Blaze Bayley: celebração ao Heavy Metal em Campinas

Resenha - Blaze Bayley (Sebastian Bar, Campinas, 20/01/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luciano Correa
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.










Quem compareceu ao show do BLAZE BAYLEY, nesta noite de quinta-feira, pode testemunhar uma verdadeira celebração ao heavy metal. O frontman presenteou os fãs com muita energia, disposição e, acima de tudo, muito carisma. Em sua segunda passagem pela cidade de Campinas, o ex-vocalista do IRON MAIDEN, acompanhado de sua banda formada por Nico Bermudez (guitarra), David Bermudez (baixo), Jay Walsh (guitarra) e Cláudio Tirincanti (bateria), mostrou que há tempos deixou de viver na sombra de sua ex-banda.

O palco escolhido para o show foi o Sebastian Bar, local relativamente novo na cidade (está prestes a completar 1 ano de existência) e que vem se consolidando como uma boa opção para os rockeiros da região. O bar possui uma estrutra legal, dividido em dois ambientes: no primeiro, dispõem-se mesas com cadeiras e um balcão, além de uma TV LCD grande e muitos quadros decorativos de "monstros" e "deuses" do rock; já o segundo é composto pelos banheiros, um outro balcão, uma pista ampla e um palco pequeno, porém bem estruturado. O sistema de som é bem distribuído, apesar de falhar algumas vezes. O destaque vai para o sistema de luz, cujos canhões possuem led's coloridos, dispensando a necessidade de vários equipamentos desse tipo.

A abertura ficou por conta da banda campineira de thrash metal, KAMALA, que já está há oito anos na estrada e possui dois álbuns lançados. Com pouco mais de trinta minutos de show e um set list composto por nove músicas, a banda mostrou toda sua competência deixando a plateia muito satisfeita e pronta para o principal show da noite.

Por volta da meia-noite, Blaze e sua trupe chegaram ao local, passaram pelos fãs, cumprimentando-os, e foram direto para o camarim. Poucos minutos depois subiram ao palco para dar início a uma noite memorável. A música de refrão marcante "Blackmailer" (do penúltimo álbum "The Man Who Would Not Die") foi a primeira a ser tocada e a sequência seguinte foi para ninguém ficar parado: "Smile Black and Death" (também do penúltimo álbum), com seus quase oito minutos; "Faceless" (do novo álbum "Promisse & Terror"), com sua velocidade e melodia empolgante; "Waiting For My Life To Begin", com sua "pegada" rápida; e "Voices From The Past" (ambas do "The Man Who Would Not Die"), além "City of Bones" (do "Promisse & Terror"), outra música bem trabalhada.

Aos gritos de "Olê, olê, olê, Bleizê, Bleizê", Blaze interagiu com o público, emocionado com o carinho dos fãs, agradecendo a cada um que havia comprado o ingresso para ver a banda. Feito isso, foi emendada uma sequência de músicas que começou com a semi-acústica "Surrounded by Sadness", uma espécie de introdução para "The Trace of Things That Have No Words", passando por "Letting Go Of The Word" e fechando com a "Confortable in Darkness" (todas do "Promisse & Terror"). Naturalmente, todas foram cantadas em coro pelos presentes.

Após um discurso sobre viver a realidade, Blaze deu a deixa do que viria a seguir, e para a felicidade de muitos, "Futureal" (do álbum "Virtual XI" do Iron Maiden) foi tocada, fazendo com que "o local viesse abaixo". A banda estava muito bem introsada e mesmo ao executar uma música da "Donzela de Ferro", não deixou a peteca cair. Os guitarristas Nico e Jay executaram perfeitamente todas as partes de guitarra, inclusive os solos, onde em alguns momentos os faziam juntos e em outros se revezavam. O baixista David tocou com muita empolgação e contagiou boa parte do público, acompanhado do baterista Cláudio, que levou todas as músicas com muita energia. Os fãs cantaram a música com muita vontade, mostrando que a passagem de Blaze pelo Maiden merece respeito.

A segunda parte do show começou com a poderosa e rápida "The Launch" (do álbum "Silicon Messiah", o primeiro da carreira solo), seguida pela marcante "Blood and Belief" (do álbum de mesmo nome). Mais uma da "Donzela de Ferro" foi tocada e, dessa vez, era a "The Clansman" (também do "Virtual XI"), uma música muito trabalhada com seus praticamente nove minutos e que possui o marcante grito "Freedom". "The Brave" (álbum "Silicon Messiah"), "Madness and Sorrow" ("Promisse & Terror"), com sua intro de guitarra furiosa, a rápida "The Man Who Would Not Die" e a pauleira "Robot" (ambas de "The Man Who Would Not Die") completaram o set-list.

Os gritos dos fãs pediam "Samurai" (do "The Man Who Would Not Die") com muita intensidade. Blaze, depois de conversar mais um pouco com o público - pois fez isso o tempo todo, ora agradecendo os fãs, ora criticando certas mídias -, mostrou que é uma pessoa muito humilde, que valoriza seus fãs e atendeu ao pedido. A "casa foi incendiada" mais do que em qualquer outra música, comprovando que os fãs reconhecem o trabalho de Blaze, o respeitam e, acima de tudo, o valorizam.

