City of Bones
6 - Voices from the Past
7 - Surrounded by Sadness
8 - The Trace of Things That Have No Words
9 - Letting Go of the World
10 - Confortable in Darkness
11 - Futureal (Iron Maiden cover)
12 - The Launch
13 - Blood and Belief
14 - The Clansman (Iron Maiden cover)
15 - The Brave
16 - Watching the Night Sky
17 - Madness and Sorrow
18 - The Man Who Would Not Die
19 - Robot
20 - Samurai
21 - 10th Dimension
22 - Sign of the Cross (Iron Maiden cover)
23 - Man on the Edge (Iron Maiden cover)

CONFIRA TODAS AS FOTOS DO SHOW

Agradecemos a Web Rádio Metal Militia, por nos dar a oportunidade de cobrir o show.

Fotos: Bruno Bergamini




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Blaze Bayley"Todas as matérias sobre "Iron Maiden"


Bruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?Iron Maiden: o brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)Vlog Rock: A saga de Charlotte, a prostituta do Iron MaidenCollectors Room: a controversa volta às raízes do Iron Maiden (vídeo)Iron Maiden: local do show diz que fã agrediu segurança antes de ser espancado

Iron Maiden: Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeoIron Maiden
Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeo

Iron Maiden: banda fecha parceria com cervejaria curitibana BodebrownIron Maiden
Banda fecha parceria com cervejaria curitibana Bodebrown

Rock in Rio 2019: Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do ScorpionsRock in Rio 2019
Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do Scorpions

Rock in Rio: festival explica por que o Iron Maiden toca antes do ScorpionsRock in Rio
Festival explica por que o Iron Maiden toca antes do Scorpions

Rock in Rio 2019: Iron Maiden abrirá para o Scorpions; veja horários de todos os showsRock in Rio 2019
Iron Maiden abrirá para o Scorpions; veja horários de todos os shows

Em 03/09/1984: Iron Maiden lançava Powerslave, o seu maior clássicoEm 03/09/1984
Iron Maiden lançava Powerslave, o seu maior clássico

Collectors Room: o nascimento de um novo Iron Maiden em Brave New World (vídeo)

Iron Maiden: Blaze Bayley diz que sua fase foi o embrião da era progressiva na bandaIron Maiden
Blaze Bayley diz que sua fase foi o embrião da "era progressiva" na banda

Iron Maiden: em 1988, um ótimo disco para marcar o fim de uma eraCollectors Room: tudo sobre Fear of the Dark, do Iron Maiden (vídeo)

Wikimetal: Os melhores álbuns da última décadaWikimetal
Os melhores álbuns da última década

Bruce Dickinson: deixando o cabelo crescer novamente em ato de rebeldiaBruce Dickinson
Deixando o cabelo crescer novamente em ato de rebeldia

Iron Maiden: por que não existem filmagens oficiais da turnê Somewhere In Time?Iron Maiden
Por que não existem filmagens oficiais da turnê Somewhere In Time?


Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!Musos do Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioLinkin Park
Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício

Religião: os rockstars que se converteramReligião
Os rockstars que se converteram

Edu Falaschi: o fax com convite de seleção para o Iron MaidenSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoAC/DC e Axl Rose: o que Gene Simmons achou da parceria?Slipknot: Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey Taylor

Sobre A Ilha do Metal

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336