Para fechar o show, surpreendendo a todos, foi tocada "10th Dimension" (do álbum de mesmo nome). Antes de finalizarem o show com, provavelmente, o maior clássico da carreira de Blaze, "Man On The Edge" (álbum "X-Factor" do Iron Maiden), o "Messiah" anunciou que, ao terminá-la, não iria para o camarim, pois ficaria no palco para tirar fotos e dar autógrafos aos fãs que quisessem, mostrando ainda mais sua grandeza e humildade. A banda tocou o clássico do Maiden que consumiu todas as energias não só do público, mas também de Blaze e cia., coroando a noite em que o Heavy Metal reinou mais uma vez.

Set List:

1- Blackmailer
2- Smile Black and Death
3- Faceless
4- Waiting For My Life To Begin
5- Voices From The Past
6- City Of Bones
7- Surrounded By Sadness
8- The Trace Of Things That Have No Words
9- Letting Go Of The World
10- Confortable In Darkness
11- Futureal (Iron Maiden cover)
12- The Launch
13- Blood and Belief
14- The Clansman (Iron Maiden cover)
15- The Brave
16- Madness and Sorrow
17- The Man Who Would Not Die
18- Robot
19- Samurai
20- 10th Dimension
21- Man On The Edge (Iron Maiden cover)



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Blaze Bayley"Todas as matérias sobre "Iron Maiden"


Bruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?Iron Maiden: o brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)Vlog Rock: A saga de Charlotte, a prostituta do Iron MaidenCollectors Room: a controversa volta às raízes do Iron Maiden (vídeo)Iron Maiden: local do show diz que fã agrediu segurança antes de ser espancado

Iron Maiden: Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeoIron Maiden
Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeo

Iron Maiden: banda fecha parceria com cervejaria curitibana BodebrownIron Maiden
Banda fecha parceria com cervejaria curitibana Bodebrown

Rock in Rio 2019: Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do ScorpionsRock in Rio 2019
Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do Scorpions

Rock in Rio: festival explica por que o Iron Maiden toca antes do ScorpionsRock in Rio
Festival explica por que o Iron Maiden toca antes do Scorpions

Rock in Rio 2019: Iron Maiden abrirá para o Scorpions; veja horários de todos os showsRock in Rio 2019
Iron Maiden abrirá para o Scorpions; veja horários de todos os shows

Em 03/09/1984: Iron Maiden lançava Powerslave, o seu maior clássicoEm 03/09/1984
Iron Maiden lançava Powerslave, o seu maior clássico

Collectors Room: o nascimento de um novo Iron Maiden em Brave New World (vídeo)

Iron Maiden: Blaze Bayley diz que sua fase foi o embrião da era progressiva na bandaIron Maiden
Blaze Bayley diz que sua fase foi o embrião da "era progressiva" na banda

Iron Maiden: em 1988, um ótimo disco para marcar o fim de uma eraCollectors Room: tudo sobre Fear of the Dark, do Iron Maiden (vídeo)

Galeria - Action figures, os sensacionais bonecos de grandes ídolos do rockGaleria - Action figures, os sensacionais bonecos de grandes ídolos do rock
Galeria - Action figures, os sensacionais bonecos de grandes ídolos do rock

Nita Strauss: Minha pedaleira é igualzinha a do Dave MurrayNita Strauss
"Minha pedaleira é igualzinha a do Dave Murray"

Iron Maiden: Caipiras finlandeses fazem versão de The TrooperIron Maiden
Caipiras finlandeses fazem versão de "The Trooper"


Kiss: as 10 músicas mais demoníacas da bandaKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda

Galeria - Tatuagens em homenagem ao Guns N' RosesGaleria - Tatuagens em homenagem ao Guns N' Roses
Galeria - Tatuagens em homenagem ao Guns N' Roses

Elvis Presley: De que ele morreu?Elvis Presley
De que ele morreu?

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHeavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiramPaul McCartney: o dia em que ele deu um soco na cara de Eddie VedderMetallica: filhos de Kirk acham que tocar guitarra é um saco

Sobre Luciano Correa

Colaborador do Whiplash e apreciador de várias vertentes do Rock/Metal. Começou cedo ouvindo Queen, Nazareth e RPM no velho toca discos dos pais. Escutou muito Guns N' Roses, Bon Jovi, Scorpions, Metallica, Iron Maiden e Sepultura até descobrir Helloween, Blind Guardian e Gamma Ray. Ainda nesse meio tempo começou a ouvir Ramones, Misfits, Offspring, Angra, Rhapsody, Hammerfall, Stratovarius, Manowar, Motörhead, Pantera e Slayer para fechar a década de 90. No começo dos anos 2000, incluiu em sua lista bandas como Nightwish, Sonata Arctica, Within Temptation, System Of A Down, Rammstein, Dimmu Borgir, Cradle of Filth e atualmente - últimos 5 anos, tem escutado muito Children Of Bodom, Katatonia, Alestorm, Eluveitie, entre tantas outras. Rock/Metal é barulho para alguns e estilo de vida para tantos outros!

Mais matérias de Luciano Correa no Whiplash.Net.